15.12.08

Bardajão

imagem: google
O conceito de Bardajão não é recente, mas encaixa na perfeição a um sem número de gajos. Bardajão é aquele gajo com veia de pedreiro que tenta, a toda o custo, ocupar os buracos da vida com o seu sobrevalorizado e hiper-adorado instrumento. É o gajo adepto da máxima “despeja-mos” que, ao contrário das Bardajonas, não almeja o “nós”, mas sim o “ela” (ou parte dela…). É o fanático das conquistas, o viciado na caça… O adorador do prémio (mesmo que não se lembre do nome dela no minuto seguinte). Os Bardajões, neste contexto, sempre existiram… Sempre os houve. Aliás, as Mulheres sempre contaram com a existência deles… Muito antes das bonecas insufláveis made in China, já as Mulheres conheciam (e usufruíam) do conceito. Os Bardajões são os gajos aos quais se diz “Sim querido, és mesmo giro… sim coisa linda, vem ter comigo… não lindinho, não te dou o meu número…”. Os Bardajões são os gajos eternamente solteiros que têm crises existenciais quando chegam aos meados dos 30, questionando-se porque é que ninguém os quer (aqui talvez um cadito igual às Bardajonas). São os gajos hiper fashion, com lábia até aos joelhos, que ensaiam os olhares ao espelho e praticam as posições sexuais sozinhos para terem a certeza que a coisa funciona. Os Bardajões são aqueles colegas de trabalho que têm sempre uma palavrinha doce para as colegas, que as mantêm naquele clima do fode-que-não-fode para depois poderem ir adicionando nomes à lista das que “Eu até papava, mas não me apetece”. São os gajos que têm uma escala de classificação para os pormenores técnicos das gajas (mamas, cu e boca) e que sabem exactamente o que fariam com cada um desses pormenores. São aqueles gajos minimamente giros, mas com boa pinta, que fazem as mulheres em dias maus pensarem: foda-se, não presto para nada… nem o Bardajão XPTO me quer… São o conceito de “homem lenço de papel”: suja-se e deita-se fora. Os Bardajões têm a capacidade de passar a perna aos amigos… vale tudo por uma boa queca. São os que têm a capacidade de viver segundo aquela máxima de “gaja é aquela coisa toda à volta da Patareca”. Mas também são aqueles amigalhaços que os gajos gostam (invejam até…). Para as amigas (as inquecáveis por decisão delas…), os Bardajões são um brinquedo. São um case study. É o gajo com quem se desconversa. Os Bardajões, por comparação às Bardajonas, são mais dóceis. Talvez por as Mulheres os toparem à distância… talvez por ser mais difícil apanhar uma gaja pela rata do que um gajo pelos tomates… Não sei. Os Bardajões, bem vistas as coisas, são os gajos dos quais até se tem uma certa pena… Vimo-los como desprovidos de sentimentos… desprovidos de seja o que for. Existem, pronto. Digamos que são aqueles aos quais as gajas não têm receio ou problemas em dizer que a queca foi má porque sabem que isso não os atinge e porque sabem que também não será por isso que deixarão de lá ir… E depois temos os Bardajões Cabrões . Subespécie muito mais perigosa. São os que dizem às namoradas e mulheres que vão sair com os amigos… mas não vão. São os que dizem aos amigos “Namorada ou mulher tua é gajo para mim” (paneleiros … sem ofensa…). Os Bardajões são, para as Mulheres, aqueles gajos que andam permanentemente com um sinal vermelho de “Wrong Way” por cima da cabeça. As Bardajonas, por comparação, andam com o sinal vermelho noutros sítios… A culpa é dos homens… se não se focar a atenção deles como deve ser, perdem-se. E isso as Bardajonas não querem. Bem vistas as coisas, prefiro um bom Bardajão a uma má Bardajona (sempre servem para aumentar o ego num dia mau…). Mas isso sou eu que sou gaja e conheço melhor o inimigo… Afinal de contas, há uma dentro de mim. Ou não fosse eu Mulher, Filha, Amiga…

51 comentários:

Eduarda disse...

eu adoro bardajões, dá-me particular gozo faze-los sentir que a minha vida precisa urgentemente deles, leva-los a perceber que acredito piamente que encontrei o homem da minha vida e que preciso urgentemente de os levar para a cama ou para um outro sitio qualquer, desafio-os a desafiarem-me...tudo isto para depois lhes perguntar se achavam que era assim tão pouco exigente... nem dados...mas isto sou eu que promovo atestados a essa gente... odeio (bardajojas e bardajões)

Me disse...

Exactamente! É a tal coisa, até mesmo entre bardajões e bardajonas existem diferenças... Talvez não na forma de "actuar" (ainda que as haja, porra... os Bardajões são muito mais discretos...) mas sim na forma como os outros os vêem. As mulheres vêem os bardajões como tu descreveste: um brinquedo... Eleva-me o ego que eu hoje preciso, mas fica aí longe que nem pintado de louro eu te tocava... Enquanto que as Bardajonas... ui. É diferente. Dificil de explicar, mas diferente.
As mulheres, as que "têm" de mandar uma facadinha por vingança, por exemplo, nunca iriam escolher um Bardajão... Não há luta... não há essência. Não é a sério. Os homens esses procuram é logo as Bardajonas... mais fácil, não há luta, não há essência... não é a sério.
Não sei se me expliquei bem... Mas tu percebes de certeza (espero eu!)
:)

Eduarda disse...

percebi cada letrinha ;)

Eduarda disse...

ahhh e um dia (quando se puser para ai mais calorzinho) convido-te para veres a cores e ao vivo o que faço a essas bardajonas... adoram-me como deves imaginar

Me disse...

