12.2.09

Ministério da Soltura - Desafio 5#

O Ministro Tozé lá andou a fazer das dele e, assim como quem não queria a coisa, lançou-me novo desafio para, com base numa pequena passagem de obra por ele escolhida, criar texto que desse continuidade à mesma. O resultado fica aqui e ali, cumprindo assim as regras de funcionamento da coisa. Tozé, um enorme Obrigada pelo desafio e pela discussão existencial que o mesmo provocou. Como sabes, e eu não me canso de dizer, eu gosto é disto. Houvesse mais Tozé’s e Ministérios como este. “Enquanto escrevo isto, estamos sentados a uma mesa em frente um do outro. Não é grande, mas é suficientemente grande para nós os dois. Ele tem uma chávena de café e eu estou a beber chá. Quando as folhas estão metidas na máquina não consigo ver o rosto dele. Desta maneira estou a pôr-te a Ti à frente dele. Não preciso de o ver. Não preciso de saber se ele está a olhar para mim.” In Extremamente Alto e Incrivelmente Perto Jonathan S. Foer

imagem: google

"Volta Sempre"

"Aliás, até preferia que não o fizesse. O olhar dele queima-me a pele. É demasiado exigente aquele olhar. Dantes achava-o profundo e vasculhador da minha alma. Agora acho-o incómodo. Dantes escondia-me naquele olhar, segura e confortável na sua intensidade. Agora escondo-me dele como o diabo da cruz. Ele não tem culpa, mas paga as consequências. Em dias como este, não sei como lidar com a presença dele. Não sei o que pensar dele estar aqui a beber do meu café, sentado na minha cadeira, à minha mesa, na minha sala. Já me lembrei de perguntar porque não se vai embora. Porque continua a estar aqui. Já sei qual a resposta… nunca foi porque nunca pedi. Tal como Tu me dizes isso. Que nunca vieste porque eu nunca pedi. E era preciso pedir? Não vias que era o que queria? O que precisava?

Agora só o tenho a ele. E não sei como me livrar desta presença que me incomoda até ao centro de mim. É aí que estás, sabias? No meu centro. Vivo e respiro-te para dentro de mim como se a minha vida dependesse disso. E depende. Mas tu não vens e ele não vai.
Desapareceu. Não sei para onde foi. Espreito por cima da folha e não o vejo. A chávena continua lá. No mesmo sítio. O café ainda deita fumo. Intocado. Às vezes faz isso. Desaparece sem mais nem menos. Desconfio que consegue perceber que estou a escrever para Ti. Nunca pergunta, mas sente-se que sabe.
Lembrei-me da última vez que falámos. Tu e eu. Lembras-te? Foi há tanto tempo. Lembras-te de me dizeres que estavas disposto a ajudar-me? Lembras-te que te disse que não precisava de ajuda? Eu não te menti. Estava certa disso. Hoje seria mentira. Na altura não o foi.
Ainda não voltou. Estamos sozinhos. Ainda bem. Assim sinto-me mais próxima de ti. Mais perto. A chávena devia ser tua. Nossa.
Ele desapareceu. Desaparece sempre que escrevo para ti. Já percebi isso. A chávena continua no mesmo sítio onde a deixei depois de ter feito o café. Só quando escrevo para ti é que desaparece. Só volta quando tiro a folha da máquina e a tapo para não apanhar pó. Ele sabe que tu não me respondes porque nunca chego a enviar o que escrevo. Talvez seja por isso que não desaparece de vez?
Se recebesses estas folhas virias ter comigo? Virias oferecer novamente a tua ajuda? Acho que a aceitava. Não sei. Estou cansada de estar sozinha. A presença dele só me faz perceber até que ponto o estou. Fazes-me falta. Estares aqui para não haver espaço para mais ninguém. Estares aqui para todos os espaços serem teus. Nossos.
Ele só desaparece quando falo contigo.
Nem tocou no café. É sempre assim. Nem sei porque ainda me dou ao trabalho.
Vou-me despedir.
Sinto-me cansada hoje. Esta casa vazia pesa-me. A escuridão cega-me. O silêncio mata-me. Vou descansar.
Sei que amanhã volta. Volta sempre. Gostava que não o fizesse. Mas não há nada que eu possa fazer. Ele volta sempre. Devia ter-te deixado vir para mim. Como querias. Como disseste que podia e devia ser. Que todos iam compreender que eu tinha de refazer a minha vida. Talvez ele não tivesse voltado. Talvez tivesse ido de vez.
Despeço-me.
Até breve, meu amor. Em breve volto para ti.
Só assim ele desaparece e eu fico sozinha contigo.
Até breve, meu amor."
Escrito por: Me
Originalmente publicado em: Ministério da Soltura

