26.5.09

Confessem-se, seus Pecadores!

imagem: google
Eu, a Descrente-Mor cá do estamine, decidi abrir aqui um espacinho para o pessoal confessar o inconfessável. Porquê? Porque me apetece. Tenho andado com repeniques de engasgos de coisas meio atravessadas aqui na goela, coisas inconfessáveis, e quero cúmplices para a tarefa de libertação. Por isso, aproveitem, libertem-se, desengasguem-se. Confessem o que nunca confessariam a ninguém por nada neste mundo. Como sou simpática, até vou aceitar comentários anónimos ou com nicks totós… Mas só até ao próximo post!!!
Me first!!! Me first!!! Eu confesso que tenho uma vontade enorme de ir ter com uma vizinha minha e contar-lhe que o marido descobriu, por meios ilícitos, o meu número de telefone para depois me mandar mensagens de bons dia e o raio que o parta e que foi por causa disso que o meu Sr. Mr. Gajo uma vez lá foi bater à porta sem mais nem menos e sem ela ter percebido porquê. Confesso que tenho um desejo secreto de um dia partir a mão (e outros objectos também) na cara de uma pessoa que me é muito especial por sempre me ter tratado bem e nunca me ter feito mal nenhum, mesmo que isso signifique não mais poder utilizar o teclado como o consigo usar hoje. Confesso que desde pequena, mas mesmo pequena, que tenho um desejo enorme de um dia estar bem no centro de uma daquelas brigas de bolos cheios de creme… tipo filme… com tartes de chantilly a voar e montes de pessoal a participar na coisa (isto desde o meu 5º aniversário quando perante bolo enorme coberto de creme tive o desejo súbito de alguém me empurrar e eu aterrar de cara dentro do mesmo… pancadas, o que é que querem…). Confesso que comecei a chuchar no dedo quando tinha 5 anos, de propósito, de forma consciente e intencional, quando a minha Mãe decidiu que a minha chucha tinha de ir para a minha irmã porque ela gostava era daquela e não da dela. Lembro-me perfeitamente de estar deitada na cama nessa noite e de ter enfiado o dedo na boca e pensado: Então, se não me deixas ficar com a chucha, vou começar a chuchar no dedo!! Pronto! Confesso que houve uma noite, quando também tinha aí uns 5 anos, que acordei com frio e fui roubar uma manta à cama da minha irmã, deixando-a meio destapada e só com lençol (os meus 5 anos foram muito traumáticos pelos vistos…). Pronto. O resto deixo para os comentários anónimos ou com nicks totós… Agora é a vossa vez. Siga!

90 comentários:

Cantador de desgarradas disse...

Confesse que não confessou tudo e eu perdoar-lhe-ei...

As minhas confissões... Pensarei nisso mais logo!

:)

Sua pecadora!!!

Me disse...

Hihihihi!!!
Nem de perto, nem de longe!!
:)
Estou perdoada??

Me disse...

Mais uma...
Confesso que caguei de alto na entrega do irs e que só me dediquei à tarefa no domingo à noite. Ontém, por diversas dificuldades técnicas, só consegui entregar a coisa às 21:30 da noite, depois de toda a gente me ter dado na cabeça que não é no último dia blah, blah, blah.
Caguei.

K disse...

Deixa estar amor, eu não entreguei no último dia mas foi quase...

eu até te confessava coisas, mas dado que estou sob influência hormonal, a coisa é capaz de se centrar em questões emocionais e tal e penso que isso já se sabe e de resto não me lembro de nada assim de repente para contar...

ah! a não ser a minha grande vergonha que não é propriamente segredo de certa vez ter simulado uma cena de todo o tamanho para sair à noite; como eu nunca me dei bem a mentir fui descoberta e a coisa correu mal, pois correu. ainda hoje me envergonho de tamanha parvoíce.

confesso também que me faço de muito mais dura do que sou, que por vezes canso-me de ser forte, que choro quase sempre às escondidas dos demais - quando me permito chorar (e pronto, lá entrámos no lamechismo!), e de que apesar de não fazer qualquer questão de casar e ter filhinhos, gostaria de encontrar um gajo que se desse ao trabalho de me querer conhecer, que gostasse realmente de mim e que não se importasse de ter uma relação (odeio as palavras porque fazem sempre tudo parecer tão cliché e banal e eu não quero nada de banal ou o que é usual)

confesso também que consigo ser uma irresponsável de primeira, que me atraso a pagar a renda e que me esqueço da mulher que lava as escadas para não falar das outras contas (ando melhor!!!)

e não me apetece confessar mais nada porque tenho que ir almoçar e acho que isto nem foi confissão, foi assim uma coisa sem jeito, foi só a minha necessidade de desabafo (e atenção) no dia de hoje

confesso que às vezes me odeio

Me disse...

K,
Antes de mais, adoro a forma como dizes e desdizes e fazes e desfazes
:) É absolutamente adorável.
Saídas à noite? Eu fazia tantas ou tão poucas que acabava em lágrimas, a brigar com os meus pais e depois de eles me deixarem ir, recusava-me porque estava toda inchada e de olhos vermelhos e de nariz a pingar. Isto fazia com que brigasse mais porque eu sabia que eles faziam de propósito. AGAHAGRAGAHGR!!!

Confesso-te a ti, minha linda, que eu aprendi que não sou nada dura, que sou uma autêntica menina, que me canso de ter que ser Mulher e que quando choro (também quando me permito) é por me achar parva e estúpida por ter que andar sempre a dar numa de durona quando o que realmente apetecia era ser pegada ao colo e mimada até mais não. Confesso-te que fico sempre à espera que vejam a menina em mim, mesmo que eu a esconda até mais não, e que depois fico chateada quando me tratam como se realmente fosse durona (que é o que mostro mas não o que sou). Faz sentido? Faz.
Confesso que também não tenho aspirações de vir a ser “dondoca”, mas que quero uma família, quero ser Mãe, quero ser “esposa”, quero ter “marido”, quero isso tudo (e a merda do vestido de casamento mesmo que não haja mesmo casamento mas sim uma festança daquelas que simbolize a coisa).
Confesso-te que também sou irresponsável até não poder ser mais e que a preguiça é coisa que me arrasa a vontade de fazer uma data de coisas (e depois passo noites em branco a recuperar…).

Confesso-te que te acho uma parva por de vez em quando te odiares. Confesso-te que te acho uma autêntica parvalhosa por dizeres cenas sem jeito nenhum e confesso-te que não acredito em ti quando dizes isso porque sei que tu própria não acreditas nisso.
Vai comer que o teu mal é fome.
Foda-se!!! (tinhas de me meter a dizer asneiras, porra!!)

K disse...

Confesso que me puseste a chorar pá, o que é mau porque estou no local de trabalho e tenho que ir aturar putos. Confesso que me identifiquei nas tuas palavras que também eu sou isso tudo, essa dualidade. Confesso que também não me importava de uma festança que simbolizasse uma união (caguei foi no vestido) e se fizeres uma assim, daquelas que não obrigues ninguém a seguir dress codes, por favor convida-me. Confesso que realmente só me odeio momentânea e esporadicamente, porque sou demasiado auto-crítica e exigente e há coisas que não gosto mesmo em mim. E confesso que tenho pouca tolerância para as coisas que não gosto em mim!

Me disse...

K do meu Heart,
Confesso-te que enquanto te respondia, também fiquei com os olhos rasos de água e com vontade de confessar mais coisas inconfessáveis dentro deste tema… Confesso-te que te acho uma Menina linda e impaciente (faz parte da tua beleza). Confesso-te que se houver algum dia festarola com direito a vestido (eu quero!! Sou menina, foda-se!!), tu podes ir como quiseres desde que leves a máquina fotográfica. Confesso-te que de vez em quando também não gosto de certas coisas em mim mas que consigo ser tolerante porque consigo sempre encontrar algo ou alguém que é muito pior (não me desculpa, mas suaviza…).
Vai ter com os teus putos de alma mais lavadinha, miúda. Gosto-te (incluindo essa selva a que chamas cabelo).

Cantador de desgarradas disse...

Está...

Me disse...

Desgarrado,
:)

Cantador de desgarradas disse...

Aqui, sentado, sossegado, vou assistir ao desfilar de confissões.

Confesso que estou a gostar.

Confesso que não estou a brincar!

Cantador de desgarradas disse...

ME....nina!

Gosto que me chame Desgarrado, um petit-nom pour les amies...

Comme ça, ça va!

Me disse...

Desgarrado,
Tanta confissão, teu deus!!
:) (também gosto...)

Atão e coisas assim mais sumarentas, não?

O inconformado disse...

- Confesso que estou a morrer... todos os dias um bocadinho... até ao dia em que vou morrer mesmo.

- Confesso que um dia fui de propósito tocar à campainha de um amigo quando sabia que este estava no meio de uma queca. Ele já me perdoou entretanto (acho que ajudei a prolongar a coisa).

- Confesso que gostava de um dia poder ser outra pessoa durante umas horas, para ver se é melhor ou pior do que ser eu (cresci a ver filmes de SciFi... o que querem...)

- Confesso que tenho defeitos. Hmmm... que raio... não vejo ninguém espantado!