:)
Sabia que ias entender... e em relação ao convite... 'miga... podemos trocar histórias de guerra quando quiseres. Tenho métodos e técnicas dos bons... fazemos troca de notas e eficácias. Tipo festa tupperware mas sem o tupperware...
;)

PKB disse...

Truz Truz... pode-se entrar?...
(vai batendo, vai perguntando, e vai entrando devagar, em pontas dos pés, de ouvido à escuta e o canto do olho atento... quase desenvolve estrabismo divergente...)

Entrada que estou aqui... vamos cá dizer duas ou três coisitas...

Bardajões... espécie incompreendida e mal amada. Espécie embrutecida. Más quecas, porque ninguém lhes ensina onde fica o clitoris (pensam que é alguma doença estranha...), más quecas porque não sabem meter, não sabem tirar, não sabem lamber, não sabem beijar...

Bardajão cabrão... espécie perigozíssima porque se disfarça muito bem... camuflagem, disfarce, manhas, histórias, historietas...

Bardajão anormal... feio que pensa que é bonito, burro que pensa que é inteligente... esperteza saloia, lugares comuns, cara de parvo... e no entanto pensa que é uma grande coisa...

(falou e disse, pôs o chapéu e foi-se... pé ante pé, sem ninguém dar por isso, saiu pela mesma porta por onde entrara porque pela janela era complicado já que está num primeiro andar...)

Me disse...

PKB,
Onde te foste meter... :) 'Tou-te a ver, oh chapeu na cabeça...

Eh, pá. Deixaste-me como que meio sem resposta. Concordo e discordo. Isto é, tenho outros nomes para o que descreveste.

Bardajão não sabe foder? Ahhh... Who cares? Eu não chamaria Bardajão a este... A este chamaria: Gajo que não sabe foder
:)

Bardajão Cabrão: concordo. ok. pode ser...

Bardajão anormal: Tirava o Bardajão e deixava o "Anormal"... é o que são no fundo...

Acho que Bardajão é um termo assim muito especifico... São aqueles gajos viscosos... aqueles que não queremos tocar por medo que fiquemos "sujas"... sei lá.

Acho que chegámos a uma interessante conclusão: Bardajão não é Bardajona no masculino. Ao menos essa certeza temos!

Tu vai mas volta, oh sorrateira :)
beijos

Lizard King disse...

"Acho que chegámos a uma interessante conclusão: Bardajão não é Bardajona no masculino. Ao menos essa certeza temos!"
Nem mais, até porque o mais cabrão dos bardajões não come uma bardajona, tem mais nivél que isso.eheheheheheh.
Conheço alguns bardajões do tipo cabrão (entre outros que também pertencem ao meu leque social) e não troco um bardajão por uma má bardajona (se é que existem boas????), é que dentro do espirito "eu cá sou bom muito bom, sou sem duvida o melhor", (Xutos novamente..eheheeheh)ainda conseguem ser os bobos da corte, o gajo popular que tem um ar engraçado (raramente giros, não sei porquê :/ )e até hoje sempre que precisei deles lá estiveram (deve ser por ter sido sempre a "Gaja parva que tem a mania que é boa e na se deixa papar"..eheheheeheh) mas tanbem deve ser por isso que ganhei o seu respeito...e ai está mais uma grande diferença entre bardajões e bardajonas...é que as bardajonas nem se consegue respeita-las, nem ter o seu respeito, porque é aí que assentam (exactamente)os seus trunfos...A falta de respeito por si logo pelos outros.

"É a tal coisa, até mesmo entre bardajões e bardajonas existem diferenças..."

PKB disse...

O Bardajão é aquele gajo que tem cara de doença venérea... mete nojo ao nojo e uma pessoa pergunta-se se quando morrerem não deviam ser incenerados num aterro sanitário... sabe-se lá que maleitas terão por terem dormido com bordajonas porcas... (ou outras espécies de fêmea pouco higiénica, provavelmente proveniente de qualquer país da América do Sul)....
.... subrepticiamente, cá vou entrando... tipo elefante no rossio =)

Anónimo disse...

É simples bardajar...

http://www.youtube.com/watch?v=Y5xZyUEnNEU

Zé Ramalho

S. G. ex - Fernando Pessoa disse...

queres ver que gostar de sexo é mau?! queres ver que gostar de andar bem apresentado e ter uma agradável conversa é mau?! queres ver quie por ter (quase) 30 e ser solteiro á mau?!queres ver que ser dócil é mau?! queres ver que por ser simpático com as colegas de trabalho é mau?!

(sequência de provocação :-)

e tenho uma teoria sobre a mulher dizer que a queca foi má :-) mas fica para outra altura.

Me disse...

Lizard King,
Porra, pá. E o que digo eu agora?
:)

PKB,
Não estarás a pensar nos Javardões? Esses sim. Os que limpam o coiso ao cortinado depois de coiso porque, enfim... Esses sim! Mas um javardão não necessariamente seja uma Bardajão. Temos de fazer um glossário, bolas! Entre Patarecas, Passarocas, Bardajões, Javardões, etc, o pessoal ainda se perde.
Deviam era andar todos com um sinal na testa! Chiça Punico!

Me disse...

