19.5.08

Às armas!

imagem: google
Ontem vi uma reportagem na televisão em que jornalista e respectivo cameraman andavam pelas ruas de Lisboa à procura de sinais de apoio à selecção (mais especificamente, bandeiras portuguesas à janela, etc.). Não encontraram. Conclusão: os portugueses não estão a apoiar a sua selecção. Mas oh que grande merda. Eu gosto de futebol (já gostei mais). Sou benfiquista (já fui mais). A selecção há-de ser sempre a selecção (nem mais nem menos). Agora, por amor das bolinhas aos saltos, não me venham pedir que apoie um grupo de homens crescidos que ganham mais num mês do que eu em vinte anos porque tiveram a sorte de poder usar os pés em vez da cabeça para ganhar a vida e que, também por sorte (e algum mérito) representam um país como o nosso que, em abono da verdade, pouco mais tem a mostrar do que a tal predisposição genética dos seus cidadãos para dar chutos numa bola. Querem que eu, orgulhosamente, coloque uma bandeira na minha janela, como forma de mostrar àqueles senhores que “estou com eles”? Eles lá precisam de nós! Precisam do nosso apoio para quê? O trabalho deles é jogar à bola. Só têm é que fazer o melhor que sabem e podem. Não é por 10 milhões de bandeiras que vão, de repente, chutar melhor, posicionarem-se melhor, não cometer faltas, marcar golos. Deve haver muita gente a ler isto e a pensar que estou aqui numa de blasfemar tudo quanto é sagrado. Futebol. Sagrado? O que é que eles ajudam o país? Digam lá. Ajudam no quê? Em elevar o nosso orgulho nacional? Em relação ao futebol? Não há nada mais nobre do que isso? Oh Noruegueses d’uma figa! Tomem lá! O nosso sistema de saúde é melhor que o vosso!! Cof-cof!! Oh Suecos filhos d’uma granda Sueca!! O nosso sistema de segurança social é melhor que o vosso! Oh Alemães e Almôas! Querem ver? Nós temos melhores estradas e condições de trabalho do que vocês!! E melhores escolas! Oh Ingleses Come On’s! Nós somos mais bem educados que vocês, foda-se!!! E não cuspimos para o chão! E pedimos licença! E somos respeitosos! E pedimos desculpa! Desculpem lá qualquer coisinha! Eu sei que uma coisa não tem a ver com a outra, mas quando me pedem para apoiar uma selecção que representa um país, temos de ter noção do que estamos a apoiar. No nosso caso, o dos portugueses, estamos a apoiar uma data de rapazolas bem-parecidos, ricos, sem preocupações de maior na vida (pelo menos não tão térreas como a da maior parte de nós…), que, na maior parte dos casos, nem em Portugal jogam, que integraram um brasileiro (português, pronto) na selecção porque no meio de tanta gente não há nenhum portuga capaz de fazer o que ele faz. Oh por amor das bolinhas. Recuso-me a apoiar visivelmente (o que não significa que não veja os jogos, que não grite de frustração, que não chore de alegria…) este país (ou seus “representantes desportivos”), pendurando uma qualquer bandeira à minha janela. Recuso-me. Nós não merecemos. O que merecemos, aí sim, é o país que temos. E esse, não fossem as bolinhas bem apontadas para o fundo das redes adversárias, nem sequer seria conhecido desses mesmos adversários. Perguntem a um qualquer estrangeiro… Conhece Portugal? Sim! Figo! Eusébio! Cristiano Ronaldo! Tudo quanto somos resume-se a um campo de futebol. É esta a imagem da qual tanto nos orgulhamos. Às armas my ass.

6 comentários:

O Santo disse...

Sempre ouvi dizer que se ama ou detesta o futebol, não existe meio-termo. É de facto triste observar os milhões que envolvem o negócio ou ver os empresários e dirigentes a utilizarem o desporto para proveito próprio mas, em Portugal, está enraizada uma cultura futebolista que vai do simples agricultor do interior ao politico sentado na Assembleia da República.