- Confesso que debaixo desta capa de durão de barba rija ao estilo Clint Eastwood sou na verdade um "sentimentalão", apesar de nos últimos tempos andar ausente do cargo. Pode ser que um dia tenha vontade de voltar.

- Confesso que estou farto de relacionamentos-pastilha-elástica-com-pessoas-problemáticas-conturbadas-desequilibradas-egocêntricas-sem-tempo-para-nada-nem-ninguém-e-que-vivem-no-seu-mundo-e-não-ligam-aos-outros.

- Confesso que por causa do ponto anterior suspendi temporariamente todas as actividades amorosas ao pôr-do-sol, envio de flores e caixas de bombons. Retomaremos o serviço assim que os problemas técnicos estiverem resolvidos.

- Confesso que ainda acredito na existência da mulher perfeita para mim, nem que a tenha de a importar do Butão. Ando a ver preços na Fedex. Bonecas insufláveis furam facilmente.

- Confesso que sou um gajo tão pouco rancoroso, tão pouco rancoroso que hoje em dia falo bem com todas as minhas ex-namoradas menos uma que deixou de pagar a conta do telefone.

- Confesso que não percebo porque é que as mulheres e os homens andam sempre à batatada. O tempo não seria mais bem empregue a melhorar a performance sexual?

- Confesso que o acto de confessar causa-me um certo incómodo. Dai evitar o confessionário.

- Confesso que estou completamente a borrifar-me para uma boa parte das regras sociais consideradas "normais" numa sociedade moderna. Esperguiçar é má educação porquê?!

- Confesso que gostava um dia de ter, só para saber qual é a sensação, um caso louco com uma "girl next door". O problema é que na porta ao lado não há ninguém que me interesse (gente casada ou na idade da reforma não faz bem o meu género).

- Confesso que odiaria ser condutor de autocarro. Enquanto se conduz não se pode fazer mais nada, o que é demasiado limitativo para um gajo multi-tarefa como eu.

- Confesso que cenas lésbicas entre duas mulheres me comovem. É uma demonstração de amizade que realmente mexe com os meus genes.

- Confesso que o meu prato favorito é Bacalhau à Brás. Bom, se não existirem panados de frango a sair, quentinhos... nham!

- Confesso que momentos sérios são complicados para mim porque a minha mente retorcida está sempre a tentar ver o lado cómico da vida.

- Confesso que estou a ficar sem coisas para confessar.

- Confesso que menti na frase anterior.

- Confesso!

O inconformado disse...

ah!!! E confesso que só escrevi esta frase para poder meter o visto no "enviar comentários posteriores para o endereço...."

(sou esquecido o que querem!)

Me disse...

Inconformado,
Confesso que nada do que disseste me surpreendeu... apenas confirmou o que já sabia (mesmo que nunca te tenha confessado saber...).

Confesso-te que gostaria de ser Homem por umas horas. Podia ser mais ou menos qualquer um, não interessa. Gostava de saber como vive o outro lado (e possívelmente entender melhor o porquê das batatadas...).
Confesso-te que também sou uma gaja muito pouco rancorosa, demasiado benevolente e que me é difícl lixar a vida ao próximo (ou próxima). Confesso-te que sou demasiado honesta e transparente e que depois algumas das tais lágrimas vertidas são-no durante os processos de lamber feridas por os outros não terem a mesma consideração por mim (mea culpa, claro...).

Confesso-te que adorei a tua resposta. Mesmo.
:)
(mesmo, ouviste???? sorrisinho-estúpido-na-cara mesmo...)

Me disse...

Psssstt!!!

Confesso-vos que este post só sai daqui quando houver o tal rol de coisas inconfessáveis confessadas... Participem, porra!
Tudo eu!! Tudo eu!!!
Agora que vos deixo vir para aqui como Anónimos e sei lá o quê, ninguém quer!
Vá-se lá perceber esta merda.

Confesso que não vos entendo.
:P

(Confesso que há pouco tempo revi uma colega minha da faculdade e que fiquei absolutamente satisfeita por a ver a limpar cinzeiros e a levantar copos num local de diversão nocturna, especialmente depois de ela ter tido um bar dela que correu mal - pelos vistos - e que o fracasso dela me fez sentir vingada de 4 anos de tormento provocado pelo nariz empinado e certeza de que seria a melhor em tudo e que tinha o futuro decidido e que sabia tudo e que nunca teria dificuldades com nada, etc. TOMA! INCHA! EMBRULHA! E traz-me um Imperial, se faz favor!!!! HA!! HA!!! HA!!! HA!!!!!!!!)

Eu vou para o Inferno, pronto.

yensung disse...

Confesso que agora não tenho tempo para me confessar... mas que mais logo passo por cá para a reunião de grupo! :)

O inconformado disse...

Eu confesso Me (o teu nick é falacioso :D) que há momentos em que não percebo a raça humana, outros em que percebo demasiado bem. Confesso que fico sem saber o que é melhor: viver na ignorância ou saber tudo em pormenor para minimizar os danos.

Confesso também que não fiquei espantado de não teres ficado espantada por eu não ter ficado espantado.

Confesso que (e no seguimento de) estou cansado de gostar de e agora gostava um pouco que gostassem de (mim...). É a tal velha história do "quem corre atrás de quem". Realmente preciso de umas férias. Correr cansa.

Confesso que gostaria que tudo fosse mais simples ao ponto das pessoas não precisarem de se confessarem. Sobrava tempo para outras coisas bem melhores.

Confesso que sexo é bom! Sexo é bem bom! Sexo... é melhor que bom... é FABULÁSTICO! Agora só falta encontrar uma candidata ideal e que acredite no mesmo para iniciar as sessões de aperfeiçoamento.

Confesso que não percebo o aparelho digestivo. Já tentei mas não entendo mesmo.

Confesso que solucionar problemas é bem mais complicado do que arranjar problemas. Esta é uma confissão colectiva.

Confesso que estou bem farto de ter uma caixinha pequenina neste Blogger para escrever as minhas confissões. Blogger, aumenta a caixinha sff.

Confesso que detesto boxers amarelas. Se ainda tivessem canitos cor-de-rosa, agora só amarelos...

Confesso que estou viciado no Body Combat, apesar do meu espírito pacifista.

Confesso que gosto de mulheres que gostam de homens com cabelo. Depilar o corpo todo sai caro, dói e é inútil porque volta tudo a crescer.

Confesso que o sexo feminino me fascina e observo-o como um boi a olhar para um palácio: não percebe nada do que está a ver mas que é bonito... é :D

Confesso que se há gajo mais despistado do que eu de certeza que... o que estava a dizer mesmo?

Confesso que sou a favor dos casamentos gay apesar de ser um hetero-mono-sexual assumido. A felicidade deve ser de todos, certo?

Confesso que tenho pena de não ter nascido fora de época... tipo daqui a 100 anos. Há qualquer coisa nesta era que me incomoda e eu não sei dizer o quê.

Confesso que nem às paredes confesso.

Confesso que acabei de plagiar.

Confesso que roubei uns lápis de cor ao meu primo quando era puto. O gajo ainda deve andar à procura deles.... coitado.

Confesso que por vezes sou demasiado inocente e acredito que os outros fazem certas coisas sem maldade... sem maldade.

Ufa! Confessar... cansa!

Me disse...

Yensung,
Justíssimo!
Ti espero!!

Me disse...

Inconformado,
Para quem não gosta nem se quer confessar… :)

Eh, pá. Essa do viver na ignorância ou saber tudo em pormenor… Prefiro saber tudo. Sempre. Mesmo que depois tenha de fazer de conta que não sei ou fazer um esforço do caraças para esquecer que sei… Não interessa. Prefiro saber. Tomarem-me por parva é que não… (sendo esse o caso, claro).

Confesso-te, shhhhhh, que concordo contigo nessa do teres alguém a correr atrás de ti… fazia-te bem. A tudo e no geral. Acho que sim. E também te cansavas menos, né?

Confesso que não percebo muito bem aquela cena da desmultiplicação da velocidade do motor para a caixa de velocidades e etc. Faz-me confusão, mas pronto.

“Confesso que solucionar problemas é bem mais complicado do que arranjar problemas. Esta é uma confissão colectiva.” – ACEITE!!! ACEITADA!!! WHATEVER!!!

Confesso que adoraria ter tempo para ficar viciada em algo como o body combat ainda que tenha clara tendência para esse… tudo por culpa tua e do entusiasmo com que falas da coisa…

Cabelos??? Eh, pá. Eu entendo o teu ponto de vista, mas, do meu, quanto menos pelos à vista melhor… Liso lisinho também não, mas…

Essa do sexo feminino também se poderá aplicar a mim, mas confesso que a beleza que tu vês por vezes me passa um cadito ao lado… Hetero-mono-sexual, né? Me too!

Confesso que te acho um espectáculo.

Vai pedir desculpa ao teu primo.

Cantador de desgarradas disse...

Confesso que Lamento!

Assim mesmo, com Lê grande e tudo.

Porque eu não tenho nada a confessar.

E se confessar, é confessar que me sinto traumatizado por não ter nada a confessar, quando vejo aqui tanta confissão linda.

Ah! quem me dera dizer agora certas coisas... Mas não as tenho para confessar :(

Acho que o reino dos céus é meu! Não por ser um pobre de espírito, que não sou, mas por não ser pecador e por saber cantar bem à desgarrada, coisa que, é sabido, faz com que todas as miúdas se tirem para debaixo dos eléctricos quando eu canto.