112 comentários:

Cem disse...

e quem resiste a pedido deste?

ou será ao fogo desta mente?

Beijo-te

Me disse...

Cem,
Ai a resistência... Essa coisa má que falha logo quando não pode (ou devia!!)
Beijo-te de volta


Tozé,
E que tal um prémio em forma de desafio para quem "acertar" na coisa?
;)

PKB disse...

Olha... num outro dia eu leio com mais calma. Hoje, não sei porquê, qualquer texto com mais de 2 linhas parece-me um tratado.

Beijinho, querida. Desculpa lá a minha preguiça ou cansaço ou o caraças.

Me disse...

PKB,
Só desculpo porque sei que vais recarregar baterias em breve...
;)

espero-te na volta.
beijos daqueles que sabem a abraços
:)

Toze disse...

Boa Me, um prémio parece-me boa ideia ! Agora vamos prestar atenção às cabecinhas pensadoras,ehehehehe

Obrigado pela sempre pronta resposta aos Desafios :)

(vou-te levar a máquina de escrever)

Me disse...

Tozé,
Leva, leva!
:)

Cá para mim, o prémio vai sair à casa...
;)

Cem disse...

à casa?!
à casa?!

olha e se sair à casa que seja uma orgia!

;)

(ai o sol!)

Me disse...

Cem,
Entre 4 paredes....

;)

Artur disse...

Argh, daqui também vai ser impossível ler este post. Será que entra um prof nesta historia? Não vejo a hora de chegar a casa!

Vitor disse...

Que coisa tão bonita!

Nas partilhas da separação quem fixou com a máquina de escrever?

Me disse...

Artur,
Não há mesmo justiça neste mundo.
Uma pessoa faz um exercício literário decente e não há pachorra pra ler...
Ehhh!
Hora de ir pra casa???
Bolas, tb eu, tb eu...

Vítor,
Shhhhhhhhhhhhhhhhhhhh!!!!!!!

(se alguém realmente perceber a coisa... há prémio do Tozé... pensem carago!!!!)

Artur disse...

Me, não é uma questão de pachorra, é de oportunidade. Uma obra literária merece um banco de jardim! (epah, esta saiu-me muito bem!)

Me disse...

Artur,
Yeah, yeah, yeah....

Mente-me que eu gosto...

:)

ALTO FUNCIONÁRIO disse...

Sou um ALTO FUNCIONÁRIO (vénia, fáxavôr) da Autoridade Reguladora dos Escritos Entesadores (AREE, para os amigos).

Venho verificar se os vossos escritos têm conteúdos mais ou menos coiso e tal...

É que este post fez acender uma luzinha vermelha aqui no alto da minha cabeça...

Ora bem: mostrem-me as vossas coisas, quero dizer, as vossas id's, a primeira coisa que eu, enquanto ALTO FUNCIONÁRIO da AREE tenho a fazer, é perscrutar-vos como deve ser...

Portanto,

Vinde até mim e nada temeis...

Artur disse...

Me, estás a ficar velha, já tinhas respondido ao meu post. Eu saio às 18h, e só meto cá os pés de novo na segunda. Sabias que há malta que não trabalha às sextas? (só para te irritar!)

Me disse...

Artur,
E agora? Quem é que parece estar chonê????
;)

Não trabalhas às sextas???
Pois... Nem sabes o que perdes. Normalmente é às sextas que publico os textos mesmo ordinarões.
Oh well.

