3.2.09

Coisas que eu sei…

imagem: google “… Coisas que eu sei
São coisas que antes
Eu somente não sabia...” – Danni Carlos Se formos por aí… Eu não sabia que as correntes de distribuição dos carros dantes eram metálicas e que agora não são pura e simplesmente por causa do barulho que faziam… e que as dos Mercedes ainda são… Eu não sabia que era possível chamar “Paneleiros” a uma mesa cheia de homens e eles rirem-se… Não sabia que bastaria olhar nos olhos de uma amiga, perguntar “Estás bem?” e no segundo seguinte, sem ela dizer nada, eu saber que não e, ainda por cima, porquê… Eu não sabia que existiam pessoas com tão baixo amor-próprio que seriam capazes das coisas mais incríveis para lixar o próximo… Eu não sabia que se estendermos camisas e pólos e afins num cabide para secarem assim penduradinhas a coisa fica mais fácil de arrumar no estendal, secar e passar a ferro… Eu não sabia que havia coisas pelas quais tínhamos de passar para podermos dar valor a outras que nem sequer tinham acontecido… Eu não sabia que fazermos um furo na parte de cima de um pacote de sumo impede que o líquido saia às golfadas devido à entrada de ar… Eu não sabia que seria capaz de ser tão forte para certas coisas e tão fraca para outras… Eu não sabia que seria possível perder o controlo de mim própria em certas situações, ao ponto de não me reconhecer… Eu não sabia que ser simpática com alguém me poderia vir a prejudicar… Eu não sabia que a teimosia tinha níveis… Eu não sabia que o amor era algo que nos escolhia… Eu não sabia que para cozer carne e ela ficar tenrinha só se deve acrescentar o vinho (ou outra bebida alcoólica qualquer) só depois de a mesma estar cozida… Eu não sabia que seria capaz de estar deitada durante duas horas e meia ao lado do meu cão, enroscada nele (um boxer lindo) e a dar-lhe iogurte de morango a beber da minha mão antes de o levarmos para ser abatido devido a doença… Eu não sabia que deixaria que alguém fizesse com que eu mostrasse o pior de mim (o irreconhecível)… Não sabia que iria descobrir, da pior forma possível, que tenho uma espécie de intolerância ao “chamon”… Não sabia que fazer a minha vidinha normal (ser, ter e fazer o que quero), poderia ser uma ameaça tão grande para tanta gente… Não sabia que a inveja é algo de tão poderoso que move mundos… Eu não sabia que o olhar de alguém me poderia fazer sentir tão segura como um abraço daqueles bem apertados e longos… Eu não sabia que seria capaz de aprender a ser tão tolerante com os outros… Eu não sabia que as exigências eram inversamente proporcionais à nossa capacidade de resposta… Eu não sabia que iria ser capaz de ser tão estupidamente cega em relação aos outros… Eu não sabia que seria capaz de mostrar o melhor de mim sem qualquer tipo de esforço a quem realmente merece… Eu não sabia que existem pessoas que comprovam a teoria das aparências e primeiras impressões serem completamente falsas (para o bom e para o mau)… Eu não sabia que teria reflexos e instintos tão rápidos quando em situações menos boas… Eu não sabia que iria ter que aprender a confiar mais no meu instinto, para o bom e para o mal… Não sabia que haveria coisas tão belas que choraria de emoção… Eu não sabia que há dores que ultrapassam tudo e se tornam físicas… Não sabia que há alegrias que ultrapassam tudo e nos fazem rir e sorrir sem mais nem menos, só de lembrarmos… Eu não sabia que a memória seria algo de tão selectivo… Eu não sabia que aquele coração partido se iria remendar… Eu não sabia que há de facto pessoas pelas quais se guarda sempre um cantinho do coração… Eu não sabia que as amizades são coisas fortes e absolutamente inquebráveis quando boas… Eu não sabia que seria tão fácil dizer “não”… Eu não sabia que seria tão difícil dizer “sim”… Eu não sabia que deixar de fumar seria tão difícil… Não sabia que seria capaz de ter saudades de coisas que nunca tive… de pessoas que nunca conheci… Eu não sabia que não iria saber nada sobre mim se não tivesse a ajuda dos outros… Eu não sabia. Não sabia.