Zé Ramalho,
Merece honras de resposta individual porque quero partilhar com todos o que enviaste. Aqui fica a tradução do link e, como sempre, Tankiu :)

"Marcelo D2 Feat Will I Am Black Eyed Peas - CB Sangue Bom"

(Como diz o meu parceiro Bezerra da Silva
Eu náo preciso fazer a cabeça
eu já nasci com ela
A questão é...
Até onde que ela pode me levar
Se é que ela pode me levar)

A vida é um eterno perde e ganha
Um dia a gente perde
Num outro a gente apanha
Apanha e nem por isso a gente vai fugir da luta
Num vou abaixar a cabeça prá nenhum filho da puta

As pedras no caminho a gente chuta
É super natural
Não deixo abaixar minha moral
Tenho que me manter em movimento
A vida não é mole
mas qualquer parada enfrento, enfrento

Tão louco voce pensa que está
E se é que está
Tão louco voce pode ficar

Se a vida não é do jeito que se quis
A idéia é procurar
o caminho que te deixa feliz

Ficar do lado do bem,
eu fico também
Se o papo for atitude
não tem prá ninguem

A questão aqui é o sangue bom é quem
Se a felicidade tá numa nota de cem

Alot of brothers, they tried
But they need to try harder
I shared my views a day other
Final da'boy need some water
they'd lack in the map
stuck in the cage living in chack and a trap
where no key to my lap
Just take a look at you now
Why you absolutely look to you fooling give mistaken for the good opportunity upon
check you love cry
brothers forever be loosing their mind and their soul that goes by
So keep them strong
Keep them a'head up just look to for the lone
Jeopardy! You are trying to overwrite the wrong
Broaden into the thick and thin and again and again
When I'm about to win look back then because I'm sick and damn' tried to sing
Yeah, I got the good blood a sangue bom blood
Take a sip, go, I guarantee
It's good stuff, good stuff

Do lado de cá faço a conexão
Do lado de lá só pinta sangue bom
Chego no caminho nem que vá a pé
Me diga com que andas
E te direi quem é

Do lado de cá faço a conexão
Do lado de lá só pinta sangue bom
Chego no caminho nem que vá a pé
Me diga com que andas
E te direi quem é

Aí CB !
Sangue Bom que é Sangue Bom
é considerado em qualquer lugar
Tem que saber chegar
Sem papo torto
Chega no sapatinho
Mantenha o Respeito
A procura da batida perfeita
Eu represento Hip Hop Rio
Já é
Já é
Parceiro

laia lalaia laia oba oba oô

Me disse...

SG,

"queres ver que gostar de sexo é mau?!" - claro que não...

"queres ver que gostar de andar bem apresentado e ter uma agradável conversa é mau?!" - claro que não...

"queres ver que por ter (quase) 30 e ser solteiro á mau?!" - depende... tenho uma teoria, depois conto....

"queres ver que ser dócil é mau?!" - é. na minha terra, nunca na vida me passaria pela cabeça chamar dócil a um homem! Valha-me caredo! Dócil? Muito mau...

"queres ver que por ser simpático com as colegas de trabalho é mau?!" - claro que é. quando a simpatia é excessiva ou mal direccionada... as colegas de trabalho, munidas com as suas capacidades e perspectivas individuais (ou seja, vêem o que quiserem e inventam o resto) vão sempre cobrar a simpatia. Nem que seja só num reparo qualquer a uns sapatos novos... MANTÉM-TE AFASTADO DAS COLEGAS DE TRABALHO!!! AFASTA!!!

(sequência de provocação :-) - nem reparei.

"e tenho uma teoria sobre a mulher dizer que a queca foi má :-) mas fica para outra altura." - Hmmm... também tenho... É a teoria que se aplica às mulheres honestas que até nem se importavam que o gajo da queca má aprendesse alguma coisita. Ai o ego masculino. Dizemos "má" e "queca" na mesma frase e bimba... tudo estragado.

Mas vá... conta lá a tua teoria oh abusador provocador... vá... não sejas dócil... sê simpático... vá...

;)

S. G. ex - Fernando Pessoa disse...

sabes que isso de dócil (ou se quiseres usar outro adjectivo qualquer) é o ponto fraco das mulheres que não o conhecem...será o teu caso? espero que não :P
(é que na minha terra havia uns gajos que batiam nas mulheres e não é por isso que a vou defender)

já sobre o sexo é tão evidente isso que referes que o facto das mulheres se queixarem às amigas (e não aos companheiros no intuito de resolver esses problemas - ensinando-os claro)é problema delas. o que não se conhece não existe. e enganaste quando falas em ego masculino, porque sempre me preocupei em perceber qual a forma de agradar a cada mulher que conheci (porque se há homens que ainda não chegaram ao clitóris, eu já passei essa fase há muito)

quanto às colegas de trabalho (e tenho uma que tem esse vício de elogiar para ser elogiada - claro que não retribuo sabendo o que ela quer) sendo casadas ou solteiras, a minha simpatia é maior para as que sinto que merecem a minha amizade. (se haverá quem tem perfil atraente, concerteza. mas isso é como tudo na vida)


bom suponho que para quem quase 30, sei o necessário para a sobrevivência sentimental. (mas quem se precipitou nmais novo, é vê-los agora regressar divorciados)

e olha que apesar de tudo não sei patavina desta merda que é o amor. a sério que não. quem me dera saber..

e contigo serei sempre simpático, dócil só para quem conheço pessoalmente e não é o caso :P

Anónimo disse...

PKB, essa frase do "ou outras espécies de fêmea pouco higiénica, provavelmente proveniente de qualquer país da América do Sul" é muito boa! Palavras para quê? Já deu para perceber o teu nível! Ganda bardajão!

PKB disse...

BardajÃO, eu?!
Insultem-me, mas não me mudem o género... pelamordedeussss!

PKB disse...

Me,
Realmente estou confusa... Isto porque tenho visto muitas mulheres sem dentes acompanhadas por homens com dentes... estou realmente demasiado confusa quanto a terminologias...
=/
Bardajão, bardajona, javardão, javardolas, javarodona, putéfia, cabrão... tudo isto é triste, tudo existe, tudo isto é lixo! =/

K disse...

