9.1.13

De início, temos o princípio.

imagem: google


2013 já cá canta. Fantástico.
“Como está a correr o teu ano, Me?”, já me perguntaram.
“Normal… vamos no 9º dia, continua a fazer frio. Tudo dentro do expectável”, respondo para não fazer muito alarido e destruir a fé alheia.
Sendo verdade que o ano correrá com base nos indícios (ou no que acontece) dos primeiros dias do mesmo, devo admitir que o meu parece não ir correr muito mal. Porquê? Por isto.
Ao terceiro dia de Janeiro, fui ter com amiga que iria nesse mesmo dia, voltar para país onde se encontra emigrada desde meados do ano passado. Fui para me despedir dela mas, devido ao atraso em fazer as malas, acabei por ser útil de outras formas.
O país para o qual foi não é, digamos, dos mais desenvolvidos. Entre um dos factores de necessidade de desenvolvimento, encontra-se a indústria dos apetrechos e geringonças de animação sexual (isto só para vos contextualizar).
Cheguei a casa dela faltava cerca de uma hora para se meter a caminho do aeroporto. Virou-se para mim, com ar incrédulo, e exclamou: Esqueci-me daquilo! Esqueci-me! Importas-te de ir comprar num instante?!, enquanto me atirava com notas para as mãos.
Confusa, perguntei qual seria alvo de tamanho esquecimento. Creme para massagens eróticas, anéis penianos com massajador de clitóris e pensos higiénicos respondeu-me.
Só tive tempo de perguntar “Com aroma ou sabor a quê?!” enquanto voava porta fora para ir até ao supermercado mais próximo tratar de encomenda tão peculiar. Tinha 10 minutos para concretizar a tarefa.
Entrei no Continente aqui da terrinha a correr e em passo muito apressado me dirigi até à secção de tais entretenimentos. Duas senhoras, sossegadamente a escolher pacotes de lenços de papel, sorriram quando me viram a olhar para prateleiras com ansiedade, pegando nesta e naquela caixa, neste e naquele tubo de creme, escolhendo entre aparelhos a pilhas ou baterias (impressionante a escolha disponível no Continente…). Peguei no arsenal e, em passo ainda mais acelerado, fui para a caixa. Estavam todas mais que cheias e, enquanto tentava esconder o que iria comprar nos braços (eu sou de cá, porra) lá escolhi a que me parecia menos cheia.
Tinha funcionário masculino a atender. Pensei: que se lixe. Ao menos assim dou uma ajudinha ao sexo feminino quanto à aceitabilidade deste tipo de produto (e dou-lhe razões para ter mais uma história para contar).
Chegada a minha vez, coloquei os produtos (uma caixa de pensos higiénicos, dois anéis penianos e um tubo de óleo com aroma a chocolate) em cima do tapete e agarrei logo num saco para ir pondo as compras. O tempo que o representante da espécie masculina demorou a encontrar a merda dos códigos de barra pareceu-me um horror. Aquilo é que foi virar e revirar as embalagens todas. Olhei para o ecrã onde se vêem as compras descriminadas e não me contive. Comecei-me a rir. Rapazinho sorriu ligeiramente. Pensei que podia alegar que era tudo para uma amiga minha que estava emigrada e precisava disto mas não o fiz. Quem iria acreditar?
Ainda a rir-me, paguei e agradeci. Peguei no saco e corri dali para fora.
Ainda hoje consigo ouvir os pensamentos das pessoas que estavam na fila daquela caixa (para não falar dos de quem me atendeu): Vai cá com uma pressa! Assim é que é! E até leva pensos e tudo! Aquilo é que vai ser!
Conclusão: não sei bem qual será a parte desta história que melhor poderá fornecer dados quanto a como correrá 2013; se a risota incontrolável, se a correria desenfreada, se o impulsionar da vida sexual de terceiros, mas algo há-de surgir.
Vamos ver.
Bom ano para todos. 

5.12.12

Castigo por ausência… Pesquisinhas Deprimentes para todos os gostos (mesmo que não o meu…).


imagem: google (claro…)

Quando tudo o resto falha, é bom saber que se pode sempre contar com as intermináveis Pesquisinhas Deprimentes para alegrar uns minutos do dia. Ou não…

Secção: Inchaços e afins.
O que incha mais sagres ou super bock
Esta pesquisa só pode ter sido feita por uma gaja. Nenhum gajo se iria alguma vez preocupar com isto. Isso só se sabe experimentando, ‘miga. Vai-te medindo durante a piela e logo saberás. É a única maneira de saber (vai alternando entre uma e outra).

merda incha na agua?
Pergunta ali à amiguinha de cima para ela te dizer qual funciona melhor – cerveja ou água.

como dizer merda em grande?
MER-DA. MERDA. MERDA. MERDA. GRANDE MERDA.

porque aparecem marcas de fezes na cueca de idosos
Uma questão territorial, claro. As cuecas dos idosos pertencem às fezes. Isso e a urina, composta por água, faz com que inchem e se escapem para as ditas cujas com maior veemência.