Pronto:

Confesso que me faz impressão elas atirarem-se assim para debaixo de...





















































...ME!

Me disse...

Desgarrado,
EGOÍSTA!!! O Reino dos Céus é seu!?!? Por alma de que passarinho???

Nem um pecadozinho??? Nem uma coisita assim boa-boa-boa mas má-má-má???? (são as melhores)...
Nada!?!?!?

Não acredito.
Desgarrado tem pouco de cantador hoje... língua 'tá presa... solte-se Homem! Vai ver que salva mais meninas dos eléctricos se o fizer... Vá!!

Vitor disse...

Confesso que gostaria de saber se continuas a xuxar!

Me disse...

Confesso que é por estas e por outras que os repeniques de saudade que eventualmente poderia ter em relação a ti me passam tão rapidamente que mal dou por elas...

Vitor disse...

Queres um lençinho de papel?

Me disse...

Para???

PKB disse...

Confesso que não leio jornais nem vejo noticiários porque me aborrece estar informada das desgraças que por aí acontecem. Confesso que gosto de estar nalguma ignorância. Confesso que se o país fosse ainda mais pequenino já tinha ido para a cama com três homens diferentes num espaço de tempo muito curto e isso agradou-me bastante. Confesso que gostava ser estupidamente rica e que sendo estupidamente rica não trabalhava, não fazia voluntariado, não fazia nada útil. Limitava-me a ir às compras, a ir a SPAS, a ter férias fantabulásticas e a viver estupidamente bem numa preguiça estupidificante. Confesso que se pudesse mandava um tiro certeiro nalgumas pessoas muito importantes deste país. Confesso que apesar de poder usar o anonimato, o meu ar de avestruz inteligente é muito mais atraente nesta onda de confissões. Confesso que por vezes sou invejosa. Confesso que por vezes sou ciumenta. Confesso que não gosto de discutir com pessoas com opiniões diferentes da minha em algumas matérias e que fico fula quando elas dizem coisas que até são mais ou menos acertadas. Confesso que por vezes detesto as pessoas. Confesso que raramente tenho pena de pessoas de quem não gosto. Confesso que quando era pequena era muito lerdinha e que isso hoje me afecta bastante. Confesso que sou doida. Confesso que sou maluca. Confesso que não gosto de me levantar cedo. Confesso que não gosto de adormecer sozinha. Confesso que não quero ter filhos. Confesso que esta catarse me está a atrasar para a depilação! =))
Beijinhos!

Me disse...

PKB,
Em termos de confissões, esta foi uma rapidinha!!
:)

De grande conteúdo, mas mesmo à pressa!
Confesso que detesto ir à depilação...
Mas confesso que naquelas coisas que disseste sobre as pessoas... eu também sou assim. De quem não gosto... ui. Quero lá saber!
:)

Vai arrancar pêlos, Mulher!
BEIJOS!!!

Vitor disse...

Para servir de acompanhamento!
Não me digas que vais comer as batatas fritas assim sem nada!?

Me disse...

Tu tens andado outra vez a tomar daqueles compromidos verdes, não tens???
QUANTAS VEZES É QUE JÁ TE DISSE QUE ESSES SÃO SÓ PARA DIAS DE FESTA!?!?!?!

MAU!!!!
Cospe essa merda fora já!

K disse...

Opá, chamares selva ao meu cabelo é que não porra! Tu viste-me em dia mau pá! A minha juba é imagem de marca. E eu confesso que gosto da minha juba. Mas acho que gosto mais dos meus olhos.

Sabes o que achei mais piada nisto? É descobrir que afinal as pessoas não são assim tão diferentes quanto isso. Mesmo entre homens e mulheres. Ou isso, ou aqui neste tasco juntam-se os parecidos. Identifiquei-me contigo e com mais não sei quantas coisas ditas pelo Inconformado (e pela PKB).
Ficou-me assim registado a parte da ingenuidade de acharmos que os outros fazem as coisas sem maldade...confesso que sou realmente ingénua, que tenho tendência a julgar os outros por mim, logo eu cheia de ética e moral e escrúpulos e assim.
Confesso que gostei daquela da PKB dos 3 homens diferentes, porque confesso que gostava de ser mais liberta a nível sexual. Mas depois confesso que não sei ser superficial, nem nas amizades porra! Confesso que gosto de coisas intensas.

Confesso igualmente que às vezes dou beijos e mimos a mim mesma!!! ahahahahahahahah!

yensung disse...

Ai perdoai-me que eu pequei....

Confesso que foi por minha causa que o canário da minha avó se suicidou no bebedouro da gaiola;

Confesso que tenho uma língua que consegue ser tão mas tão viperina que se alguém apanhar com um perdigoto não há antídoto que lhe valha;

Confesso que já me desculpei com um "está tanto vento!.." porque não me apetecia ir tomar café com um namorado;

Confesso que choro a rir quando vejo alguém "mandar um tralho";

Confesso que gente burra-mêmo-burra me instiga à violência;

Confesso que já me menti a mim mesma várias vezes;

Confesso que já me questionei se teria algum propósito voltar a acordar no dia seguinte;

Confesso que já me atravessei no meio da estrada para que uma pata e os seus patinhos pudessem atravessar em segurança;

Confesso que a cor das folhas das árvores da minha avenida me deixam os olhos rasos de lágrimas no outono;

Confesso que "matei" a magia do Natal;

Confesso que se o mundo fosse dos preguiçosos eu era rainha;

Confesso que a facilidade com que dou a mão é a mesma com que viro as costas se me traírem;

Confesso que acho que já memestiquei um bocado no tempo de antena;

E confesso que este é dos poucos espaços que me tiram do torpor blogosférico. Amen!

A benção! :)

K disse...

Confesso, que ao ler esta gente toda, chego à triste conclusão que não tenho jeito nenhum para escrever sobre o que me vai na alma e de mim! Se me pedirem para fazer um resumo de mim bloqueio!!


Já se me deixarem falar a uma mesa de café é capaz do interlocutor morrer com tanta informação desconexa!!

Confesso que gostava de voltar a escrever. Mas depois leio os outros e acho que não tenho nada de interessante a dizer!

O inconformado disse...

Como não há duas sem três (e a Me sentou-se em cima do botão das confissões encravando o bicho)...

Confesso que fico abismado com as coisas que consigo e não consigo fazer. Por vezes era bom que trocassem de lugar.

Confesso que acredito que o verdadeiro sentido das palavras se encontra naquelas que não se dizem mas que se sentem. Acabei de pensar numas quantas...

Confesso que gostava de um dia chegar ao pé de uma moça e dizer-lhe assim como quem não quer coisa: "Gosto de ti pá!" e ganhar o prémio da frase de engate mais romântica.

Confesso que o medo da rejeição é uma condicionante que me condiciona muito bem condicionado. A minha sorte é que de vez em quando consigo fugir à condição.

Confesso que sou normal. Passo despercebido no meio de outros normais. Ou não.

Confesso que acordo sempre bem disposto menos nos dias em que a boa disposição não aparece à beira da cama. É aleatório. Nada a fazer.

Confesso que a manteiga de soja da Planta come-se bem e reduz o colestrol. Pronto, a minha verdadeira confissão é que me deixei vender momentaneamente à publicidade.

Confesso que mulher bonita com armazém vazio na cabeça... me mete medo. Muito medo.

Confesso que gostaria de ter mais uns cms de altura só para ver o que seria viver a uma altitude mais elevada.

Confesso que durante anos pensei que Homo Erectus era uma figura sexual da mitologia gay. Depois aprendi a ler (no ano passado).

Confesso que tenho inveja da Me por ter um Seat Leon FR baptizado. Eu ainda ando à procura de nome para o meu.

Confesso que se não fossem estas confissões todas hoje teria conseguido fazer qualquer coisa de útil para a sociedade como por exemplo evitar um terramoto ou umas cheias... vá-se lá saber porquê.

Confesso que não tomo drogas e tenho as vacinas em dia.

Confesso que nunca fumei, bebo socialmente e pratico sexo sem meias brancas nos pés. Sou saudável, portanto.

Confesso que um dia gostaria de ser Chefe de Estação. Admiro o poder que tal figura tem sobre os comboios e viajantes.

Confesso que o meu nº de tlm não é o 969 123 123.

Confesso que a posição sexual 69 apesar de agradável me faz confusão: é que é difícil de manter uma conversa inteligente quando se está do outro lado da equação. Hmmmm? O quê? Ah não é para conversar? Raios!

Confesso que se pudesse pedir algumas confissões emprestadas falaria de imediato com a Me. Ela é bem mais pecadora que eu. Agora vou segurar a vela para o altar e rezar que o sr. padre não esteja possuído.

Confesso que... até já!

K disse...

Olha, eu confesso que agora ao longe acho aquela parte que eu escrevi do homem uma parvoíce. Não no sentido de não querer encontrar alguém, mas porque me esqueço que há gajos que até me levam a sério (outra expressão que odeio, confesso), e até há pelo menos um que se eu deixasse me levava ao altar e me fazia filhinhos. Eu é que não lhes ligo peva. E confesso que acho que a culpa é maioritariamente minha. Confesso que lá no fundo acho que tenho medo. Ou qualquer coisa assim.