Eu não diria bem bardajão-cabrão...embora tenham características em comum, o bardajão é bardajão exactamente porque é básico e claro como água, já o cabrão é mais sofisticado e menos perceptível (o que não quer dizer que não se acabe a tirar-lhe a pinta...eu é que sou burra! vá, esporadica e momentaneamente. é o problema da cegueira e mais vale admitir que fazer-me passar por esperta. dá mais certezas) (e lá estou eu a usar a tua caixa de comentários como espaço próprio....tenho para mim que à noite te recolhes a fazer voodoo! ;p)

Me disse...

SG,
Dócil é uma palavra muito específica… Muito ligada ao reino animal… Nunca descreveria um homem ou mulher como o sendo. Tranquilo, pachorrento, calmo… etc.
Em relação ao sexo, há uns tempos fiz um post sobre as gajas que não são honestas com os parceiros mas que depois têm paciência para ensinarem o ABC do corpo feminino a rapazitos que mal sabem dizer Mulher, quanto mais o resto… É uma questão de pessoa. De feitio. E quer queiras, quer não, o ego masculino, nestas coisas do sexo, é muito mais sensível do que o das Mulheres. Se assim não fosse, não seria tão fácil dar cabo dele… mas fico contente por há muito teres passado essa fase. Há gente que ainda se perde algures entre os joelhos e o umbigo (ainda que também isso possa ser divertido…).
E antes que isto descambe de vez, realmente os 30 (até aí aos 35…) são um marco na vida de todos – homens e mulheres. Deixamos para trás os sonhos de adolescente e começamos a querer andar para a frente com outras ideias e pensamentos. Sobrevivente? Tu? Naaaa. Não te apareceu foi ninguém… Ou estás a dizer-me que foi tudo uma estratégia tua? Hmmm…
E sim, estou contigo nessa coisa do não entender patavina disto. Houve uma altura que pensei que percebia uma cadito (nem que fosse só em relação a mim…) mas não. Na linguagem do amor, o que mais digo e ouço dizer é “No te entiendo”. É pena.
Ainda bem que para mim serás sempre simpático… Igualmente. A cena do dócil… pois. No problem.
:)

Me disse...

Anónimo/a e PKB,
Vá… não briguem que hoje não me apetece. Please…
PKB é Gaja. Daquelas a sério. Se disse o que disse, é porque deve saber do que fala. Quem não concorda, tudo bem. Mas sim, ao menos que não mudem o género à moça…
Vá, sosseguem...

Me disse...

PKB,
Ora aí está. Tudo isto existe, tudo isto é lixo... É isso mesmo.
A cena das gajas sem dentes... há quem prefira... não "arranha" ;)
mas deixemo-nos destas conversas se não descamba mesmo!

Anónimo disse...

Mário Quintana escreveu:
"Se eu fosse um padre,
eu, nos meus sermões,
não falaria em Deus nem no Pecado
— muito menos no Anjo Rebelado
e os encantos das suas seduções,
não citaria santos e profetas:
nada das suas celestiais promessas
ou das suas terríveis maldições...
Se eu fosse um padre eu citaria os poetas,
Rezaria seus versos, os mais belos,
desses que desde a infância me embalaram
e quem me dera que alguns fossem meus!
Porque a poesia purifica a alma
...e um belo poema — ainda que de Deus se aparte —
um belo poema sempre leva a Deus!"

Zé Ramalho

Me disse...

K.,
(Antes de mais, a K já respondeu ao desafio… apenas ainda não publiquei porque não é exactamente o melhor dos momentos tendo por base os posts mais recentes… Vem a caminho. Tankiu, K. Mais vale tarde que nunca mesmo!)

Bardajão é bardajão. Cabrão é cabrão. E acabamos sempre por ser “enganadas” por um ou pelo outro a certa altura. Às vezes, como bónus, podemos até ter o 2 in 1… Não estamos geneticamente programadas para este tipo de coisa… Só depois de termos a certeza absoluta do que está à nossa frente é que começamos a desconfiar… Triste né? Este processo inverso… Mas enfim.
Ai o voodoo… quem me dera uns conhecimentos dessas coisas… Juro, pela Alminha do Diabo, que apenas utilizaria esses poderes em prol do bem! JURO!!
;)

(‘tás 1000% à vontade, K. Sabes que sim… eu até gosto, bolas. Parece que há aqui qualquer coisa que mete o pessoal a desabafar… Tenho para mim que é do nome do blog… descontrai)
:) beijos

Me disse...

Zé Ramalho,
Não sou crente… penso que o saberás. Já tentei com toda a minha alma… Mas não fui capaz. Tenho outras fés (e alguns posts ao longo do blog em que me explico melhor em relação a este assunto…). O importante é ter fé, certo?
Se fosse Padre… se fosse Poeta… se soubesse eu deixar fluir as palavras ao ritmo dos meus sentimentos e emoções… se soubesse eu escolher a palavra certa para o momento certo na altura certa… se soubesse eu transmitir para fora o que vai dentro, apelando ao coração, à cabeça… apelando a tudo quanto me pudesse entender… a tudo quanto me pudesse fazer entender… Se eu assim fosse… Mas não sou. O importante é sabermo-nos capazes de fé. Seja no que for. Mesmo que a matem e a no-la façam perder. Sabemo-nos capazes. Isso é importante.

Se eu assim fosse, não teria um blog com este nome… ;)

K disse...