Me disse...

Exmo. Sr. Alto Funcionário da AREE (para os amigos),
Eu, de forma humilde e prostrada em vénia dolorosa aqui para as minhas cruzes mas fazendo esforço para estar em conformidade com as formalidades que o seu Estatuto obriga, tenho a dizer o seguinte:
1. Há comprimidos que não devem ser tomados em excesso e muito menos sem receita médica;
2. Há igualmente outras substâncias, como gotas por exemplo, que não devem ser tomadas com substâncias alcoólicas pois os efeitos secundários poderão incluir delírios e alucinações;
3. Há sítios que muito rapidamente estariam dispostos a recebê-lo e tratá-lo desde que o pagamento da mensalidade seja coberto pelo Sistema Nacional de Saúde;
4. No que diz respeito a perscrutar, poderia sugerir actividade semelhante para si, mas o pudor e boas maneiras que minha querida mãe me impôs não me permitem tal devaneio do espírito.

Agradeço visita, apenas lamentando que saia daqui com as mãos a abanar e vazias… Mas de certo que está habituado a tal… Certo? Certo.

Passe bem.

A Gerência.

Anónimo disse...

Joy Division - Love Will Tear Us Apart.

Kiss

Flower

CT disse...

:)

Percebeste tudo??? Não era difícil.

E não, não estou habituado a sair de mãos vazias, porque nada de mais procuro por estas bandas dos blogs...

Palavra de CT...

:)

Artur disse...

Me, eu às sextas sento-me num banco de jardim com o meu eeePc.
(E não é que rimou?)

Me disse...

Flower,
Hello!
Boa escolha sim senhora!!
:)

CT,
Não, não foi nada dificil...

Artur,
Se eu tivesse as sextas livres, nunca iria para um jardim com o pc atrás... NUNCA!!! Valha-me caredo.

Artur disse...

Pois! Eu tive de comprar um eeePC por causa de uma sujeita que decidiu editar os textos melhores às sextas!

Bem, arranjei um tempinho, deixa-me lá ir buscar um cafezito e ler o post. :-)

Me disse...

:)
boas leituras... por acaso tb fui buscar agora mesmo um café. tou rota.

dps diz se percebes a coisa ou não.
que haja alguem que mande um bitaite em relação ao texto!!
(tirando a querida flower que atribui banda sonora....)

Artur disse...

Me,

Parece-me que a Flower disse tudo com a letra do Ian Curtis. Embora na letra da música não exista uma terceira pessoa.

Vejo uma relação que se aguenta por demasiado tempo e a falta de coragem para dar o grito. Se não existisse a terceira pessoa ela estaria a escrever a outra coisa qualquer. Aquela escolha que ela um dia teve... mas que se voltasse atrás tinha feito a mesma escolha e estava exactamente neste ponto.

Como relembrou o "Pecado Original" hoje, o Amor é Fodido. Será que acaba sempre assim?

É isto que querias? Ou há no texto cenas de sexo com almofadas debaixo dos joelhos e eu não dei por nada ?

Me disse...

Artur,
Se se ler o texto de mente aberta e se conseguir ver exactamente o que está lá dito, chega-se a outra conclusão.
Não há assim tantas entrelinhas neste texto como possa parecer...
Mas pronto.
E não, nada de almofadas...
:P

Artur disse...

Epah, e para ser sincero achei o texto repetitivo demais. Foi quase o repeat da Radar, com o "mas é sempre a mesma cantiga?".

Eu não pesco um boi de critica literária, mas os teus textos fluem sempre muito bem - por isso é que costumo passar aqui pelo blog. Bem, tambem gosto dos comments...

Artur disse...

Me,

sorry mas já reli o texto e parece-me que a minha mente não se abre assim tanto. Não chego lá.

Depois contas-me. Tou quase quase de fim de semana!

Me disse...