Confesso que ultimamente me sinto muito confusa e que já não sei de nada!

Cantador de desgarradas disse...

Confesso que os erros de ortografia que, por vezes, vejo aqui e ali, me deixam possesso (mas isso não faz mal porque, já se está resolvido que o reino dos céus será meu).

Confesso que detesto que uma jovem não esteja disponível para ouvir um piropo. A maior delas não sabe o que é isso e reage com um olhar de ninja, no mínimo.

Confesso que detesto, abomino, ouvir mulheres, em plena rua, onde quer que seja, a dizerem palavrões. (Passo, todas as manhãs, pode dezenas de adolescentes que vão a caminho da escola... Ai, valha-me deus... O que eu oiço e o que me apetece fazer)

Confesso que em pequeno me levantava de noite para ir comer açúcar (sou GULOSO, assim, em maiúsculas)

Confesso que já me irrita ouvir os homens dizerem sempre, que detestam mulheres com areia na cabeça. Não há disso. As mulheres são inteligentes, todas. Eu, por exemplo, detestaria estar com uma mulher que me falasse sempre, ao almoço, de Descartes, de Kafka, da economia mundial e de outras parvoíces que servem para nós lermos e pensarmos sobre elas e, às vezes, sobre elas falarmos.

Quero que uma mulher se sente comigo à mesa e fale, sem complexos, de coisas de mulheres (isso não me dirá que ela tem areia na cabeça). Não me importo que uma mulher me fale das asneiras da sua cabeleireira, ou do vestido que viu e gostou, ou das botas que comprou e são lindas.
Essa mesma mulher, tem inteligência mais que suficiente para saber o que quer, para falar da vida. E tenho a certeza que a mesma mulher, noutro dia qualquer, saberá falar da música de que gosta, dos livros que lê, e se confessar que não lê, não a "carimbarei" de burra. Saberá falar da vida que tem e da que gostaria de ter. Mas se ela, ao almoço, resolver desatinar com os políticos, os impostos, os pedófilos, os violadores, cá estou para a ouvir e, se for capaz, para estar ao nível dela para com ela falar.

Porque quase todas as mulheres que conheço, sabem mais que eu. E, no entanto, também falam de botas altas e de lingerie e de cremes para a praia que está quase aí, etc.

Não há mulheres com areia na cabeça. Há mulheres como há homens.

Eu gosto que as mulheres sejam mulheres. Sejam elas como forem, umas mais sofisticadas, outras menos, umas mais viradas para uns temas, outras para outros.

Acho que fugi das confissões, não foi?

Confesso que me irritam certas certas poses, sejam de que tipo forem, mesmo as poses escritas.

Confesso que, de momento, estou irritado...

Confesso que me apetecia uma desgarrada com um tema terra-a-terra, como por exemplo... sei lá... malmequeres, por exemplo, ou passarinhos a cantar...

Confesso que sou egoísta.

Confesso que sou vaidoso.

Confesso que gosto de algumas pessoas que aqui escrevem e de outras não.

Confesso que nunca chuchei no dedo.

Sei lá...

Anónimo disse...

Confesso,

Que sou insegura.
Que gostava de ter mais atitude perante assuntos importantes.
Que sou emocional quando deveria ser racional.
Que me condeno.
Que sou dependente dos que amo.
Que sou insconstante, inconsciente e evasiva quando não sei lidar com as situações.
Que adoro coisas antigas... fotografias, músicas, filmes e comportamentos.
Que sou viciada em ler blogues mas que não aguento ter um blog por mais de uma semana... dois meses, vá!

Kiss

Flower

Lizard King disse...

Confesso que desde sempre quis ter uma aventura de mochila às costas...

...confesso que tenho o desejo secreto de ser (positiva e inesquecivelmente) surpreendida por quem eu amo...

...confesso que acredito em contos de fadas e principes encantados e aguardo o meu crentemente...

...confesso que estableço objectivos e metas com prazos de concretização demasiado pequenos para a dimensão dos mesmos...

...confesso que quero ter filhos, 2 mais exactamente e o rapaz vai chamar-se João...e confesso que não está aberto a discussões ou segundas opiniões...

...confesso que um dia quero casar-me com o meu vestido de dama antiga em veludo azul-escuro e bordado inglês...

...confesso que inumeras vezes me apetece saber kick-boxing e dar um enxerto a determinadas pessoas...

...confesso que apesar de achar que sou perfeita limava algumas arestas :P

...confesso que lido melhor com a dor fisica do que com a emocional...mas confesso igualmente que nesta altura do campeonato ambas me são iguais e o balizamento é enorme...

e apesar de ter inumeras coisas a confessar...confesso que não me apetece confessar mais nada ;)

O inconformado disse...

Confesso que esta noite senti tremuras por passar tanto tempo sem confessar. Estarei a ressacar?

Confesso que por vezes tenho pensamentos pecaminosos. Esses nunca confessarei!

Confesso que admiro a futilidade desde que não passe os 2% do todo. José Castelo Branco está nos 98%.

Confesso que detesto barulho fora de horas, principalmente quando não sou eu a fazê-lo.

Confesso que vejo filmes piratas. Vi no cinema todo o franchise "Pirata das Caraíbas".

Confesso que gente de nariz empinado me provoca urticária. Aceitam-se como excepção defeitos de nascença.

Confesso que acredito na velha máxima "A ignorância é o caminho para a felicidade". Saber demasiado provoca úlceras no estômago.

Confesso que acho a Me é uma moça às direitas. Lança desafios destes deixando uma pessoa a confessar... a confessar... sem conseguir parar.

Confesso que a luz da ribalta me assusta. Gostaria de ter sido actor ou comediante.

Confesso que já me passou pela cabeça criar um blog chamado "Eu me confesso".

Confesso que gosto de aprender com os outros, principalmente com os que têm paciência para saber ensinar.

Confesso o inconfessável: a minha primeira vez foi a pior de todas. As outras melhoraram bastante desde então.

Confesso que por vezes gosto de discordar somente para provocar. É o meu gene provocador que acorda de vez em quando e tem de se exercitar.

Confesso que começar frases com "Confesso que" condicionam o que se vai dizer a seguir.

Confesso que radicalismos, snobismos, cretinismos e outros ismos radicais me fazem muita confusão. Deviam ser todos exterminados com 605 forte!

Confesso que gosto muito de mim mesmo quando estou em dia não e me esqueço que gosto muito de mim.

Confesso que estou apreensivo em relação a certos exames que vou receber na sexta-feira. Será que posso adiar a próxima sexta para daqui a 300 anos?

Confesso que se puxam mais por mim eu volto a confessar-me porque apanhei o gosto. Gosto de gostar de me confessar para "vózes".

Me... se o teu blog entupir com as minhas confissões, eu pago a intervenção do canalizador. Sou um gajo às direitas, ok?

Me disse...

Ai tão bom!!!!
Tão bom ter aqui estes confissões todas!!

Vou vestir a batina num instante e já vos dou a óstia...

:)

Me disse...

K, minha Juba Revolta mas com olhos lindos,
Confesso que estou a gostar de ver a melhoria de tom nas tuas confissões… da primeira à última… ‘tá a melhorar :)
Eu não te disse que não acreditava nas balelas que disseste ao início? Ahhh pois é, bebé!
E sim, no fundo, macho ou fêmea, somos todos iguais ou parecidos… uns escondem é melhor que outros…
Só aquela tua divagação sobre não saberes/poderes/conseguires escrever é que me deixa meio perplexa… Já falámos sobre isso… Por isso, cala-te e escreve Mulher que tens mais que capacidade/competência/conhecimento/talento/whatever para isso e muito mais!
Um chuto no rabiosque de penitência pelas parvoeiras; 5 beijos nas bochechas pelas coisas lindas.
Beijos em forma de juba após noite revolta passada em branco!!!
:)

Me disse...

Yensung,
Tu provocaste o suicídio por afogamento de um canário!??! Oh valha-me santo pardaleco!
Confesso que já estive em situações de estancar sangue e meter gelo em altos após alguém mandar um tralho e de me estar a rir tanto, mas tanto, que me mandam embora, ofendidíssimos por eu não estar a respeitar a situação… ‘Tou contigo nessa :)
Confesso-te que o Natal existe, apesar das tuas tentativas terroristas… no final do ano vais ver…
Confesso que fico toda vaidosa por ser aniquiladora de torpor na blogoesfera :)
Bênção!?!? Oh, ‘miga! TODA!! Siga prá bingo que ‘tás mais que bem encaminhada.
Beijos linda Ostrada :)

Me disse...