Eu pelos bardajões não me deixo enganar (talvez lá pela adolescência...), já pelos cabrões...e é mesmo triste quando se já passou dos 30 e se pensa "porra, já devias saber mais que isto!" ou "mas como é que tu consegues ser tão ceguinha rapariga?!" ou ainda "que puta de mania de sentimentalizares tudo (incluindo a tusa descomunal que o gajo dá)!!". Triste triste é ter alguma tendência para gajos assim (os cabrões, não os bardajões) e chegar à inevitável conclusão que ainda me falta maturidade sentimental. Triste triste é por os pés pelas mãos e não ter clareza de espírito suficiente para não começar a fantasiar - sim, porque eu continuarei sempre a ser sentimental, sim não pretendo mudar, sim o sexo para mim faz definitivamente mais sentido com sentimento, mas porra, não era preciso confundir tudo!

Enfim, não sei se é do título do blog ou da dona porém a verdade é que, pelo menos eu, sinto-me à vontade para simplesmente...conversar. É um blog aberto ao diálogo, logo receptível a desabafos. ;]

Me disse...

Zé Ramalho,
PS: Obrigada pela musica do Marcelo D2. Mesmo que só a tenha conseguido ouvir bem, bem, bem depois de a ler.
Se eu assim fosse... também punha as pessoas a dançar ao ritmo da minha poesia...
Beijos.

Me disse...

K,
Tens razão em relação a ser mais difícil sermos “enganadas” por um Bardajão. Sabemos que o é, por isso, tecnicamente, não estamos a ser enganadas… Os cabrões da vida.. Oh-oh. Esses sim. Dissimulam-se… escondem-se… prometem… apelam aos sentimentos… Cabrões mesmo. E nós caímos que nem patinhas.
Não acho que tenhas falta de maturidade sentimental (se alguém a tem, são os Cabrões, porra). Acho que és uma mulher com fé (aquela fé que de vez em quando sentimos por uma pessoa… por uma situação… aquela que nos diz que acreditamos em algo mais…). Que prefere ver o bom ao mau, o positivo ao negativo. Ok, pronto. Às vezes damos demasiada importância e acabamos por ignorar os males e os negativos que são tão gritantes que parece impossível não termos visto… (estávamos distraídas com outras coisas melhores, bolas!) Sentimentalizamos tudo, incluindo as tusas descomunais (Só pode, né? Para ficarmos assim, é porque bate forte… se bate forte… é porque é a sério… se é a sério e bate forte e dá tusa… ‘tá resolvido! Mas não… ou pelo menos nem sempre). Precisamos disso, K. Precisamos sentir algo mais do que apenas uma “necessidade” que podíamos sentir em relação a um gajo qualquer. Isso não chega. Isso já nós sabemos. Isso é fácil. Precisamos de sentimentalizar para não nos vermos como frias, calculistas e desprovidas de tudo (no limite… aliás, até mesmo as Bardajonas não tomam o caminho fácil… querem o tal “nós”, afinal… sentimentalizam a coisa… vão é pelo caminho menos certo…). Sem sentirmos algo, não somos nada. Isso é marca de Mulher de Paixão. De Mulher a Sério. Imagina-te sem essa paixão toda… Morrias!
Não és tu quem está errada ou no caminho errado ou seja o que for. Nopes. Tens é de procurar noutros sítios exactamente para não teres que lidar com os cabrões imaturos que só nos fazem é merda sem sequer se aperceberem. Não te mudes a ti… muda quem está contigo.

E MUITO obrigada pelo elogio ao blog… a este espaço. Para mim, isso é um enorme elogio. Conversar é bom. E eu gosto muito das companhias. Muito mesmo. :)

K disse...

Ah! Mas eu não pretendo mudar. Não a parte da fé e da esperança. Não a parte de querer tornar as coisas em algo especial e mágico. Como dizes, morria! O que eu gostaria de mudar é esta tendência a iludir-me, quando, como também dizes, por vezes existem coisas negativas tão gritantes, quando valho muito mais que aquilo. Falo de imaturidade sentimental porque considero sinceramente que esta minha falta de discernimento, ou a minha cegueira como eu gosto de dizer, está associada a uma falta de auto-estima que parece que me fulmina sempre que me apaixono e que me impede de raciocinar convenientemente e com o devido amor próprio. Capice? Foi um longo caminho até aqui, por isso sei do que falo. ;] A parte da teoria já eu a sei toda (a teoria com a qual me identifico e que tu descreves tão bem), a prática é que ainda se encontra um pouco aquém do desejável...(as cegueiras já duram pouco, mas ainda duram alguma coisa, como alguma tendência ainda presente assim para os gajos errados...)

Sim, tenho mesmo é que começar a procurar nos sítios certos...e bater com a cabeça na parede até chegar lá! ;p Lembrar-me do que sou, como sou, o que quero e o que mereço. E aprender a acreditar quando há substrato para acreditar e não ser cegamente crente (porquê esta estúpida mania de acreditar em milagres? porque achar que tudo é possível?)

E obrigada pelos elogios. Pela Mulher de Paixão e Mulher a Sério. Porque por mais que me chamem "burra" e afins, é algo de que me orgulho muito e, repisando, que não quero nem pretendo mudar. Gosto de coisas intensas e com essência. Coisas mornas nunca me fizeram mexer muito...

Me disse...