Artur,
sem querer, tás quase lá...
parece meio demente ela, né?
porque será?
o texto entra numa de repetir... um panico quase... uma aflição... demente mesmo...

mas vá, tens o fds pra pensar nisso.
:)

Artur disse...

Estão os dois mortos? PAreceu-me que a presença do primeiro tambem nao seria assim tão fisica...

Me disse...

Bom fim de semana, Artur que gosta dos textos e dos comments.
Bom fds
:)

(e, já agora, obrigada pelo elogio... vou tomar como sendo um elogio...)
:)

Toze disse...

O mistério persiste :))))))

Mr. Poirot disse...

Há um mistério que persiste?!

Estou aqui eu...

Artur disse...

Acorda um tipo cedissimo à sexta feira para vir aqui ver se o mistério tinha sido resolvido e pimba...
Vou voltar para o fds. :-)

Mr. Poirot disse...

O Sr Artur chegue aqui ao pé de mim, tenho umas perguntas para lhe fazer, a primeira das quais é,

"Onde estava esta noite, às 2:17h am?"

E não trema...

Me disse...

Tozé,
Vamos dar o fim-de-semana para matutarem na questão... se entretanto alguem se lembrar de alguma coisa... logo se vê... ou não, ou não
;)

Artur,
E o banquinho do jardim? Confortável?
Há mistérios que nunca devem ser resolvidos...
;) (este não é um deles, claro... não vos faria isso!)

Mr. Piorot,
As gotas, esqueceu-se das gotas... AI!

CT disse...

O Mistééééériiioooo, a questão, prende-se com o que está escrito no post?


Expliquem-mos

Mr. Poirot disse...

Gotas, só de cera, para o bigode e cuidado, madame, não me escreva mal o nome que se me arrepia o dito cujo todo.

N'est ce pas?

Me disse...

Ct,
Obviamente...

Poirot,
Toda a razão.
Mas nada de arrepios no dito cujo que os desse tipo podem ser irrecuperáveis...

Gata2000 disse...

Eu acho que ela é bipolar. há uma ela que está agarrada a uma vida que não quer, a um homem que não ama, enquanto que há outra que anseia por se libertar. E de vez em quando esquece-se de tomar as gotas, e agarra-se à máquina de escrever para exorcisar os fantasmas. Mais ou menos o que acontece com quem tem um blog, não?

Mr. Poirot disse...

Por dito cujo referia-me ao bigode, madame...

As minhas células cinzentas estão viradas para o óbvio, não para os maus pensamentos...

Já agora, madame, saiba que não deixa de ser suspeita, lá porque é a dona do castelo.

Diga-me: onde estava esta madrugada, às 2:17h?

Je suis à votre disposition, hélàs...

Me disse...

Gata 2000,
Mas que má!!!
Mais ou menos como quem tem um blog??
TOTALMENTE como quem tem um blog!!
;)

E estás muito perto... mas nem certa nem errada... apenas perto.

E, já agora, para informação geral de todos, descobrir o que realmente se diz neste texto apenas surge porque eu e o Tozé tivemos a dissecar tudo (eu de acordo com a minha intenção, ele de acordo com a interpretação dele). decidimos que seria melhor deixar as conclusões para os leitores :)

Me disse...

Poirot,
E eu a pensar que estaria a falar do dedo grande do pé esquerdo... minhas mais apolagéticas desculpas...

Onde estava eu?
deitadinha e a contemplar a ideia de desligar ou não a televisão... Testemunhas? pelo menos 4... mas o cão e o papagaio duvido que contem... Diga você, que é profissional da coisa...

CT disse...

O post:

Uma mulher cansada da vida e do marido, do companheiro, do amante, dos dias sem nada.

Escreve uma carta, um romance, ou um simples conto. E ama (?) o personagem do conto (deixem-me chamar-lhe conto) porque é ao escrever o conto que se esquece da realidade e daquele que, de facto lá está, mas que nada lhe diz.

E despede-se dele com um "Até breve, meu amor", que é uma forma de dizer que nem toda a gente pode usar de viva voz, mas que toda a gente usa ao menos para dentro si própria.