24 comentários:

Lizard King disse...

São tantas as coisas que não sabemos e inversamente proporcionais às que não queremos saber, ver ou reconhecer...
As coisas que não sabemos por vezes são o bote que passa na altura certa, outras o arame farpado onde nos prendemos...As coisas que não sabemos muitas vezes só fazem sentido ao experiênciar outras coisas que não sabiamos...e afinal sabiamos há tanto tempo :)
É bom não saber tantas coisas, deixa lugar para o idealismo e para o sonho.
Não saber tantas coisas permite ao outro encontrar-nos...e permite-nos a nós encontrarmo-nos ;)
No entanto existem tantas coisas que não sei e que não quero saber...e outras tantas que sei e não queria.
São tantas as coisas que não sei que precisaria de outra vida para as saber e no entanto existem outras tantas coisas que nesta vida ainda quero saber ;)

Excelente texto Me...adorei :)

beijos

K disse...

E é tão bom aprendermos e continuarmos a aprender. É tão bom ter essa disponibilidade. Tão bom...

(quase que me fizeste chorar com a do cão...)

PKB disse...

E eu não sabia que temos uma antena ligada aos nossos cérebrozinhos ou que somos telepáticas... juro que não fiz plágio!

Toze disse...

E muitas mais coisas vais descobrir que não sabias, aliás, vamos todos, é a rota natural da nosso conhecimento!

Gostei muito deste "Grito"

Eu sei porque cá venho :)

Beijo

Anónimo disse...

Aqui tá um belo texto, coisas reais que muitas vezes não damos a devida atenção!
Alguns anos atras eu não sabia que não deviamos julgar as pessoas pelo que as outras dizem, mas sim dar a oportunidade dessa pessoa se dar a conhecer e ai sim fazermos o nosso julgamento! Eu cai nesse erro, mas felizmente, consegui que esse erro do passado se torna se numa exelente amizade de hoje! ;)

Beijos
Ass.: E.M.

Cem disse...

Não sabias mas agora sabes!

Ahh, e a lista não acaba nunca!

(eu não sabia que imaginar-te, naquelas condições, ao lado do teu cão me traria as lágrimas aos olhos...)

Beijo grande

Me disse...

Lizard King,
Bem, tive que ler três vezes para fazer sentido do que disseste mas depois cheguei à conclusão que é mesmo assim.
Há coisas que não fazem sentido, depois passam a fazê-lo… depois já não fazem e depois, um belo dia, podem até deixar de existir…
Faz parte do processo de crescermos, aprendermos, largarmos umas coisas e abraçarmos outras sem nunca esquecer de onde viemos e para onde vamos.
Gostei da tua perspectiva da coisa. Tankiu, Guerreira.

K,
Podes crer… que ao menos essa disponibilidade em particular nos acompanhe ao longo de toda a vida…
A do cão… nem te digo nada antes que também eu me faça chorar. Digamos apenas que aquela criatura marcou muito a minha família, ao ponto de eu só querer ter boxers se algum dia tiver que ter um canito. Beijos para ti.

PKB,
:)
Já te fui cuscar… Oh, mulher. Esquece lá isso que isto da inspiração vem com o tempo. Pelos vistos andamos mesmo muito afinadinhas. Gosto disso. Beijos!

Tozé,
E eu sei porque gosto que cá venhas.
Ainda que pense que esta coisa de andarmos e estarmos sempre a aprender seja algo natural e absolutamente essencial e “obrigatório”, acho que se não fizermos assim uma revisão à lição de vez em quando, perdem-se certas coisas…
Os últimos meses da minha vida foram muito intensos… mas agora, depois da tempestade, vem a bonança. Vem a calmaria. Vem a tranquilidade de saber que se se consegue sobreviver ao pior, então o bom será muito melhor aproveitado. Acho que agora estou em mais e melhores condições para melhor orientar esses meus “Descobrimentos”… Não sei se me expliquei bem…
:)
Um grande beijo para ti.