K.,
Assim sendo, welcome to the Club.
Postas assim as coisas, também eu assim sou. E reconheço que sou. E sei que sou. E sei e sei e sei e sei e, mesmo assim, bato com a cabeça (e o corpo todo...) onde não devia. Entendo-te mais do que pensas. A cena do iludir eu vejo também como a tal cena do “forcado da cara”. Do tipo: não funciona? Não funciona uma merda! E lá vamos nós, qual imaturas crentes e cheias de fé, pegar mais um touro para continuarmos a poder fazer os nossos milagres… a manter o que queremos e desejamos. É uma luta (por vezes) inglória e muito solitária (como sabes…). Será também isto uma espécie de falta de amor-próprio? Arregaçarmos mangas e, sozinhas, irmos em frente contra tudo e todos, para que funcione porque precisamos e queremos que funcione. Porque só pode funcionar. Porque às tantas só interessa é que funcione… Fazemo-lo porque sim, apaixonamo-nos. Se estamos ou não iludidas… isso só sabemos depois (infelizmente). Durante o durante, está tudo mais que certo… E depois caímos. Esfolamo-nos todas. E ao primeiro vislumbre de luz, colocamos de novo toda a nossa fé naquele ser que depois se vem a descobrir corta as unhas dos pés à mesa da cozinha ou coisa parecida… (sorry a piada… mas, porra, pá… temos de ser capaz de rirmos um cadito com isto…).
Eu já nem sei de quem é o problema. Se nosso porque nos deixamos ir. Se deles porque nos querem levar. Se nosso porque sentimos e sentimos e sentimos e às tantas deixamos de pensar. Se deles por não serem capazes sequer de pensar… Sei lá.
Mas acredito numa coisa, tenho de acreditar numa coisa: What goes around comes around. Para o bom e para o mau. Não sou tão má que não mereça o bom; nem tão boa que não mereça o mau.
Quando vier o bom, saberei vê-lo (fé, fé, fé). Não cairei de joelhos. Se tanto, cairei de pé (não é Lizard King?) … Não lutarei sozinha por nada. Terei companhia na viagem… não na luta. Farta das lutas. E o pior é que a maior parte das vezes é comigo própria. Farta de ser o forcado da cara e de não ter alguém que mande a porra de um tiro no boi. Dasse.
Sei exactamente ao que te referes.

E não tens nada que agradecer os elogios. Tu transpiras isso. Nota-se a milhas. Foi uma constatação :)

Gata2000 disse...

Existem diferenças sim sra, e tu Me, mais uma vez estás lá!! Mas sabes que eu acho que para nós é mais fácil lidar com os Bardajões porque somos mulheres e podemos dar-lhes um "taste of their poison". Mas se pensarmos bem, também por sermos mulheres, se quisermos e se formos bem fundo dentro de nós acabamos por tratar muito bem das Bardajonas que se nos cruzam pelo caminho, e metê-las no seu lugar.

K disse...

Não peças desculpa pelo recurso à piada. Não há como nos rirmos connosco próprios! Faço-o muitas vezes porque é uma maneira de relativizar as coisas e tornar a vida mais leve. E ele há coisas que com a devida distância, ou mesmo na altura, são estupidamente cómicas e só dão vontade de rir. Além disso, às vezes eles realmente tem assim uma coisa ou outra que nunca suportaríamos se estivéssemos na posse de todas as nossas faculdades mentais (e não inebriadas com um qualquer cocktail de neurotransmissores). Por outro lado ninguém é perfeito, e nisso não me iludo, e mesmo alguém que faça por nos merecer terá características ou manias que nos agradam menos. Mas isso são outros quinhentos.

Quando chega à teimosia obstinada de perseguir algo que aparentemente só nós almejamos, quando até já deu meio para o torto, quando já se viu (mas não se quer ver) que do outro lado não há tanto assim ou o que há é para alimentar o seu próprio egozinho, sim, parece-me um pouco falta de amor-próprio. E de alguma imaturidade, pela ideia meio fantasiosa do amor, qual livro de cordel, como se fosse uma droga sem a qual não se pode viver. Pelo menos é-o para mim (e em mim), pelo gasto desnecessário de tempo e energia em algo que só existe em mim, pela importância desmesurada dada a um ser que se calhar nem me retribui metade, quando toda a gente já me avisou, quando racionalmente eu até sei que mais vale seguir em frente porque mereço muito mais e melhor.

O que eu realmente desejo, assim como tu, é o equilíbrio, o tal almejado equilíbrio entre o sentimental e o racional que nos permita ver e valorizar o bom (quem nos valoriza e está lá por nós) e cair de pé e não de joelhos em idolatração. Tal como tu acredito. Tenho que acreditar. Até porque as únicas pessoas que podem dar o tiro à porra do boi somos nós próprias!!! E um “amor” pelo qual lutamos sozinhas, não vale a pena, pois não? ;] Se até sabemos o que queremos, se somos gajas inteligentes, já vai sendo altura de não nos deixarmos enganar, certo?

(cada vez tenho mais certezas da minha transparência….pelo menos para as pessoas astutas, ou pelo menos para aquelas que não se cingem à superfície ;] eu cá continuo a apreciar maravilhada a maneira como tão facilmente descreves pessoas, sentimentos e situações. muito bom!)

(acho que me andei a repetir, não? ;p)

Me disse...

Gata 2000,
Acredito que sim. Que cada Bardajona acabará por ser colocada no seu lugar mais tarde ou mais cedo... Interessantemente, não acontece tanto com os Bardajões... Hmmm... São as tais diferenças...

Merda prás Bardajonas e Bardajões. Ehhh. Deviam apanhar uma febre que lhes derretesse as manias todas.

K disse...

O bardajão só é mais aceite do que a bardajona, e menos mal visto, porque continuamos a viver numa sociedade machista. É uma questão de cultura. (para mim são exactamente o mesmo sendo que a diferença reside apenas nos apêndices corporais...)

v. disse...

Porque muito já se disse acerca do assunto, começo este comentário por um clar exagero;

Amiga ME.
(pronto já exagerei)

Tens uma visão dos homens tão negativa como a minha. Mas eu tenho esperança nas mulheres!