O post não é nada disto?! Talvez não, não presumo ter sabido lê-lo. Mas, para mim, é!

E as coisas só existem porque as vemos!

Ass: Simão

Mr. Poirot disse...

Madame, o meu nome é Mr. Poirot, não Poirot, tout-court.

Espero, sinceramente, que no seu quarto, antes de adormecer, não estivessem, vraiment, um papagaio e um cão. (Que mau gosto isso seria...)

Quanto ao quarto personagem, esse que diz que pode confirmar as suas declarações... diga-me quem é essa personagem, para que eu possa confirmar o seu alibi.

À bientôt...

Me disse...

CT Simão,
Se as coisas só existem porque as vemos é discutível...
às vezes até se vê o que não existe...

a personagem do texto tem alguns assuntos a resolver... ela tem de acordar... mas ela nunca chega a mandar as cartas... nunca... ninguém a vai acordar, mesmo que já a tenham alertado para o facto de precisar de ajuda...
amor? quem fala de amor no texto?
Ela escreve para um porque só assim o outro desaparece... Amor? Onde???

Me disse...

Sr. Poirot,
ai as contas...
para confirmar a minha presença na minha caminha à referida hora, existem mais 4 (2 pessoas e 2 animais) que o podem fazer.
Eu, o Quinto Elemento, apenas digo que não minto, que os lençois são daqueles térmicos muita bons e que estava a dar L-Word na Fox.
Papagaio e cão são excelente companhia. Papagaio faz-me rir, cão faz papagaio rir. Tudo feliz naquela casa
:)

Anónimo disse...

Ilusão!
Quando se apaixonou por ele, ela não o via... Aquele vidro do frasco do chá... Pode bem personificar o quanto podemos idealizar. E o chá... pozinhos de perlimpimpim...
Quem deve voltar é a sua linda ilusão... Não a realidade que foi conhecendo ano após ano de convivência.
Desilusão!

Imagination - Just an Illusion

Bom fim de semana,

Flower

CT disse...

Amor onde?

Aqui:

Vivo e respiro-te para dentro de mim como se a minha vida dependesse disso

Aqui:

A presença dele só me faz perceber até que ponto o estou. Fazes-me falta. Estares aqui para não haver espaço para mais ninguém. Estares aqui para todos os espaços serem teus. Nossos.

Aqui:

Despeço-me.
Até breve, meu amor. Em breve volto para ti.
Só assim ele desaparece e eu fico sozinha contigo.
Até breve, meu amor."


Nesses três aqui's, pelo menos.

Mas, se não estiver, quem sou eu para dizer que está? Foi o que eu vi e por isso, para mim, está lá...
Para quem escreveu, está aquilo que só quem escreveu sabe.

E continuo a preferir que fosse um conto, mas, pelos vistos, são cartas.

Não sei ver mais, mas assumi que alguma coisa vi...

Mr. Poirot disse...

Não desconverse, Madame...

Voltarei em breve...

...ou não!

Me disse...

Flower,
Hmmmm.... também também... But not quite!

Bom fim de semana, linda!

CT,
E isso lá é amor?
ela fala com um para o outro desaparecer. desde quando é que isso é amor? a isso chama-se fuga. mesmo que se dê palavras bonitas, mesmo que se diga "estás no meu centro, respiro-te..." etc.
Tem nada a ver. Penso eu de que...
Alguma coisa viste, mas não exactamente o que quis mostrar... Dilemas de quem escreve (bem ou mal).
All good!!!
:)

Sr. Poirot,
Aguardo seu regresso... ou não!

Toze disse...

Estou a gostar, continuem continuem... :)

Me disse...

Tozé,
O pessoal é fraco (:P) e, ao que parece, já tá tudo de fim-de-semana...

Ehhhhh!!!!!!!!!!!!

CT disse...

Vi o que vi e mai'nada!

Me disse...

E eu mostrei o que mostrei e mai'nada!!!

MAU!!!!

CT disse...

Mau digo eu, que vi o que vi e pronto!

Ora Eça...