Secção: Google é Deus – tudo sabe, tudo revela.
Como tirar o vicio de chuchar no dedo
Ora vamos lá então. O melhor para esse vício é arranjar algo que substitua o dedo para que haja uma fase de desmame menos violenta. Podia oferecer sugestões mas vou-me ficar pelos chupa-chupas. É melhor assim.

a arte da chupada
Cala-te que ninguém te perguntou nada! Mau!

imagem de mensagem que mexe um aspirador
Isso será para enviares alguma indirecta a alguém? Espero bem que sejas gaja…

o verdadeiro ditado do passarinho cagando no proprio ninho
O verdadeiro ditado relacionado com essa questão, muito antigo, reza assim:
Passarinho, Passaroco. Se cagas no ninho, és um porco!

google por favor me deixa assistir um filme porno gratis de mulher metendo com animal
Todos sabemos que o google responde melhor e com mais links quando se diz por favor. Muito bem!

por quanto tempo a pessoa aguentaria no maximo um walkman? pode ter consequencia no futuro
Pois claro que pode e é exactamente para prevenir esse tipo de perigo que existe o google!

truque para abrir a bagageira do hyundai getz
Ahhh! São uns brincalhões! O truque envolve um martelo, um pé de cabra e um primo de um vizinho de um amigo lá da terra. Trust Me.

www.galinhasvideosprono.com.br
A certeza, senhores. A certeza.

fotos de minetes sexuais
Alto e para o baile! Mas há outros minetes que não os sexuais?! As coisas que eu tenho por aprender, vosso deus!

rapazes nus com a pila de fora
Então, mas assim sendo, é possível vê-los nus sem a pila de fora? Onde é que a escondem? ………………………. Ahhhhhhhhh! Ok, ok. Siga. Siga, porra!

quero ver peitos de mulheres de samora correia
Queres os cornos é que queres! Ai a MER-DA!

SECÇÃO: I see almost dead people
colt 1.1 faz barulho a frio
Tens de mandar uns tirinhos para a coisa aquecer. É como quase tudo na vida. Oh aí a pontaria a frio, ‘tá?

SECÇÃO: Foda-se que isto não é o msn!
sempre te vi como um engatatao e casa nova
Nós mulheres temos uma certa tendência (absurda, claro) de perceber que um gajo é engatatão e pensar logo em casa nova. Mudar de ares e tal. Um cadito de terapia através do design de interiores. Visitas ao Ikea. Coisas assim.

fodasse a merda do fogao nao aquece a puta da agua
Há fogões que simplesmente não colaboram! Deitam aquelas chamas piquenas-piquenas-piquenas e nada! Água fria, panelas geladas, comida congelada. Cabrões!

parece que estás bem é caladinha
Ahhh vai-te lixar que o blog é meu e respondo o que quiser às pesquisinhas.

me amas e nem sequer te apresentaste
É assim. O amor tem destas coisas. Primeiro, há que o declarar junto da amada e só depois, com jeitinho, fazer apresentação de coração que bate e lateja. As gajas são mesmo picuinhas.

keep calm and porra nenhuma, hoje tem caralho
Aí ‘tá! Keep calm, o caralho que hoje há caralho! Vê lá se esta precisa de apresentações, oh piquinhas!

SECÇÃO: Tenho alma de poeta, visão de águia (ou seja, continuação do “foda-se que isto não é o msn”)
soja losing my mind se fosse fácil assim , pessoas vão e vem sentimentos são pr sempre
Verdade verdadeirinha (sei lá o que dizer sobre isto. Fiquei na parte do “soja losing my mind”)

a verdade é que nunca se esquece o que não tem motivo p ser esqueceido
Mais uma grande e bela verdade! Até mesmo o que queremos esquecer, se não houver motivo para tal esquecimento, not gonna happen. Já dizia o outro… “não esqueçeras… sem que haja motivo decente para isso, claro está e nem mesmo que queiras que isso não é motivo para nada”.

ninguém nos pode ofender sem o seu consentimento - roosevelt
Então, que se fique sabendo que dou o meu consentimento para que todos se possam devidamente ofender quando quiserem e bem entenderem seja lá com quem for, até mesmo com esse tal Roosevelt.

quando fores grande vais ter um corpao
Quando fores apanhado, vais para a prisão.

a pressa vai a merda fica
Inchada e nas cuecas dos idosos. Eles que o digam. Não há pressa que lhes valha!