Inconformado,
Confesso que se pudesse, não mais tirava a bunda do tal botão… ‘Tou mesmo a gostar! (e tu também…)
Vamos lá a isto.
Confesso que tenho, por vezes, necessidade de dizer as palavras que “apenas” se sentem. Como sei que os outros não adivinham o que nos vai na alma, gosto de usar as palavras que foram inventadas para o efeito e, meter por palavras, o que sinto. Gosto que saibam, da minha boca, o que vai dentro de mim. Seja bom ou mau. Para além disto, confesso necessidade de ouvir essas palavras. Posso saber que são sentidas, mas ouvi-las, sussurradas ou gritadas, faz falta e faz diferença. Quem não verbaliza… assusta-me. Nunca sei muito bem a quantas ando.
Confesso que essa seria uma bela frase de engate… possivelmente não a mais romântica… mas boa.
Confesso-te que não me acho normal. Tenho demasiadas provas em como não o sou, em como não me enquadro no “típico”, no “normalizado”. Confesso-te que também não te acho nada normal, no bom sentido, claro…
Confesso que contei a toda a gente aqui no escritório essa do Homo Erectus.
Confesso que acho mal da tua parte teres arranjado desculpa tão esfarrapada para dizeres que também tens um FR… ainda que dos modelos antigos e muito mais feio que o meu Brutus!!!
Confesso que já experimentei algumas drogas e que fiquei desiludida com todas elas.
Confesso que admito possibilidade de ser muito mais pecadora que tu, mas… Também te confesso que nem às tais paredes confessarei os inconfessáveis… (mas porra, pensando bem, se eu não fechar este post em breve, fico sem confissões de maior para fazer… caredo. Tristeza. Vale mentir??????)
Beijos confessados. O Padre está de férias. Leva aí a garrafa do vinho e não digas a ninguém onde ela ‘tá. Amí-Amá-Amú!!

Me disse...

K,
Confesso-te, minha linda, que homens assim todas nós temos… Ou tivemos. E é sempre a mesma coisa: quem nos quer dar tudo, não nos serve. Parece que se não houver luta, não tem o mesmo sabor… Mas que te gostava de ver com filhote, lá isso gostava… Confesso.
:)

Me disse...

Desgarrado,
Confesso olhares de ninja a homens que não sabem qual o princípio do piropo…
Confesso que faço esforço para não falar de coisas ditas “fúteis”, não para dar ar de inteligente, mas apenas porque sei que também não gosto muito que as tenham comigo… logo…
Confesso que digo demasiadas asneiras… que escrevo demasiadas asneiras… mas ‘tou melhor. Muito melhor.
Confesso que me lembro de uma vez, quando tinha aí uns 12 anos, acordei a meio da noite para ir comer linguiça, sentada em frente ao frigorífico, e à dentada. Soube-me que nem ginjas.
Sabe lá? E cá?? Sabe pois!
:)

Me disse...

Flower, Afilhada :)
Confesso…
- que também sou insegura e que os cinzentos da vida me deixam de rastos
- que também sou mais emocional que racional quando tudo me diz para não o ser
- que me preocupo demasiado com a opinião dos outros, mesmo que não as siga (ficam a moer, ‘tás a ver?)
- que adoro coisas assim mais modernaças… mais clean… mas que coisas antigas com estilo também me agradam (têm de ser “cosy”)
- que tenho tido pouco tempo para outros blogs e que não tenho feito as minhas rondas obrigatórias e que isso me chateia.
- que não ponho a hipótese de acabar com o meu blog… pelo menos não enquanto me der o prazer de dar e receber coisas boas de mim e de vocês.

Kissys!
:)

Me disse...

Lizard King,
Confesso que gostava muito de tirar um ano de férias para ver o mundo… de mochila, de comboio… confesso a minha vontade de ter essas experiências e memórias comigo. Confesso que não sei se algum dia o farei (€€€€€€€€€€), mas…
Confesso que também tenho esse desejo de ser arrebatadamente surpreendida por quem amo… que me obriguem a ficar de boca aberta de espanto, de surpresa, de amor… Confesso que não seria preciso “grande” coisa e que dou mais valor a pequenos actos do que a grandes manifestações…
Confesso que também gostaria de ter dois filhos… meninos de preferência e que não faço a mais pálida ideia de quais os nomes (quer dizer… pálida-pálida também não, mas pronto)
Confesso que sei que se algum dia estiver grávida… olha, nem quero falar nisso. Digamos que a barriga andará sempre à mostra, com estilo e que não farei do estado de graça uma doença.
Confesso que o vestido que imagino para mim é cor-de-rosa pálido… que o cenário é ao ar livre… com sol e sombras para descansar…
Confesso que já tive dores emocionais que se transformaram em físicas… mas que também continuo a preferir as físicas. Haja droguices!!
Confesso que acho injusto não confessares mais nada.
;)
Beijos!

Me disse...

Inconformado,
Confesso que te acho um tonto amoroso (mesmo que de ressaca)
Confesso que gente de nariz empinado faz sair o pior de mim…
Confesso que nunca pensei que o desafio fosse tão participado e aceite… nem que eu dissesse tanto quanto tenho dito…
Confesso-te que acho que ainda está para acontecer neste mundo uma primeira vez que seja melhor do que as vêm depois…
E não te preocupes que nada se entupiu. Recebe a hóstia meu filho e mete-te no final da fila…
:)

K disse...

Apre! Tu gostavas de me ver com um filhote?! 'Tá bem...confesso que acho que a principal causa de eu não desejar ter filhos é o medo; medo de errar; medo de falhar. Conquanto confesse também que entre ter um filho do próprio sangue ou adoptar uma criança, prefiro a segunda hipótese.

Confesso que lá no fundo continuo demasiado insegura (o demasiado é relativo porque já fui muito mais); confesso que o meu maior medo, fobia mesmo, é de cair, seja literalmente ou no sentido figurado (o que me corta muito as perninhas).

Confesso que às vezes ainda sou tímida e introvertida e que ainda acontece não entrar em determinados locais porque acho que vou ser o centro das atenções; e eu confesso que não gosto de o ser, embora às vezes me encha o ego (sim, muito estranha).

Confesso que por vezes me considero demasiado narcisista.

Confesso que às vezes sinto inveja (coisa feia!).

Confesso que tenho pouca paciência para as coisas ditas femininas - cremezinhos e mais cremes e cabeleireiros e compras e pintar unhas e o caralho a quatro! Confesso que me irrita estes modelos ditatoriais femininos e confesso que desprezo os homens que continuam a ver as mulheres como um adereço.

Confesso que ainda me falta mais a paciência para as gajas formatas de acordo com os cânones sociais; confesso que as conversas dos gajos (alguns, porque também os há muito básicos), me parecem mais abrangentes, mais diversificadas e mais divertidas. Confesso que se no mesmo espaço as pessoas se dividirem em grupos de acordo com o género sexual o mais provável é eu ficar no grupo do sexo oposto.

Confesso, que no seguimento disto, me causa espécie a divisão de grupos pelo género sexual, e que ainda me estranha mais que haja muito boa gente que continua a achar que pessoas do sexo oposto só se conhecem com um único intuito, ou seja, o acasalamento.

Confesso, e pegando no que o cantador disse, que me tira do sério que se condene uma mulher por dizer asneiras mas não se faça o mesmo com os homens. Confesso que não percebo. Confesso que não percebo igualmente a hipocrisia de se escrever palavrões com asteriscos e arrobas e que acho isto de uma hipocrisia atroz que me deixa cega e com instintos homicidas. Confesso que não percebo toda esta celeuma com o vernáculo. São apenas palavras e a maldade está em quem as lê ou ouve. Confesso que simpatizei logo contigo por seres assim desbocada e, como alguém dizia, não teres filtros, e pronto, por não te enquadrares no típico e normalizado.

Confesso que gosto de ser surpreendida por quem amo, e mais facilmente o sou quando se trata de coisas pequenas - faz-me lembrar quando a minha melhor amiga me ofereceu a minha flor predilecta (a semente) numa lata (que tem terra e tal). Confesso que se for surpreendida e gostar mesmo cou capaz de ficar histérica e parva! ahahahahahahahah

Confesso que grande parte dos assuntos acima me dá vontade de distribuir estaladas. O que me faz lembrar, e confesso, que sou muito pouco tolerante com pessoas que tenham defeitos que me esforcei o esforço por ultrapasar.

Confesso que estava a gostar desta confissão mas tenho que ir embora!

O inconformado disse...

Confesso não entender porque é que não metem doce de marmelada nas hóstias. Sempre apareciam mais uns crentes...

Confesso que hoje não me apetece fazer nada. Hoje, ontem e antes de ontem. Ah como é bom poder contribuir para a baixa taxa de produtividade nacional. Melhor do que eu só mesmo a Assembleia da República.

Confesso-te Me que também te acho uma tonta amorosa. Agora processa-me por plágio.

Confesso que por vezes gostava de dizer mais asneiras mas sou um objector de consciência convicto.

Confesso que tenho um prazer secreto.

Confesso que ter um prazer secreto é melhor que ter um prazer público. Sou um gajo reservado.

Confesso que já gostei secretamente de alguém, mas esse alguém gostava publicamente de outra pessoa. Ainda dizem que a ficção imita a vida...

Confesso que estar apaixonado é melhor que três quilos de farturas e vinte panelas de marisco. Dez, vá...

Confesso que não gosto de touradas. Mas gosto de picar quem gosta. É um prazer secreto.

Confesso que este post foi a melhor coisa que aconteceu na minha vida nos últimos tempos. Tenho uma vida muito activa.

Confesso que gosto de uma mulher que me sabe estimular nos pontos certos: da cabeça aos pés, cérebro incluído.

Confesso que admiro pessoas inteligentes que sabem ser burras quando necessário. Tenho medo terrível de pessoas burras que se julgam sempre muito inteligentes.

Confesso que nada sei. Onde é que eu já ouvi isto?