Me disse...

mas se olhares bem, vês que não há nada pra ver...

CT disse...

Estou a olhar bem...

Me disse...

continua....

CT disse...

Mau...

Já agora não posso olhar, não?

Ai o ca...raças!

Me disse...

Eu tou a dizer pra continuares a olhar, olhá porra!!
mas alguem de te apagou as luzes, foi??

mau, mau, mau... bad mary, bad mary!!!!

CT disse...

Um colega meu, rubicundo, costumava jogar às cartas a dinheiro enquanto se metia nos copos. Ficava bêbado e perdia sempre. Normalmente tinham que o levar a casa, um "colega" de batota de cada lado a ampará-lo. Batiam à porta e vinha a mulher, feia que nem uma bota da tropa, Deus me perdoe, embora Deus tenha mais que fazer que perdoar-me:

Se tu bebesses merda...,

dizia ela, já sem ligar puto ao assunto.

Cala-te Maria, cala-te Maria...,

respondia ele, a dar uma de machão ao pé dos amigos..

O Cala-te Maria, cala-te Marias ficou famoso cá pelo círculo...

Me disse...

:)

Acredito...

Nós por cá também temos o "Pássaro Assassino".
Expressão provinda de tentativa bastante atrapalhada de Sr. Inglês em dizer "barda merda"... saiu uma espécie de "Bird-Murder".
Ficou o pássaro assassino.
:)

Assaltante de blogs disse...

(Este blogue está mesmo a geito pra ser açaltado. Ora deicha cá ver)

CT disse...

Pássaro Assassino é nome de livro policial...

E então se for "Burd_Murder"... Uau! Que belo romance que dava...

Me disse...

Assaltante de Blogs,

Hihihihihihihihihi!!!

Se há coisa que gosto, é de me meter a jeito.

Mostra lá aí então o que vales...

Oh! Não! Por favor!! Poupe-me!!! Oh!! oh!! Ai a minha vida!!! Misericórdia!!! Oh!!!

:|

Ehhhh.


CT,
não gosto de livros policiais. dão demasiado trabalho.

CT disse...

Aconselhava-te um ou outro da Agatha, mas não vale a pena...

Me disse...

CT,
Nopes.

Assaltante de blogs disse...

Minha senhora, não brinque com coisas sérias. Olhe que sou um assaltante como deve ser.
Encoste-se aí a esse canto, enquanto eu faço aqui umas buscas e esteja caladinha, senão ainda lhe ponho uma coisa na boca que a cala logo. Dessas como se vê nos filmes.
Juizinho, tá bem?
Ora mostre lá os seus predicados, a ver o que é que se aproveita. E despaxesse antes que venha a bófia.

CT disse...

Então para lá de escreveres cartas, que é que lês?

(Presumo que lês livros de trabalho, não sei porquê, isto é, não sei porque é que presumo isso, mas esses não contam para responder à minha pergunta, se é que te queres dar a esse trabalho. E olha, tem cuidado com o assaltante, estes gajos são perigosos... Dá-lhe o que ele te pedir, é o melhor, não o contraries)

Me disse...

Assaltante,
Pronto, tá bem.

Tenho uma bola de cutão no bolso direito e um alfinete no esquerdo (tá roto...).
mais... na mala tenho uns minguins e um pacote de lenços (perfumados, ressalve-se).
De resto, tenho pelo na venta e muito pouco cuidado com o que digo quando estou cansada, ansiosa pelo fim-de-semana e com comichão no ouvido.
Pronto. oh eu sentadinha à espera que mostre o porquê de se chamar de "assaltante".
oh, não. o que fazer? (guincho, guincho, guincho) oh de mim que estou a ser "açaltada"

Mais alguma coisa em que possa ser útil?

Me disse...

CT,
Nopes.
Livros de trabalho? Nickles.
O que leio sem ser isso assim que prega seca??
Gosto de autores ingleses... o tema? qualquer um desde que não lamechas e condescendente.
tenho pouco tempo para ler agora, o que me deixa ainda mais irritada com a vida.

