13.5.08

Pirilampos

imagem: google
Ontém à noite. Eu e o Saxo. E não só…
Eu – (esfumaça, esfumaça, esfumaça…) Saxo – Radio comercial! Blah-blah-blah! Yeah, yeah, yeah… Eu – Chega-te para trás… Estás muito perto de mim… (olhando pelo retrovisor)… Estúpido… Chega para trás… (encostei um pouco à direita… deixando-o passar… Não passou, mesmo não vindo ninguém de frente). Saxo – La-la-ri-ir-la-re-li-lo-ro-la-la-la Eu – Ai o caralho… Passa, porra! (cheguei-me novamente para a direita… Nada). Saxo – Blah-blah-yeah-yeah-la-la-li-ri… Eu – Olha, merda! (larguei beata de cigarro janela fora e continuei viagem a 110 kms hora) Carro que vinha atrás – Pirilampos, pirilampos, pirilampos… azul, azul, azul, azul. Eu – Foda-se. Outra vez*. Puta de sorte. Vou ser a primeira pessoa a ser multada em Portugal por ter atirado fora uma beata. E velocidade ao mesmo tempo. Oh, foda-se. (parei o carro...) Sr. da BT – Boa noite senhora condutora. Eu – Boa noite. Sr. da BT – Os seus documentos e os da viatura. (dei-lhe logo tudo de uma só vez…Ele pegou, foi ver o selo… voltou.) Sr. da BT – Dna XPTOA, já ingeriu bebidas alcoólicas hoje? Eu – Nem hoje nem na última semana! Porquê? Sr. da BT – Pode acompanhar-me? Eu – Onde? Sr. da BT – À nossa viatura para fazer o teste do álcool. Vinha a fazer uma condução perigosa (ele, em abono da verdade, não disse perigosa, disse outra coisa qualquer despropositada que não me lembro… um termo técnico qualquer da BT… sei lá) Eu – Teste? O quê? Você acha que eu estou com álcool por me estar a desviar de vocês ali atrás? Vocês vinham demasiado perto! Estava apenas a desviar-me. Eu não bebo álcool… Sr. da BT – Dna XPTOA, pode acomp- Eu – Eu faço o teste! Eu faço! (saí do carro, tranquei-o e fui com o Sr.) Eu – Você não pode partir do princípio que eu estou com álcool por me estar a desviar para deixar passar o carro que vinha atrás. Eu até sou alérgica ao álcool. Não bebo. Sr. da BT2 – Boa noite. Eu – Boa noite. Vocês vinham demasiado perto! Sr. da BT – Você não pode colocar em questão a razão da fiscalização. Se vimos uma situação que possa ser potencialmente perigosa, temos de actuar. Eu – Ok, ‘tá bem, mas… Sr. da BT2 – Alguma vez fez o teste de álcool? Eu – Que me lembre não… Quer dizer… Não. Nunca (“que me lembre”, valha-me caredo…) Mas vocês também não se podem aproximar tanto dos carros da frente! Eu estava a deixar-vos passar. Nem sabia quem era. É uma prática comum… o pessoal encosta-se e deixa quem vai com pressa passar… Sr. da BT 2 – Assopre aqui, de uma só fez e com força, se faz favor. Eu - (assomprando, depois de ter atirado fora a pastilha para a estrada...) Sr. da BT – ‘Tá bom. Sabe, é que até por uma questão de segurança… Eu – Por uma questão de segurança digo eu! Então, se eu tenho um carro assim tão próximo de mim, tão colado, tento evitar perigo para mim, não é? Sr. da BT – Pois… E com as coisas que andam para aí hoje em dia… nunca se sa- Eu – ‘Tá a ver? Vocês não se deviam aproximar assim tanto! Levam a que se reaja de uma forma que pode não ser a melhor. Sr. da BT – Então, obrigada e uma boa noite. Eu – Boa noite. è que eu sou mesmo alérgica... Bem, não é bem alérgica, não posso é beber. Faz-me mal à saúde...
Sr. da BT - (meio sorriso meio amarelado...)
E fui-me embora. Lá me safei… bolas. Quase que lamentaram a situação. O condutor (Sr. da BT2), nem me disse mais nada sem ser o boa noite. Depois admiram-se de as pessoas acharem que eles andam à caça às multas. Vieram atrás de mim uns dois quilómetros. Podiam-me ter multado pelo cigarro e pelo excesso de velocidade e pela pastilha… Mas enfim. Desta vez passou.
*Há uns bons meses (1 ano, por aí), saída da auto-estrada em Vila Franca… Eu, no meu fantástico 206 XS 1.4, 75 cvs, estava com pressa de chegar a casa quando sentimos (eu e o querido 206) que BMW 320 se aproximava… Sentido o efeito do "picanço", respondemos… Ultrapassava eu, ultrapassava ele… Passava eu, passava ele… Frouxo, pensava eu enquanto puxava pelo 206. Há gente que não merece os carros que tem, insistia eu… Quase no final da Recta do Cabo, pirilampos, guinchos, buzinas, tachos, holofotes, neons, etc. Pensei – foda-se (várias e repetidas vezes). Parei. O Sr GNR sai do carro e aproxima-se. Conheci-o (é lá da terra…). Eu – Oh, pá! És tu! Atão tu vens-me assim a picar! Assustaste-me! Porra, pá! Ele – Desculpe… O quê? Eu – Desculpa o quê, o quê, pá? Ele – Ahhh! XPTOA! Não te estava a conhecer! ‘Tás boa? Eu – Ehhh… prefiro que não me andem a perseguir… E tu, ‘tas bom? Ele – Sim, claro. Mas ouve lá, aquela última ultrapassagem… fizeste o carro da frente desviar-se… Tens de ter cuidado! Eu – Não fiz nada! Ele não se mexeu… O que é que tu pensas que viste? Vinhas lá tão atrás… Só viste foi luzes… Ele – Estava era a ver que aí o calhambeque se virava lá na curva a sair da auto-estrada… Hehaheha!!! Eu – Calhambeque? Só me apanhaste porque tens os pirilampos! Manda beijos meus à tua esposa e à filhota! Tenho mesmo de ir! Ele – Ok… Vai-te lá embora então.. Eu – Ouve lá, queres ver os documentos? Aproveita… Ele – Não, pá. Não é preciso. Eu nem estou de serviço… Ia a caminho de casa… Eu – Mas o carro não é teu… Ele – Não… sou condutor do Sr. Tenente Coronel Capitão Sargento Cabo Soldado Dr Professor XPTO… Eu – Ahh… muito bem. Atão, cuida bem do carrito. Porta-te bem! Ele – Ciao, boa viagem. Eu – ‘Deus! Encontros com as autoridades tendem a correr menos mal, como se pode ver. Ehhh. Até o dia! Em relação a outros assuntos… Still waiting. Still.

3 comentários:

Vitor disse...

É caso para dizer que tens uma Farda Madrinha!

Anónimo disse...

Só passei mesmo pa deixar aquele abraço de bloguistas....lol..

Tixa

Me disse...

Bom dia aos dois!
Farda Madrinha...
HA!
HA!
HA!
Podia ter sido uma boa piada... podia...
:)

Olá Tixa... Right back at ya.
beijos!