Confesso que gosto muito de fotografar, o problema são as crises criativas que me deixam à deriva por oito meses ou mais.

Confesso que a Me-Me-te-Me-Me-do. Não Me-te nada.

Confesso que se ninguém me der um tiro nas próximas 2h... ainda faço mais um post. Tenho confissões para dar e vender. Alguém quer?

Confesso que neste momento gostava de estar com o pessoal numa bela esplanada à beira-mar a trocar confissões à desgarrada.

Confesso que pensava que o mundo inteiro girava à minha volta até ao dia em que cai devido às tonturas. Há males que vêm por bem.

Confesso que sou um tecno-junkie assumido. No outro dia tentei instalar um anti-vírus numa pessoa que estava constipada no centro de saúde.

Confesso que um dia gostava de praticar o amor num elevador. Será que corre tão bem como nos filmes?

Confesso que falta de sexo deixa uma pessoa tensa, mal-disposta e refilona, OUVIRAM?! RAIOS PÁ! SE FOSSEM TODOS MAS É...

Confesso que sexo manual é aborrecido quando praticado em excesso.

Confesso que tenho plena consciência: as minhas duas últimas confissões irão causar uma onda de empatia e solidariedade. Pessoal, calma vá, só deixei de ter namorada há três semanas.

Querem mais? Metam moedinha...

Vitor disse...

Foda-se, com tanta confissão isto já parece uma igreja.
Só lhe falta o canto gregoriano...

e por falar em gregório, esse maroto...

Senhor Padre disse...

Homens para ali, meninas para aqui, para junto de mim,

e,

Ajoelhai...

PKB disse...

Já que o Vítor falou nisso... aqui vai uma música ambiente :p)

http://www.youtube.com/watch?v=d5p_U8J0iRQ

O inconformado disse...

Confesso que cometi alguns erros "autográficos" nas minhas confissões. Perdoem os meus pecados pois escrevi tudo de empreitada e sem corrector "autográfico". É rar é umano, serto?

K disse...

Confesso que estava com vontade de confessar e que passei o dia a dizer para mim mesma "confesso que...", porém agora confesso que estou morta de sono e que anseio desalmadamente a minha cama.

Me disse...

Onde é que íamos?

K,
Essa dos gajos e gajas não poderem ser SÓ amigos também me faz espécie… é uma totótice pensar que pelo simples facto de se ter patareco e patareca que os mesmos se hão-de atrair sem mais nem menos. Porra, pá. Não são espécies em extinção para terem que aproveitar o que aparece pela frente, né?
Confesso que estou a gostar de ver a evolução das tuas confissões… de cabeça baixa, já estás de mão na anca, pezinho a bater e pronta a distribuir estaladas por todos…
:)
Ahhh, mulheri! Tu confessa-te!!! E depois dá-lhes!!

Me disse...

Inconformado,
Nunca te iria processar por tal coisa… ESSE plágio, não… ;)
Confesso que acho que nunca gostei secretamente de alguém… ou pelo menos não de alguém que publicamente tinha outro alguém. Sempre fui muito explícita nos meus gostares e de quem gostei, sempre o soube (mesmo que fosse o único).
Confesso-te que já gostei sem o objecto dos afectos o “merecer”, mas como nestas coisas a lógica não dita o andamento da coisa… Confesso-te que de cada vez que me lembro, sinto-me envergonhada por mim mesma, por ter dado provas tão redondamente redondas da minha falta de inteligência e discernimento. Confesso-te que, apesar disso, não me arrependo de nada (raramente me arrependo de alguma coisa que faça ou não faça…), ainda que tal tenha servido para aprender uma bela lição.
Confesso-te que gosto muito de pessoas com aquela inteligência que permite um sentido de humor refinado, tão fino e gracioso que mal se dá por ele. Confesso que já fiz figuras muito tristes de me estar a partir a rir com coisas que mais ninguém acha piada, dando origem ao mito de que tenho um sentido de humor demasiado snob… Confesso-te que me estou a cagar para isso :)
Confesso-te que te acho grande totó por te sentires inseguro em relação aos teus trabalhos de fotografia…
Confesso-te que essa da esplanada até me deixou água na boca…
Toma lá moedinhas…
:)

Me disse...

Vitáro,
Ajoelha, meu filho, para eu te ensinar o caminho parar a luz, para o bem… para a redenção dos teus pecados. Ajoelha, meu filho, ajoelha…

Me disse...

PKB,
:)

Inconformado,
No problemo, ‘migo! Pemço eu de que...

K,
Nina linda… Descansa a moleirinha que hoje é dia novo, prontinho para novas confissões…

Me disse...

Senhor Padre,
Gosto dessa sua posição de não-concorrência…

K disse...

Olha, eu confesso-te que neste momento não só tenho a mão na anca e o pezinho a bater, como só me falta estar vermelha de cólera e deitar fumo pelas orelhas. Ou por outras palavras, confesso que tenho vontade de matar o conselho executivo de um agrupamento, ou pelo menos alguns elementos, por serem tão trengos e - pasme-se - iliteratos. Sabes aqueles a quem tem que se fazer desenhos e que mesmo assim fazem tudo mal? Pois...e eu hoje não tenho muita paciência não.

Confesso que estou a gostar de me confessar.

Confesso que gosto das confissões do Inconformado.

Confesso que, até agora, foste uma das duas pessoas que mais gostei de conhecer este ano; confesso que gostava que morássemos mais perto para que houvesse mais oportunidade de estarmos juntas em longos repastos e amenas cavaqueiras.

Confesso que, por muito que ocasionalmente me isole, nunca saberia viver sem as pessoas e sem amor.

Confesso que gosto especialmente das pessoas que me mimam espontaneamente. Confesso que gosto de sorrisos, de abraços, de olhares cúmplices, de confidências, de elogios grátis, de beijos e carinhos vários.

Confesso que funciono como espelho com as pessoas: sou calma e ponderada se o meu interlocutor o for; sou estupidamente teimosa, casmurra e dona da razão se do outro lado estiver isso.

Confesso que reajo mal quando não sabem respeitar o meu espaço e a minha vontade. Confesso que reajo mesmo muito mal quando sinto que de algum modo me querem impor algo e controlar-me.

Confesso que nem sempre soube dizer que não e que já fui muito influenciável.

Confesso que me falta temperança e equilíbrio.

Confesso que me sinto extremamente orgulhosa do que já evolui em termos pessoais.

Confesso que os meus melhores momentos foram quando me senti perdidamente apaixonada por mim mesma - é o que dá a falta de amor próprio a maior parte da vida.

Confesso que alguns dos meus piores momentos é quando me apaixono por alguém porque aí ainda vem toda a insegurança atrás. Confesso que penso que todas essas paixões foram ilusões, que estava apaixonada por uma imagem fantasiada da pessoa coadjuvada pela necessidade desse sentimento. Confesso que não quero voltar a repetir isso.

Confesso que tenho problemas a ultrapassar com o meu pai. Confesso que não sinto que sou aceite por ele. Confesso que este assunto ainda mexe demasiado comigo e que já estou quase em pranto.

Confesso que não sinto medo de escrever tudo isto num espaço público. Porém também confesso que tenho medo de demasiadas coisas.

Confesso que também tenho algum medo de ficar sozinha no que concerne relações e tal. Confesso que às vezes fico convicta que sou demasiado atípica, e estranha mesmo, e desequilibrada vá, para que alguém me ature. Confesso, no entanto, que acredito ter força em mim suficiente para ultrapassar tudo (deixar de viver - e não no sentido de morrer literalmente - é que nunca porra!).

Confesso que tenho que ir almoçar, e que estou irritada porque me esqueci do Tabasco pá, e que hoje estou impossível de aturar!!

Confesso que te gosto muito!!

Me disse...

