10.4.08

Estou parva.

Imagem: Cluster Maps
Desculpem lá estar a insistir tanto nisto, mas estou verdadeiramente parva com a quantidade de visitas estrangeiras aqui ao blog. Esta coisa é fantástica! Brasil em força! Caras, mandem um Oi! França! Mandem um Alô Alô! Portugas… vocês, pá. Lindos como sempre. Estejam onde estiverem.
Estou mesmo parva. Mas um parva bom… não do tipo parva como a senhora de ontem que ao falar ao telemóvel com AURICULAR se distraiu e quase que ia capando o “meu” Saxo. Não é esse tipo de parva. Ahhh… e não tipo parva como os Srs. Bestas da Imobiliária Filha Bastarda do Demo que, pelos vistos, andam a fazer tudo para fecharem a chafarica. Também hei-de dar uma mãozinha… mas por enquanto, vou-me refastelando ao vê-los a enterrarem-se cada vez mais na própria bosta. Um parva bom. Mesmo bom. :)

16 comentários:

Anónimo disse...

Parabéns pelo fenómeno de globalização aqui no teu espaço!! :D

Continuo a dizer, adoro ler-te.

Me disse...

Olá Sr. Anónimo,
"Fenómeno de globalização"... Hehahehah!!!
Pois é. A net tem destas coisas. Acho que também o facto de haver um portugês a dizer "merda" mais de 50 vezes ao dia em cada canto e recanto do mundo ajuda. "Merda" é uma instituição Nacional, porra. De mais formas do que uma, mas enfim...
E eu continuo a dizer, adoro que me leiam!
;)

PS... Assim como quem não quer a coisa... Oh Sr. Anónimo... e que tal um cadito de criatividade na coisa e colocação de nome aqui nos comentários? Qualquer coisa serve. Tudo menos "Anónimo"... Vá lá... Pelo menos ia dando para distinguir os Anónimos e Anónimas... Please? Não? Ohhh vá lá!!!
Mas obrigada pelo comentário na mesma.
:D

Anónimo disse...

Olá.
Eu não quero de maneira nenhuma desiludir-te mas....eu tb estava felicíssima há uns dias atrás pq tb tinha reparado que havia gente que supostamente me via de todo o mundo...até tinha várias visitas da bélgica e eu contentíssima, até que o meu namorado, dp de se rir à farta, me disse que isso dependia do servidor, que por exemplo o que eu pensava ser uma visita da bélgica era (podia ser) duma simples staples portuguesa....fiquei deveras triste....espero que não seja o teu caso!!!!!!!!!!!!!

beijo

Tixa

Me disse...

Olá Tixa,
Bolas! Ok, é uma hipótese viável. Tudo bem. Mas não quero saber. Sendo assim, o meu blog anda a dar trabalho a empresas no Brasil, França, Inglaterra, etc... Eu estou a contribuir para a economia global! E tu também! Nós estamos de parabéns!!!
;)
PS. Se tens blog, deixa aí o link... pelo menos ficas om mais um hit português...
:)

Anónimo disse...

Mais uma vez vou tentar dar nível a este blog.
Segundo a Priberam:
parva | s. f.
fem. sing. de parvo
parva
fem. de parvo

de parvo
s. f.,
pequena refeição antes do almoço;
dejejuadoiro;
quantia pequena;

prov.,
eirada de cereais na ocasião da debulha.

Me disse...

Também eu vou fazer o mesmo (segundo a mesmo fonte – Priberam)

ANÓNIMO:
do Lat. anonymu < Gr. anónymos, sem nome
s. m.,
aquele que não assina o que escreve;
adj.,
sem nome de autor, que não é assinado; diz-se da sociedade comercial que é apenas representada por um título.

NÍVEL:
do Fr. ant. livel ou nivel < Lat. *libellu, forma m. de libella, dim. de libra, balança
s. m.,
instrumento que serve para verificar se um plano está horizontal; instrumento usado em topografia, dotado de luneta, geralmente montado num tripé e usado na medição de diferenças de cotas entre pontos do terreno; superfície paralela ao plano do horizonte;
elevação relativa de uma linha ou de um plano horizontal; altura.
fig.,
horizontalidade; posição relativa numa escala de valores; igualdade de mérito; igualha;
paridade de situação; estado económico geral; norma; padrão.
loc. adv.,
ao - de: à mesma altura (no sentido próprio e figurado); no mesmo plano;
ter -: ter categoria; ter classe; ser competente;
- de bolha de ar: instrumento destinado a verificar a horizontalidade de um plano, e que consiste num pequeno tubo que contém líquido e uma bolha de ar;
- de vida: estado comparativo das condições económicas e sociais em que um indivíduo, um grupo ou um país se encontra, de acordo com os seus rendimentos.