SECÇÃO: Vou usar o google como corrector ortográfico
distrai me
Desculpa?

distrai-me
Para quê? Como?

distraí-o-me
Acho que estás a fazer um bom trabalho sozinho/a. Siga!

SECÇÃO: São estas dúvidas e questões que não me deixam dormir.
impotencia sexual masculina não assumida
O gajo é virgem e não gosta de ti. Espetou-te essa peta da impotência. Calha a todas.

lesma engraçada
Mais uma pesquisa sobre impotência sexual. Esta MER-DA é um flagelo!

forcado arranca pregos
Aí ‘tá! Homem! Viril! Macho! Até arranca pregos quanto mais pegar touros! É assim mesmo! Olé!

tipo de roupa que as espanholas usam
De Espanha, nem boa venta, nem boa vestimenta. Esquece lá isso.

esposa se bronzea com esperma
Ou isso ou adormeceu ao sol…

os caranguejos sao intuitivos
Tanto que o google vai criar uma nova opção de busca “I’m Feeling Crabby”…

SECÇÃO: Prémio para melhores Pesquisas.
[quero marcar um retorno]
A gravidade com que tal é dito leva-me a crer que falas de um tipo de retorno que todos os mortais almejam. Também quero, porra. Vou, mas volto. Onde é que me inscrevo?

ohohohohohohohohoh ohhhh ohio
Mêri Crissmash!! E um forte abraço para a malta do Ohio, nos EUA! (e não se fala mais no assunto que o espírito natalício não entra aqui).

Assim vai o google. Boa semana, minha gente. Boa semana. 

14.11.12

Desafio IV - Emigrar. Para longe.

imagem: google

Resultado do III Desafio - Último lugar. Sucesso! A minha luta pelo último está a correr bem.
Para o IV Desafio, tínhamos de escrever sobre emigrar para bem longe. Como até nem foi algo sobre o qual escrevi há relativamente pouco tempo aqui no tasco, fiquei tão contente por poder voltar a insistir neste assunto. Aqui fica o texto submetido a avaliação. 

"Mesmo a fervilhar de vida e de gente, vejo as ruas vazias.
Mesmo que o sol brilhe e me aqueça a pele, apenas me faz lembrar que noutro sítio, longe, brilha com mais força e beleza. Que este sol aqui é fraco, diluído, impotente na sua missão de iluminar a mente de quem suplica por luz.
Penso em me ir embora para bem longe. Emigrar. Ir para um sítio demasiado longe que não me deixe na pele a comichão de saber poder voltar a qualquer altura caso as coisas não resultem. Tão longe que esquecerei de onde vim; apenas saberei para onde vou.
Nem a comida tem o sabor de antigamente. Agora, serve apenas o propósito de abastecer o corpo, de o alimentar para cá continuar nesta vida que não vai para lado nenhum.
Talvez deva pegar nesta vida e levá-la para um sítio onde possa ser nutrida e cuidada como deve ser. Onde possa florescer e ser vivida com tudo a que tem direito. Onde a minha mente e os meus pensamentos não a façam sentir-se inútil e gasta, sobrevivida num dia-a-dia vazio de sentido e de valor.
Bem longe, lá do outro lado do mundo, o mais longe que se possa ir. Talvez aí, tão desenraizada das origens e tudo quanto se conhece e se sabe, talvez aí se consiga nascer de novo, como se uma longa viagem de avião fosse o meio para uma segunda hipótese de viver tudo o que ficou em stand-by há tanto tempo atrás. Talvez aí perca a sensação que me assola o estômago, a quase certeza de aqui não poder ficar, de aqui não conseguir continuar, de aqui não merecer estar se tudo o que daqui retiro é a vontade de me ir, a sensação de estar a ser repelida para outro lugar, empurrada e puxada até chegar àquele ponto de ruptura em que as evidências são tão fortes que tudo quanto se pode fazer é, de facto, ir.
E vou. Todos os dias vou para aquele sítio em que sei haver uma vida melhor para mim. Todos os dias faço a viagem, navegando por ruas desconhecidas, por caras estranhas, por sítios inexplorados. As malas há muito que foram feitas, o plano delineado. O avião espera-me. A viagem aguarda-me. Não posso esperar mais pelo que não vem. Vou. Para longe e para me esquecer do que nunca foi."

Ansiosa pelos resultados!