K,
Não ligues a essa gente… ficas velha. Deseja-lhes coisas más e siga!!!
Confesso-te que estou a gostar (e não é pouco) das vossas confissões (tuas e do Inconformado). Confesso-te que há coisas que já aqui escreveram que me deram vontade de confessar outras coisas, mas que não me permito isso aqui e “identificada”.
Confesso que tenho sempre algum receio de falar de mim e do que se passa comigo (mesmo lá no fundo, na alma) por saber que seriam coisas incompreensíveis e semi-irracionais e, muito provavelmente, terminadas em lágrimas e prantos vários por depois me sentir meio envergonhada por verbalizar coisas que, depois de verbalizadas, deixam de fazer sentido. Isto faz sentido?
Confesso que também gostava que morássemos mais perto… conheço umas esplanadas que são a nossa cara… Faço uns jantares que seriam o nosso delírio de início de noite. Ficas-me bem :)
Confesso-te, mas só a ti, que te considero uma perolazita, por seres assim desbocada e de uma sensibilidade que me toca tantas vezes que nem imaginas.
Confesso-te que sei que esta última confissão vai provocar comentário totó do Vitáro.
Confesso-te que adoro, mas amo mesmo, mimo espontâneo. Confesso-te que é coisa da qual nunca me farto… Confesso-te que é coisa que me alegra e faz sentir bem.
Confesso-te que gosto mais de uns minutos de marmelada suave e sentida, com beijos bons que ficam na memória, do que de minutos de sexo (por muito bom que seja).
Confesso-te que o contacto físico é algo que adoro e de que necessito para me sentir próxima (literalmente) de com quem estou. Andar de mãos dadas, abraçados, encostados… whatever. Adoro (eu, menina, me confesso…).
Confesso que sou demasiado transparente e que tenho uma enorme dificuldade em olhar as pessoas nos olhos quando estou chateada, ofendida ou irritada com elas. Confesso-te que demoro a dizer as razões do porquê. Confesso-te que isso apenas faz com que fique mais chateada e mais propensa a explosões em que sai tudo de rajada sem se perceber muito bem a coisa. Confesso-te que já tentei ir falando e expondo as coisas à medida que as vou sentido, mas que a minha incapacidade de me impor, de chamar atenção, de incomodar ou importunar me impede de o fazer mais vezes.
Confesso-te que “sofro” muitas coisas sozinha por ter medo de as falar a quem as devia ouvir. Confesso-te que isso depois me consome e faz com que não consiga olhar essa ou essas pessoas nos olhos (ciclo vicioso).
Confesso-te que não tenho grande medo de ficar sozinha. Confesso-te que só aprendi isso depois de me ter sentido tão sozinha ao lado de alguém que tal medo se dissipou.
Confesso-te que sou uma má amiga por não ter mais iniciativas de manter contacto, de ir dando um olá… mas também não levo ninguém a mal por fazerem exactamente o mesmo comigo.
Confesso-te que sou mesmo demasiado simpática com quem devia ser bruta e estúpida, preferindo evitar um conflito merecido do que ter que enfrentar alguém (mesmo que eu esteja coberta de razão).
Confesso-te que me ponho demasiadas vezes no lugar dos outros e que isso faz com que me esqueça do meu.
Confesso-te que é por saber que sou demasiado coração mole que sinto necessidade de dar numa de durona.
Confesso-te que a ingratidão, a injustiça e a incoerência são coisas capazes de me deixar ou de rastos ou em fúria.
Confesso-te que sou incapaz de perdoar ou esquecer traições, venham elas de onde vierem.
Confesso-te que todas estas confissões me estão a fazer pensar demasiado em certas coisas que prefiro não pensar hoje.
Gosto-te, nina. Pública e completamente.

O inconformado disse...

Me, Tu e Eu, Vá! Tá?

Confesso que, tal como tu Me, sou adepto do humor refinado, absurdo, pessoal, muito pessoal e alternativo. Rir é o melhor remédio e quem não sabe rir... é tótó!

Confesso que estou aliviado, muito aliviado. Nunca gostei tanto de receber resultados de um exame :)

Confesso que não compreendo o trânsito da segunda-circular. Simplesmente não circula.

Confesso que o fumo do tabaco me incomoda. Agora, contra-ataco com gases.

Confesso que rogo pragas a pessoal que atende telemóveis nas salas de cinema. É uma coisa minha o que querem.

Confesso que gosto muito de ser acordado a meio da noite para dar uma queca. Bem melhor que comer açucar ou assaltar o "frederico".

Confesso que não vejo as 300000 novelas a passar nos canais nacionais nem os programas "cor-de-rosa". É uma coisa minha, vá. Vem cá de dentro. Chamo-lhe: "POR-AMOR-DE-DEUS-ALGUÉM-PARE-COM-ESTA-PORRA!!!".

Confesso que já perdi a paciência várias vezes. Depois é uma trabalheira desgraçada para a encontrar. A última vez estava enfiada na gaveta das meias.

Confesso que já senti vontade de dar um bom estalo a alguém. Ainda partia o espelho...

Confesso que gosto das confissões do Inconformado. Eu e a minha mania da dupla personalidade. Tá calado pá. Tá tu!

Confesso que tenho saudades dos velhos tempos. Os idos. Aqueles que dizem que nunca mais voltam. É o que dá comprar bilhete só de ida.

Confesso que gosto mais de bom tempo do que mau tempo. Sou um bocado óbvio não sou?

Confesso que gosto de dizer verdades a brincar, e brincar com algumas verdades. Nota-se não se nota?

Confesso que tenho medo de ter um blog. Faz-me confusão andar a ser seguido por estranhos. E pelo Governo.

Confesso que até há pouco tempo pensava que sonhos molhados eram resultado da incontinência do sonhador.

Confesso que não gosto de me repetir.

Confesso que não gosto de me repetir.

Confesso que é boa a sensação de partilhar os meus devaneios com estranhos e menos estranhos. Já falta pouco para começar a falar das minhas intimidades.

Confesso que gostava de voltar a ver a "Árvore dos Patafúrdios" e os "Amigos do Gaspar". Guarda Serôdio, volta! Estás perdoado!

Confesso que me sabe muito melhor receber um abraço do que dá-lo. Terá a ver com aquela necessidade que todos temos de queremos ser desejados?

Confesso que no outro dia cheguei à empresa e disse "Tou?" quando queria dizer "Bom dia". Será que ando a falar demasiado ao telemóvel?

Confesso que tudo o que escrevi aqui até à data é capaz de me dar uns valentes anos de purgatório. Tanta confissão será sinal de pecador profissional?

Confesso que gosto de estar com pessoas verdadeiras. As de plástico cansam-me rapidamente.

Confesso que nunca senti nem percebi o fascínio pelas bebedeiras-de-caixão-à-cova. Será porque não gosto de dormir na calçada? Sou um gajo fino, é verdade!

Confesso que sou ecléctico no que toca à musica. Gosto de todos os estilos menos daqueles de que não gosto.

Confesso que se alguém me mandar calar, eu obedeço. Mas continuo a escrever.

Confesso Me, que admiro a forma como escreves de forma tão solta e ritmada. Eu sou muito mais limitado e controlado no que escrevo. A inveja é coisa feia?


Se virarem o disco... eu não toco o mesmo!

Gajo disse...

Confesso que gosto bastante do que escreves com sinceridade.

Me disse...

Inconformado,
O Governo segue o pessoal com blogs!??!?!?!!?!?!?!

A sério!?!?!?!

FODA-SE!!!!!!

Srs. do Governo,
Aquela coisa do IRS era piada!! 'Tava a brincar!!! Hahehaheha!! Silly Me!!!
Brincadeirinha!!!

(chulos).

:)

Confesso que acho que não tens razão em relação à minha fluidez do raio que o parta... mas pronto.
A inveja, meu caro, sinto eu quando vejo os teus trabalhos num www que eu cá sei.
:)

Toma mais moedinhas... E hóstias com marmelada... a que tu quiseres.

Me disse...

Gajo,
Obrigada :)

Eu não minto aqui. Nem aqui nem em lado nenhum (pelo menos não em relação ao que realmente interessa... white lies... etc... não contam... toda a gente sabe isso...).
Quem me conhece daqui e depois me conhece em pessoa não vê grande diferença entre mim e a Me escrita (ou quem já me conhece em pessoa e depois vem aqui...). E o mesmo se aplica a outros blogs que visito...
Já o disse várias vezes, não sinto a mais pequena necessidade de não ser sincera e honesta, convosco e comigo. Posso não dizer tudo, omitir o que me apetecer, mas isso não conta...

Agradeço-te teres percebido isto. Que deixo isso transparecer. Isso agradeço-te.
:)

Me disse...

Shhhh….
Confesso que tenho uma pena enorme de não me dar bem com a minha única irmã. Confesso que não consigo esquecer algumas coisas do passado. Confesso que a quem isto mais dói é aos meus pais… Confesso que é por eu saber disto que nunca tomei medidas mais drásticas e assertivas em relação a ela, mesmo quando ela mais mereceu e merece. Confesso que me mata saber que os meus pais sofrem por saber que as duas filhas não se dão muito bem.
Oh, foda-se… já que aqui estou…
Foda-se, confesso que passo algum tempo da minha vida a disfarçar a minha suposta “inteligência” e “saber” e “competência” apenas e só porque não quero ser discriminada por ninguém por causa disso (ou seja, não desminto os outros, não reponho verdades, não explico coisas… nada que mostre que sei, que conheço, que fiz, que aconteci). Confesso que quando estou presente durante uma qualquer discussão, raramente contribuo como deve ser e se o fizer é porque as barbaridades são tantas que eu não me aguento. Confesso que isto me deixa triste comigo e com a “intolerância” dos outros (mas entendo).
Confesso, apesar disto tudo (oh contradição!!!!!), que me dá um especial gosto quando alguém fica admirado (espantados mesmo, por vezes) por saber que andei na universidade, que sou uma “Dra” e por saber o real teor do meu trabalho…
Confesso que se soubesse que o Modelo e Continente lá da terra me pagaria o mesmo que recebo agora (ou lá perto…), iria para caixa de supermercado num instante, sem o mais pequeno problema, vergonha ou dúvida quanto à qualidade de vida que passaria a ter pura e simplesmente por não ter que fazer as viagens que faço.
Confesso que dizer isto deixa os outros fulos e que isso me irrita (a falta de humildade dá cabo de mim).
Confesso que se tivesse dinheiro suficiente, dava entrada numa qualquer clínica de estética e só saía de lá quando me achasse perfeita.
Confesso que detesto fumar, detesto o sabor do tabaco, detesto o dinheiro que gasto com o tabaco (esperem, o dinheiro em si eu adoro… gastá-lo em tabaco é que não) e que é por pura preguiça que nem um esforço faço para deixar de fumar.
Confesso que sei que sou muito boa no que faço mas que raramente me esforço para mostrar tudo. Mínimos chegam e dão menos trabalho…
Hóstias… mais hóstias… Oh Sr. Padre, traga mais hóstias que isto está bera.
Vou fumar um cigarro.