TENTAR:
do Lat. tentare, freq. de tenere, ter
v. tr., empregar os meios para conseguir (o que se deseja ou empreende); diligenciar; intentar; empreender; sondar; experimentar; instigar; induzir ao mal; causar desejo a; provocar;
procurar seduzir; pôr à prova; esforçar-se por; expor-se a; arriscar; proceder à tenta dos novilhos.
v. int., seduzir, subornar;
v. refl., deixar-se seduzir; arriscar-se.

DAR:
do Lat. dare
v. tr., fazer doação de, doar; ceder alguma coisa, transferir gratuitamente a posse dela a alguém; alienar; conceder, outorgar, investir; dotar com; entregar, confiar, pôr em poder de; presentear, brindar, gratificar; pagar, gastar; restituir, embolsar; prestar, tributar; dispensar;
manifestar; aplicar, receber; proferir; emitir, exalar; ser bom, servir, prestar para; indicar, assinalar, registar, introduzir, penetrar; admitir, concordar; dizer, expor; causar; praticar, produzir; bater, soar; ferir, golpear; parir, criar; fixar, impor; participar, avisar; contagiar, propagar, pegar; suportar; render (juro); renunciar a; auxiliar, beneficiar; desferir, atirar; prescrever, preceituar; publicar; desembocar;
v. int.,
fazer esmolas, presentes, dádivas; bater, espancar; ocorrer, manifestar-se; originar-se; brotar, atacar; reflectir; revelar-se; ir de encontro a;
v. refl., tomar resolução; acomodar-se; conviver, viver em harmonia; dedicar-se, entregar-se.
- e vender: ter em grande quantidade, em alto grau;
- de si: ceder, vergar, abalar;
- para baixo: rebater, humilhar;
- para trás: repelir, contrariar, contradizer, rebater;
- de corpo: defecar;
- para tabaco: bater, sovar;
- às de Vila-Diogo: fugir;
- de trancas: fugir;
- no vinte: acertar;
- por paus e por pedras: irritar-se;
- à costa: naufragar.

Me disse...

Ou seja, a si, Sr “que não assinar ou escreve”, poderá, livremente “empregar os meios para conseguir” “fazer doação de” “instrumento que serve para verificar se um plano está horizontal” ou “posição relativa numa escala de valores”. Até agradeço essa “diligência”. No entanto, e para que haja coerência (do Lat. Cohaerentia - s. f., conformidade; congruência; conexão; harmonia; ligação; estado de coerente.), identifique então a referida “escala de valores” segundo a qual deverei comparar a minha “categoria; classe; competência” para que não mais ofenda (do Lat. Offendere - v. tr., fazer mal a; lesar; ferir; injuriar; desconsiderar; melindrar; escandalizar; desgostar; pecar contra; prejudicar; v. refl., magoar-se; escandalizar-se; susceptibilizar-se.) os meus queridos leitores (do Lat. Lectore - adj. e s. m., o que lê; ledor; o que lecciona em cursos para estrangeiros, fora do país; o que tem o 2º grau das ordens menores eclesiásticas; prov., anel de pedra que as mulheres usam como amuleto quando amamentam crianças; aparelho electrónico que permite a reprodução de som (leitor de cassetes) ou de som e imagem (leitor de vídeo) gravados em fita magnética ou em discos compactos (neste último caso, através de leitura óptica por meio de raio laser); Inform., dispositivo electrónico periférico, incorporado no bloco principal do computador, apto para pôr em acção as operações de leitura em discos, disquetes ou fitas magnéticas.), enquadram-se eles onde se enquadrarem (v. tr., meter no quadro; encaixilhar; emoldurar; prover de chefes, no quadro do pessoal; v. int., fig., dar as indicações que permitem situar um facto, um acontecimento, uma função, etc.; caber, ficar bem; dizer com; v. refl., meter-se ou ficar em quadro; inserir-se num grupo.).
Muito agradecida (de a + Lat. *gratescere, v. tr., mostrar gratidão por; render graças; recompensar; v. int., confessar-se grato.),
Me. (Eu)

Vitor disse...

Chiça.

Eu até vinha aqui para me divertir um pouco a acabei obrigado a aprender umas coisas!
Livra!
Safa!
esadof!

Me disse...

Vítaro,
- chiça!
interj., gír., exprime desprezo, repugnância, protesto ou recusa.