Cuidado com os açaltantes?
Oh caredo. eu já colaborei.
tirando chamar mesmo a bófia para dar alguma alento ao açaltante, não sei que mais fazer.
ehhh.

boring.
quero ir pra casa.

Assaltante de blogs disse...

Bem... Não há nada para açaltar aqui.

Vou-me embora, fique lá com o cutão e isso tudo e não se amofine e passe um bom fim de semana...

Fosca-se, que nem para açaltar os tempos vão de feissão...

Bófia disse...

É preciso alguma coisa?!

CT disse...

Me, não te irrites, olha, até já chegou a polícia e tudo.

Passa um bom fim de semana e se não tens um tempinho para ler, para ouvir uma musiquinha no sossego, não te gabo a sorte. Era melhor teres sido assaltada, ou açaltada, como o Assaltante de blogs dizia...

Mr. Poirot disse...

Bem, os assuntos e mistérios estão resolvidos, já faço falta aqui, c'est tout.

À bientôt, Madame...

Me disse...

Um bom fim de semana para a minha novela da tarde
(Estiveste bem, CT... gostei)

Que o regresso à segunda seja igualmente imaginativo!!

Intés!

Toze disse...

Parece que está tudo pronto para ir de fim de semana !!!

Eu vou ficar por aqui e pela "Corrente D'Escritas" cá na terrinha :)

Me, o prémio é teu!
Parabéns Vencedora :))))

Aproveitem o dia Parvo de amanhã, tenho dito!

Me disse...

WHATI??
O quê!?!?
Onde!?!?
Prémio???
Qual prémio?!?!?
E assim começa a caça ao tesouro!

Já venho!!!

Toze disse...

Controla-te miúda !!!

O prémio ainda está em estudo :)))))))

Me disse...

porra...

tá bem. vou despir o casaco e sentar-me de novo.
:)

Um excelente fim-de-semana para ti.
com ou sem dias parvos pouco originais
;)

CUTCHI-CUTCHI!!!!!!!!!!!!!!!!

:P

Toze disse...

cutchi-cutchi, pa ti tamém :)))))

Artur disse...

Vem um tipo de um longo passeio à beira mar (sexta feira de doidos!) e percebe que ainda não há resolução de mistério. Parece-me que pode mesmo ser qualquer coisa. :-)
Bem, pelo menos não fiquei por aqui para ser gamado. :-)

Cem disse...

eh pá falaram em prémio?
heim?
em orgia?

ah não isso ali mais abaixo

ai este sol!

e eu que amanhã estou nas lezirias

vemo-nos por lá!
(do verbo "ver", ham!)

CT disse...

Cem, não há outro "vemo-nos"...

Vamos lá a ver...

Boas noites, e assim...

Cem disse...

CT

Claro que há

e amanhã vai haver muitos, é dia de prova (mas não das do cupido que esse não gosta de duatlo)

Vemo-nos por lá!

Artur disse...

Eu acabei de vir de uma noite de copos em Alhandra, e reparo que o mistério ainda não foi desvendado!

CT disse...

Bons dias, bom fim de semana, bons chocolates e assim...

Me disse...

Bon dias!!!

Os mistérios que não perduram não deixam de o ser?
Hmmm....

:)

Tozé,
desvendamos isto ou não?
Tu mandas.
Beijos a todos, com ou sem chocolates, passeios à beira mar e etc.

CT disse...

Já hoje andei a passear à beira-ria, sob um belíssimo sol.

Bons dias e assim...

Me disse...

e eu estive num engarrafamento à beira tejo....

tb é bom. pelo menos tem-se tempo de ver o rio...

Cem disse...

Olá minha linda e radiante ME!

Ainda a apanhar sol?

e o pessoal aqui à espera do tema do dia! (ou da semana!)

Beijokas,
ai este sol!

CT disse...

Me, tens a certeza que viste o rio?

Me disse...

Cem,
Não fosses tu minha Manager...
;)

Vamos ver o que esta cabecinha se lembra de deixar aqui hoje...
:)
E sim, ai o sol...
:)

CT,
Oui, pretty sure. Why?