Me disse...

Foda-se.
Confesso que tenho uma vontade enorme de me vingar de umas certas pessoas por umas certas coisas. Vingança daquelas a sério. Daquelas de "estragar a vida" a sério.
Confesso que sei que essas pessoas sabem que só não o faço porque não quero. Confesso que, para mim, isto já é vingança suficiente (mesmo que de vez em quando faça grandes filmes e sorria enquanto os vejo na minha cabeça).
Confesso ser vingativa de espírito, mas não de actos.
Foda-se.

O inconformado disse...

Me, confesso que não estava à espera de uma confissão dessas.

Fico com uma grande necessidade de confessar que gostaria de ter amigos mais presentes. Os que tenho são tão ausentes que só os vejo de ano a ano, o que me chateia. É impressão minha ou as pessoas hoje em dia andam demasiado ocupadas para se lembrarem dos outros? Ou isso ou ninguém se lembra de mim porque não tomo banho. Coisas religiosas, sabem...

Confesso que gostaria de ter tido uma infância mais normal. Saltei de sitio em sitio ao ponto de hoje em dia não ter amigos de infância (bom, só tenho um e está casado com a minha irmã :D ).

Confesso Me que te acho uma pessoa perfeitamente normal. Anormal seria se não tivesses problemas, dilemas, lutas internas, encontros e desencontros, amores e desamores, ilusões e desilusões, alegrias e tristezas e todas as coisas que fazem parte de uma pessoa normal. Evita é os excessos na lista mencionada. Os excessos é que levam ao desequilíbrio e à anormalidade ;)

Confesso que gostava de ser uma tartaruga. Basta ver em quê o sexo tântrico se baseou.

Confesso que já tentei ajudar a Me a arranjar um lugar numa caixa de mercearia. O que uma pessoa não faz por uma caixinha de hóstias.

Confesso que tenho receio de estar a manipular este blog com as minhas confissões. O resto anda tão calado. Alguém atire uma pedra sff!

Cantador de desgarradas disse...

Inconformado, lamento muito se o desaponto, mas não me referia a si quando confessei essa coisa dos erros_coisos.

Teria que ter lido o que escreveu e, honestamente, não fiz.

Mas, nada de fazer beicinho, siga para canto!

Cantador de desgarradas disse...

Claro que li alguma coisa, ou não saberia de tudo e eu gosto de estar in(con)formado!

O inconformado disse...

Ó caro amigo Cantador de desgarradas, nem me desaponta nem foi o visado do meu apontamento. Só dei continuidade à ideia que lançou no seu apontamento. Espero não o ter desapontado :))

Cumprimentos cordiais de quem não tem nada a apontar!

K disse...

Minha linda, todas as coisas que dizes fazem sentido. Por muito incongruentes ou paradoxais que sejam. Pelo menos para mim. Conquanto isso se deva talvez ao facto de sermos de certo modo parecidas. O que não deixa de ter piada.

Confesso que ando a sonhar com Agosto e com a altura das festas em Samora. Confesso que às vezes penso em possibilidades de nos encontrarmos. Confesso que gostei e concordo com essa de eu ficar-te bem porque tu também me ficas bem. Confesso que realmente não imaginava que te tocava assim tantas vezes. Até porque estamos longe! ahahahahahah (pronto, tinha que fazer a piada parva)

Confesso que neste momento não me apetece confessar mais, que me sinto cansada e que vou para casa.

Lizard King disse...

Confesso que vim trabalhar hoje por carolice...e confesso que estou toda fodida e aguentar-me estoicamente...logo confesso que sou teimosa...

Confesso que detesto falar ao telefone e estou sempre a despachar as pessoas...

Confesso que sou fã incondicional de gin tonico...e confesso que só bebo cerveja quando o ambiente "puxa"...

Confesso que já fiz muito e muita coisa e ainda acho que fiz pouco...

Confesso que adoro dormir e detesto ter de acordar...

...confesso que gosto parcialmente de praia: não posso lá estar muitas horas porque me aborreço mas só uma hora também acho que fui em vão..

Confesso que não sou grande fã de cinema ou televisão mas adoro livros...

Confesso que sou uma persistente que sabe que perde mais do que o que ganha...

Confesso a minha personalidade borderline a roçar o maniaco-depressivo e que zigue zagueia muito ao longo do dia...

Confesso que ás vezes me sinto tão só que preciso de estar no meio da multidão para iludir a sensação que me invade...

Confesso que sou ciumenta e possessiva mas de um modo próprio: Um bom julgador por si julga...

Confesso que sou parola e crente e acho que os outros nos fazem mal...sem ser por mal :/

Confesso que acredito no bom fundo de pessoas que nunca deram mostras de ter um...

Confesso que peco por levar a vida como um livro aberto...

Ahhh e também confesso que não tenho defeitos apenas qualidades que estão em fase de melhoramento :P

Vitor disse...

Confesso que vou copiar e imprimir todos os comentários a este post, para o transformar e tese de doutoramento dedicada ao tema "DEMASIADO TEMPO LIVRE"!

Me disse...

Inconformado,
Acho que nem eu estava à espera de tal coisa... shhhh que ninguem reparou.
Também não tenho amigos de infância. Não a passei cá… Entendo-te.
Confesso que me deste essa ajuda sim, mas os gajos acharam que não tinha pelos suficientes nas pernas… Ehhh.
Confesso que também és normal, então. Por exactamente os mesmos motivos que me apresentaste.
:)

K,
Espero que já estejas em casa… a descansar e a sonhar com as festas de Samora.
Tenho um sofá que é um espanto depois de noitadas…
:)

Lizard King,
Confesso-te que bebo cerveja (panachés…) porque é-me mais fácil gerir o efeito do álcool, porque é algo mais leve e porque há em todo o lado… Sou preguiçosa assim. Uma gaja prática.
(isso e porque outro tipo de bebida, tirando Martini, me enjoam…)
Confesso-te que às vezes também me sinto só. Mesmo numa multidão…
Confesso-te que adorei essa tua definição de defeitos… vou usá-la para mim também! HA!!!!
E confesso que não me admira que tenhas ido trabalhar assim dessa forma. Sempre de caras, né?
Beijos, linda.

Vitáro,
Oh, borbulha no refego do ânus, cala-te!!! MAU!!!
Tanta coisa, tanta coisa, mas tu confessares alguma coisa, ‘tá quieto!! EHHHH!!!

O inconformado disse...

Confesso que isto é mais terapêutico que consultas no psicanalista. Este Blog deveria ser elevado a serviço público de saúde, digo eu...

Me disse...

Pois, pois, oh Inconformado...
Melhor e mais barato...
Deixa mazé moedinha na caixinha à entrada, oh faxávôr!!!

:)

K disse...

Oh Shô Vitor, cala-te pá! Pia baixinho que pelo menos alguns têm coragem de confessar, já tu...

E se chamas demasiado tempo livre a escrever qualquer coisa rápido enquanto se come uma sandes...tá!

K disse...

Me, o teu sofá é uma maravilha!!!

Cantador de desgarradas disse...

Não desapontou coisa nenhuma, caro Inconformado.

E cordiais saudações também para si!

Confesso que gosto deste blog.

O inconformado disse...

Confesso que tenho muita inveja de quem está neste momento a aproveitar o solinho que está lá fora.


E pronto. Dou por encerrada a minha intervenção neste post. Isto se não me lembrar de mais alguma confissão sórdida e tal e assim.

Me disse...

Fónix!
Eu estive ao sol durante uma hora, numa fila de trânsito!! ADORO!!!
Eu e o meu bronze à camionista adoramos a merda do sol e aproveitar o sol e o sol que faz e o raio que luz e o raio que o parta!!!

Ehhhh.

K disse...

Ó Me, na te irrites que isso provoca rugas e tal!

Me disse...

Eu e as minhas rugas vão-se embora!

Tarde de seca me aguarda... caredo.

Beijos às meninas, chutos aos meninos e bom fim-de-semana para todos.

Cantador de desgarradas disse...

Confesso que sinto falta de ME...

E confesso que estou com sono!

Ana disse...

Eu confesso que muitas das confissões da K. podiam ter sido escritas por mim...

PKB disse...

Eu confesso que sou preguiçosa. Confesso que ando cheia de sono a partir das 14h e que desperto pelas 23h. Confesso que hoje tenho de ir a Faro e não estou com muita vontade, mas como prometi que ia, tenho mesmo de ir e pronto. Confesso que comprei sapatos da Foreva mas que não volto a cometer tal pecado, nem que ande descalça!

E são as minhas confissões de hoje. Amanhã há mais.

Me disse...

E eu confesso que estou constipada, toda entupida e com uma vontade tão grande de me enfiar em casa que até estou com comichões.
Cérebro hoje não veio comigo.
Nariz a pingar e espirros sim.
Cabrões.

K disse...

Eu confesso que se não fosse uma questão de segurança e de só me poder valer a mim mesma, largava a função pública. Coisa mais desorganizada e sem jeito e dependente dos interesses políticos de quem ocupa o governo! Merda para tudo isto!