- Foder/foda-se: A palavra não foi encontrada.

;)

Anónimo disse...

Uff!!! Consegui! Até o "me" já parece um doutor letrado.

Me disse...

Exmo. Sr. Anónimo,
Para que não haja dúvidas quanto à interpretação dos termos aqui utilizados, mantenhamos o seguinte por referência:
Doutor - do Lat. doctore, o que ensina, s. m., aquele que ensina; homem erudito; sabedor; aquele que recebeu o mais elevado grau numa faculdade universitária; por ext. forma de tratamento social que se dá a qualquer indivíduo bacharel ou licenciado; fam., homem com presunções de sábio. - da Igreja: teólogo de grande autoridade.
Letrado - do Lat. Litteratu, adj. e s. m., versado em letras; literato; erudito; jurisconsulto.
Ora, tendo por base seu anterior comentário em que afirmava querer “dar nível” ao blog Outra Merda Qualquer , ao qual eu respondi com a solicitação de elucidar aqui Minha Exª quanto ao nível ao qual se estaria a referir especificamente, é com alguma desilusão (e até incómodo) que verifico que tal solicitação não só não foi respondida como também, ao que parece, completamente ignorada por Vossa Exª. Sinto-me também na obrigação de referir que, e sempre dentro do contexto aqui explorado, ter Vossa Exª empregue o termo “Doutor” para se referir à minha pessoa poderá ter sido acto provocado por distraído (espero!) equívoco. Como se pode ver mais acima, a própria definição deste termo implica processo de ensinamento. Agora, se bem me recordo, seria a Vossa Exª que caberia o papel de ensinar. A mim, humilde bloguista pouco afoita a coisas úteis e com nível, caberia o papel de receber tais ensinamentos e, desse modo, seguir seus desejos de melhoria e desenvolvimento (qual boa aluna em constante persecução dos ensinamentos do Mestre). Admito, cabisbaixa e desmoralizada perante tal, um certo sentimento de desorientação, de falta de rumo, de incerteza no caminho, de completa e profunda perdição quanto à continuação a dar a toda esta problemática! Perdoe-me tal sentimento, mas, sendo Gaja Inútil, há sentimentos que surgem em nós como água brota do solo, como o sol espreita por uma janela, como o fumo sai por uma chaminé, como o ar sai de um pneu furado. Perdoe-me tal ofensa, mas é o retrato de como, neste preciso momento, me sinto.
Caso consiga encontrar forças no seu coração para perdoar tal blasfémia, continuo com forte vontade de receber Seus ensinamentos de Comentarista Doutor Letrado em assuntos Bloguistas pois acredito (piamente e com todo o meu ser!) que apenas assim poderei dar o tal tão almejado nível a este meu singelo cantinho na blogoesfera. Quem sabe se assim, desconfio humildemente que só assim, produzirei magnificências literárias dignas de serem lidas sem franzires de sobrolho, sem esgares de boca e sem surtos de regurgitação alimentar por parte de quem, propositadamente ou não, confere o seu tempo e esforço para visitar este espacinho em tão nítida necessidade de se melhorar e ser tudo quanto pode vir a ser.
Aguardo, respeitosa e atentamente, que elabore resposta adequada a estas minhas preces.
Com os mais cordiais dos cumprimentos,
Me (prostrada em vénia)

Vitor disse...

Por favor... um martelo!

Eu quero um martelo!
E não me expliquem o que é um martelo que eu só o quero para dar com ele no dedo mindinho do pé esquerdo!

Me disse...

MINDINHO:
do Lat. *minutinu < minutu + inu
adj. e s. m., dedo mínimo.

Para teres um mínimo, tb tens um máximo? Hmmm...
Mas sim, um martelo de grandes proporções seria benvindo.
Mas eu não daria com o mesmo no dedo mindinho. Nopes. Consigo lembrar-me de pelo menos uns outros 86 sítios úteis no qual deixar cair a ferramenta e onde os estragos seriam mais, digamos, úteis.
E nas famosas palavras do Sr. Vítaro, Chiça! à qual acrescento o tão afamado Punico!
Chiça Punico!

Anónimo disse...

morcegopersistente.blogspot.com

é o meu bloguito caseiro

ehehe

Tixa

Me disse...

Oh Tixa, não tens posts desde 23 de Março! Isso lá é coisa que se faça!
Assim que puder, acrescento aqui um link para o teu tal blog caseiro
:)

Anónimo disse...

tenho que tratar disso....as ideias n surgem....o trabalho aperta....

beijo

Tixa