E pronto, agora vou ali entalar os dedos das mãos na porta do carro por ter dito semelhante coisa!

Me disse...

K,
Não te andaste nada a repetir… Desenvolveste :) E, ainda por cima, carregada de razão. Arranjar a coragem para darmos o tal tiro… Temos de ser nós. Sim, porque se toda a gente nos avisa e diz e refere e mostra e sei lá o quê e o boi continua lá… é porque o tiro só podemos ser mesmo nós a dá-lo.
Sabes uma coisa, acho que também tem a ver com o facto de nos agarrarmos ao que era e foi bom, e termos a capacidade de algures no meio de alguém, conseguir ver vestígios disso. Conseguimos procurar e encontrar tudo… Mesmo quando não se vê. Vivemos com uma pessoa hoje que já não é o que era e foi e que nunca será o que gostávamos que fosse. Mas que granda merda. E também fazem o mesmo connosco!! Anda tudo às aranhas.
Temos mesmo de parar de nos deixar enganar… Nós é que nos deixamos enganar (nós, pessoas… ambos os sexos). É sempre um risco, ok. Mas, como tu bem dizes… às vezes pura e simplesmente cagamos nisso e saltamos de cabeça e depois… piscina seca. Mas que granda merda x 2.
Eu também tenho cada vez mais certeza naquilo que acredito e quero. Como eu própria disse tão sabiamente: Um amor pelo qual se tenha de lutar até à morte, não vale a pena levantar um dedo sequer.
Conheces algum sítio onde se compre uma 9 mm??? Não??????
:)

2º Comentário teu:
Existe uma diferença cultural sim… Um Bardajão solteiro aos 40 e tal anos é um homem sábio que se livrou de uma vida de merda. Uma Bardajona solteira aos 40 e tal anos é a vida de merda… No fundo, tudo a mesma merda
Beijos para ti, K.

Me disse...

V. - o Exagerado (BLAHHHH!)
Eu não tenho uma visão negativa dos Homens!!! No geral não!!! No especifico e particular tenho algumas visões muito negativas sim! (dos Bardajões atão...) E eu, ao contrário de ti, oh dedos entalados, tenho de facto esperança! Tanto nos homens como nas Mulheres. Estatísticamente falando, esta merda não pode correr SEMPRE mal!! Porra!!

K disse...

Ahahahahahahah! Eu costumo dizer isso do mergulho e da piscina! O mergulho de cabeça que encontra uma piscina vazia e que resulta em bater com os cornos no fundo da mesma. Ahahahahahaha! Convenhamos que se fica um bocadinho atordoado. ;p

Onde se compra armas não sei...de qualquer modo sempre fui mais adepta dos cenários sanguinários e da tortura lenta...eheheheh. Só mesmo em imaginação - lá há um dia que me decido a fechar a porta e depois a vida encarrega-se de se vingar por mim. What goes around comes around. ;]

(aquela do amor pelo qual se luta sozinha não valer a pena foi baseada na tua frase sábia ;] e agora posta lá o meu desafio que eu não tenho problemas com os bardajões e bardajonas ;p)

Me disse...

K.,
Yes Sir!!
Próximo post será o teu desafio. Hoje mesmo fica no ar... Lá mais para a noitinha que é uma hora que ninguem desconfia...
;)

PKB disse...

eheheheh Me... eu, se me deixo entusiasmar, descambo qualquer conversa de bem. Como tu costumas dizer (e acho o máximo esta expressão) Oh valha-me, caredo!!!

Me disse...

PKB,
Hmmm... E se tentássemos algo assim descambado mas de propósito? Tenho o tal inquérito parecido com o teu e agora isto... Hmmm....
:)

Mi espera!

S. G. ex - Fernando Pessoa disse...

agora que este post acalmou um bocado posso responder :-)

acredito que é fácil deitar abaixo um ego, mas não sei se será mais no feminino ou no masculino.

quanto à idade, não foi estratégia porque eu nunca planeei a minha vida dessa forma, sempre a deixei andar, mas se calhar hoje estou solteiro porque não achei importante isso do casamento.

nunca tive grandes sonhos, mesmo em adolescente, sempre acreditei em coisas simples, e no amor, quanto mais simples melhor. sem tabus e sem complexos, é sempre uma luta...

e a minha simpatia é ilimitada, quanto mais para gente simpática :-) e esse é o teu caso.

cheers

Me disse...

SG,
Estava a ver que não respondias…
Egos… Hmmm… São diferentes entre Homens e Mulheres, de facto. Talvez o ego feminino tenha mais pontos para atingir? Daí o dos Homens ser mais fácil… Há menos pontos, logo, mais fáceis de atingir. As Mulheres vão compensando uns com outros. Colocada a coisa de outra forma, o ego masculino manda mais no Homem do que o feminino na Mulher. Penso eu.
A importância do casamento é sempre relativa. Há pessoas que se casam pela importância que o ou a parceira dá à coisa… Como para eles lhes é indiferente… Também nunca me casei. Não dou grande importância ao casamento. Nunca estive com alguém que desse. Digamos que até hoje sempre se juntou o útil ao agradável… neste aspecto pelo menos. Mas, acredito que se tivesse chegado a minha altura, estaria casada, de aliança no dedo… contente da vida… ou não…
Ai o amor… lá estás tu a associar palavras esquisitas ao bichano. Eu entendo o que dizes, de o amor ser uma “ luta”… mas digo-te uma coisa. Cada vez mais estou convencida que não tem de o ser, nem deve de o ser… Não devia haver luta nestas coisas. Eu entendo o que dizes. Entendo. Juro-te. Talvez seja só o meu lado cansado de levar e dar pancada a falar. Quero tranquilidade. Quero sossego. Não quero lutas e estados de alerta e ter que andar sempre atenta a tudo… Quero descanso nesta coisa do amor. Não é assim o amor simples? Gosta-se. Ama-se. Quer-se. O resto? Pouco importa. Desde que as fundações estejam sólidas…