A selecção é um caso à parte e tal como em tantos outros desportos, os portugueses apoiam activamente quem representa o nosso país. Veja-se o caso da Vanessa Fernandes à menos de um mês, com o Parque das Nações a abarrotar de apoiantes e a vibrar com os km percorridos pela atleta. Veja-se o recente desempenho da selecção de Rugby no campeonato do mundo, que apesar de não vencerem nenhum jogo, foram recebidos em apoteose no aeroporto da Portela.

A selecção é a selecção e todos devemos dar o nosso apoio, com o sem bandeiras à janela…

O Santo

Cris... disse...

Desculpa, passei por cá, e tive que comentar.
Penso exactamente o mesmo que tu, mas, pelo facto de não ser de cá, e para não ser mal interpretada, nunca me manifestei nesse sentido.
Ainda bem que não sou assim tão estranha, e há mais pessoas a pensarem como eu.
Jokas e desculpa meter-me na converseta!

Vitor disse...

Eu vou por uns cortinados!

Me disse...

Bem, Cris! Que raio!? Desculpa e meter na converseta?!? Nada disso... Vieste fazer uma visita e um comentário... Acrescentaste à converseta. Nada de pedidos de desculpas. EU é que fico contente por não ser tão estranha assim!

O Santo:
Os portugueses apoiam activamente quem apoia o país e ganha. Vanessa Fernandes? Apoio a uma pessoa, a uma atleta. Apoio tão grande porque é uma só, contra muitos. Só começaram a apoiar quando ela começou a ganhar e isso ficou sabido. E antes disso? Onde andava o pavilhão atlântico cheio de gente? Onde andavam as tvs a fazer reportagens do centro de treinos e entrevistas à família, etc?
Rugby?? Apoiaram quando souberem que iam a frança e que eram a unica equipa amadora a fazê-lo. Somos amadores mas estamos lá! Não sei se repararam, mas a própria selecção achou toda aquela histeria meio sem jeito. Ouvi uma entrevista do seleccionador em que ele dizia qualquer coisa como "obrigadinha, mas... onde andava esta gente toda antes?"

Por isso, apoio, claro que sim. Há que apoiar atletas de categoria mundial que, contra muitos, conseguem alcançar tudo quanto desejam/podem. E apoio pelo indivíduo, porque reconheço o mérito, o trabalho, o esforço, o sacrifício. Não por representarem Portugal. Lamento.
Selecção de futebol? Apoio. Pelas mesmas razões (quase). Incondicionalmente. Mas tb não me posso é colocar completamente ao lado do que é o Futebol em si.
A Vanessa Fernandes transmite uma imagem de nós. A selecção de rugby, outra. A selecção, outra ainda.
Bandeiras... cortinados (Sr. Vítaro...) nopes. Lamento.
Estarei nervosamente a acompanhar os jogos, esperando que ganhemos... Mas de janelas bem abertas e limpinhas.
Lamento e peço desde já as minhas desculpas a todos os agricultores e políticos que possam sentir-se "ofendidos" no seu patriotismo... Cada um com o seu.
E prontes!

Oliveira da Serra disse...

Aborto
Jornalista: "O que acha do referendo à Interrupção Voluntária da Gravidez?".
Tuga: "Portugal tem assuntos mais urgentes para resolver".

Contrato Civil de Casamento Entre Pessoas do Mesmo Sexo
Jornalista: "O que acha de se legislar sobre o casamento civil entre duas pessoas do mesmo sexo?".
Tuga: "Portugal tem assuntos mais urgentes para resolver".

Selecção Nacional de Futebol
Jornalista: "O que acha de se colocar na janela uma bandeira portuguesa de apoio à selecção?".
Eu: "Portugal tem assuntos mais urgentes para resolver".

Me disse...

Nem mais, Oliveirinha da Serra, nem mais.
Mas, temos de admitir que isto do futebol ajuda a distrair o povo...
Não era Júlio Cesar que dizia "Dêem-lhes pão e circo" em relação ao povo? Ou era Hitler?
Não me lembro...
Beijos pra ti!