Artur disse...

(Com voz de quem não dorme há 4 dias)
Não se importam de parar com essas merdas e deslindar de uma vez por todas o c... do mistério? F-se!

Me disse...

olha, olha, olha....

o quê?

não ouvi....

Artur disse...

Me, revelas o mistério se faz favor? Obrigado, és uma querida!
(Esses sapatos são tão giros! Onde é que compraste? E fizeste alguma coisa ao cabelo? Tás tão gira!)

Finúrias disse...

Artur não vale dar graxa !

desvenda lá Me
;)

Me disse...

olha, olha, olha!!
E logo hoje que tou de botas e não penteei o cabelo ... graxa?? oh Finúrias... o Artur 'tava só a tentar provocar mostrando que acha que sou gaja típica que se vai abaixo das canetas com aquele tipo de coisa...
hihihihihihihih!!

Butes lá então revelar isto.
Tchã! Tchã!!! Tchã!!!!

É um fantasma. Ela vê um fantasma. O fantasma do marido. A tal presença... apenas e só uma presença.
Fala por escrito com alguém que a amou, que a queria ajudar a refazer a vida porque sabe que "só assim ele desaparece".

(Artur, foste o que chegou mais perto... incluindo a parte do ritmo do texto... de ela ir ficando cada vez mais demente...)

Não há amor aqui. Ela não ama o homem para quem escreve e nunca chega a enviar as cartas (é tarde de mais, ela sabe). Usa-o como fuga. Demente, demente, mas não tanto. Ainda agarrada ao passado... Tal como o fantasma que se recusa ir.

Digam lá se não é isso que se lê? Faz mais sentido agora?
(quem disser que não fica eternamente banido do blog...)

:)

Mistério Desvendado!!

Artur disse...

Uf. Vou dormir!

CT disse...

Não!

O que lá está escrito foi o que li, com estes dois olhos mais lindos do mundo inteiro.

J'ai dit.

Me disse...

Pronto.
Morta por ter e por não ter cão...

O que se leu... o que se quis dizer... vale tudo.
No problem.

Venham mais desafios!!!

(PS: quem quiser se desafiado, visite o Ministério da Soltura e peça ao Finúrias (Tozé) desafio à altura. Vale a pena)

PKB no T12 disse...

Me, querida,

Este teu texto enterneceu-me até às lágrimas. Um beijinho grande, minha linda! Obrigada!

Me disse...

Oh minha linda PKB,
lágrimas não!!

não quero estragar o efeito da coisa, mas viste a parte em que explico que ela vê um fantasma, certo????

olha, já não sei o que pensar disto tudo...
ficaste enternecida? ok. Mas não chores... isso não. AQUI NINGUEM CHORA!!!

Olha... que bom desafio... meter o pessoal a chorar!!
Tozé!!!!
Cheira-me a concurso!!!!!
Finúrias?!?!?! Come here, please!!!!

PKB disse...

Foi um texto enternecedor e pronto. E eu é que sei, ou não é? hein? hein? :p)

Me disse...

Justíssimo!!
Mas!
Vamos a concurso na mesma!
Agora quero ver esta gente com lágrimas como deve ser!!
E de propósito!

Não quero ninguem aqui a chorar a não ser que seja de propósito!!

HEIN, HEIN?!?!?

:)

PKB disse...

Quem juntar cebola aos textos é batoteiro e vai ter de cantar uma canção do tony carreira enquanto bebe um copo de água a ferver!

Me disse...

ok. Cebolas não vale... pronto. é justo.

(merda!)

PKB disse...

(apanhei-te, tou a ver!!! ahahahahahaahahahahahahahah)

PKB disse...

(ah... e também não vale alho francês e outros vegetais que façam chorar... eu que vos apanhe!!!)

Me disse...

merda, merda, merda!!!

és uma estraga prazeres!!!

HUMPF!!!

PKB disse...

Ah pois é, bébé...:p)

Me disse...

EHHHHHHHHHH!!!!


;)