E.M.,
Minha linda, há coisas que de facto nos dão mais vontade de andar para a frente… Esquecer o que foi, lembrar o que poderá ser… Gosto de ti.
Beijos.

Cem,
Não foi bonito, por assim dizer… mas foi o que teve de ser. Foi a minha maneira de me “render” a ele. Dizer-lhe que me doía ficar sem ele, mas que estaria sempre presente.
E não, a lista nunca mais acaba… mas o resto completam vocês… cada um à sua maneira.
Obrigada pela visita.
Beijos sem lágrimas para ti.

Cem disse...

Não minha linda, a dor não é bonita e quando dilacera é horrível, mas isso já tu sabes!

Beijo-te

Me disse...

Cem,
:)

Nem mais.
Beijo-te de volta.

CT disse...

Pensei que estava a comentar aqui e, afinal, fui comentar ali..

Mas acho que aqui se está bem melhor que ali...

Foi um gosto passar por aqui, se bem que não tenha sido um mal, passar por ali.

:)

Olá, You, muito prazer

Me disse...

CT,
Bem!
Se alguma vez houve falta de gps...
;)

Olá, CT, igualmente

K disse...

Sabes, eu por vezes tenho medo que perca essa capacidade de aprender, que volte à cegueira, que perca a disponibilidade. Por outro lado, parece-me que isso não vai acontecer connosco, que depois de termos visto a luz é difícil voltar à escuridão.

Quanto ao cão, tocou-me essa demonstração de amor incondicional, por ser tão humana e verdadeira. E às vezes é tão difícil encontrar isso nos dias que correm...

Me disse...

K,
Acho que nunca chegamos a perder essa capacidade... pode é acontecer sermos mais selectivos com o que aprendemos... escolhemos melhor os caminhos.
Por exemplo, eu também sei hoje que há coisas que não sei e que também nem quero saber (tal como diz a LK). Não vou ocupar espaço no meu disco rígido com certas coisas...

O cão... Bóris. Boxer tigrado que tinha tanta personalidade que quase falava connosco.
Só boas recordações e muitas saudades. Muitas.
Beijos para ti

Vitor disse...

Como sei que este post é importante para ti, vou abster-me!


(Eu não sabia que se estendermos camisas e pólos e afins num cabide para secarem assim penduradinhas a coisa fica mais fácil de arrumar no estendal, secar e passar a ferro…)
As coisas realmente importantes que tu aprendeste!!!

Me disse...

Vítaro,
Todos os posts são importantes para mim...
E sim, aprendem-se certas coisas úteis... muito úteis... que ajudam no dia-a-dia das coisas e facilitam a vida ao pessoal.
Aposto que gostaste da ideia...

:P

Gata2000 disse...

Eu chorei com a do cão. A minha cadela tinha 17 anos quando morreu, foi no dia a seguir ao meu casamento, a minha mãe teve de esperar que eu voltasse de lua de mel para me dizer, e ainda assim chorei que nem uma desalmada porque era a minha "menina". Ainda hoje me lembro dela com muita saudade.

Me disse...

Gata 2000,
Linda.
I'm sorry.

Beijos cheios de coisas boas para ti.

Toze disse...

Sim, explicaste-te bem :)

Me disse...

Tozé,
Boa :)
Acho que te vou visitar... apetece-me espaidecer...
:)

Me disse...

Tozé,
Shhhhhhhh..... Shhhhhhhhhhhhhhh....!!!!!!!

;)

Toze disse...

Shhhhhhhh..... Shhhhhhhhhhhhhhh....

Assim seja, ehehehehehe

Me disse...

Tozé,
Tonto...
Era joke, oui?
Eu sou a que gosta de barulho, remember??
Mau. Mau, mau!

Bjs!!

yensung disse...

E até aposto que não sabias, quando te deu para começar a escrever, que ias "tocar" tanta gente.

Vénia de "me" para Me.

Me disse...

Yensung,
Não,também não sabia.
Mas sei que uma vénia tua só com piscadela de olho pelo meio.
Não sou merecedora de tal. Pelo menos não por enquanto... ;)

Vénia (a sério) right back at you.
:)