A tua simpatia em dizeres que sou simpática é das coisas mais simpáticas que se pode ouvir :)
Oh eu a receber presentes de natal antes do tempo… ;)
Cheers para ti tb

S. G. ex - Fernando Pessoa disse...

me,

eu responderei sempre (pelo menos até a discussão estar dissecada ao pormenor)

a mulher tem de facto muitos pontos para alegrar o seu ego, tantos que para a agradar é preciso uma ginástica tremenda :-) vai dar áquele ponto que anteriormente já referi (há pontos muito mais erógenos que o clítoris

adiante...o casamento é uma coisa do tipo "tanto se me dá, como se me deu", se fosse uma coisa mesmo necessária não me tirava o sono (assinava o papel e punha a aliança) o mais importante no casamento ou na convivência 24 horas dia é que isso te faça completa, te traga o sossego de que falas...e o amor (já agora convém :-)

quando lia o peúltimo parágrafo, tive a sensação de ter sido eu a escrever tamanha era a coincidência de opiniões...é tão simples não é? respeita-se o espaço de cada um, e assume-se a confiança. não vejo porque se complicam tanto as coisas...

apesar de sermos entidades abstractas, que só existem nos textos, eu acredito que quem defende com tanta convicção certas ideias de que gosto, só pode ser boa pessoa :-) (mais uma prenda)

não te esqueças da minha

:P

kisses

Me disse...

SG,
A volta que deste entre o ego feminino (‘tas a ver… afinal é verdade) e os pontos erógenos para além do clítoris está excelente! Hehahehaheha!!! Digamos que somos mais sensíveis, em todos os aspectos, do que vocês….
Continuo a achar que o casamento é coisa esquisita… Dou muito mais valor aos que acontecem sem alarido… quase sem ninguém saber… Aqueles que acontecem porque é a forma mais visível de duas pessoas se unirem. Há tantas razões pelas quais as pessoas se casam. Eu continuo a preferir a minha visão mais “sentimentalizada” da coisa (como diz a K). E sim, sem amor… aquele amor como deve ser… Não vale mesmo a pena.
Sabes porque é que o pessoal complica? Porque não conseguem entender o simples. Acham que se algo é simples, não é verdadeiro… Não pode ser, né? Quando a esmola é grande… E às vezes, mas só mesmo às vezes, as coisas são como parecem. Pena é nem sempre conseguirmos ver isso. Mas pronto.
Só posso ser boa pessoa, huh? Vejo que andas com o espírito natalício em alta! Muito generoso… Gosto particularmente de teres colocado as coisas nos termos “toma lá, dá cá”… Batoteiro… a apelar ao sentimento de justiça de uma pessoa…
E sim, defendo o que acredito porque tenho perfeita noção que se não o fizesse, estaria perdida. Como mais poderia eu saber o que sou e quem sou?
Beijos para ti
(depois vemos isso dos presentes de natal… já tens a árvore montada???)

PKB disse...

E ainda temos a novela na passaroca... eheheh =)) Isto tá bonito, tá!

Me disse...

Podes crer, PKB. Podes crer... Mais que bonito! Está LINDO!!!
:)

S. G. ex - Fernando Pessoa disse...

antes de qualquer avanço naquilo a que vocês apelidam de "isto está a ficar bonito, está", gostaria de deixar bem claro que eu não sou simpático (ou não ofereço nada) à espera de algo em troca. falei da prenda que tinha pedido ao pai natal (no teu post subsequente) que reza assim

"já pedi ao pai natal uma foto tua. mas em condições de ser analisada convenientemente. vê lá se o vês por aí "

assim, esclarecido o assunto relativo à minha genuina veia altruísta, peço que me expliquem essa da novela na passaroca (era uma boa acção da vossa parte).

há mulheres que têm mais pontos erógenos do que outras, e, se forem bem trabalhados, quando se chega ao clítoris já não há mais nada a fazer...

quanto ao casamento estamos entendidos...eu aceitava se fosse com alguém com quem eu estivesse muito bem...

tenho pena mas não sou homem para o natal, adoro dar prendas às minhas sobrinhas (ui...só agora dei conta que estou a ficar para tio :-) mas depois de muito pensar decidi não comprar nada para oferecer a mim próprio. se reagir mal, vingo-me nos saldos...

ficava mal se deixasse um beijo sem pedir outro em troca?

:P

Me disse...

SG,
Looolol!! :)
A novela na Passaroca... :) Tens de ir ao Blog Passaroca Knows Best para veres o desenlace da coisa... A PKB tem uma imaginação muito fértil... E depois ainda arranja quem a ajude.

E a ver se páras de falar de clítoris e pontos erógenos e trabalhar tudo na mesma frase! Bolas! Eu uma vez tentei deixar aqui uma história pseudo-erótico-pornográfica que correu mal... E depois, da forma como falas, qualquer dia tens aqui pessoal ou a pedir-te dicas, ou a pedir-te pormenores, ou pedir-te o número de telefone!!! AI!!! ;)

E não, não te fica nada mal deixares um beijo sem pedires outro em troca. Seria como eu pedir ao Pai Natal uma foto tua sem primeiro enviar a minha... :)

Vês? Isto está bonito, está!
Beijos (não em retribuição aos teus, note-se... mas sim porque sou, de facto, simpática)
:P

S. G. ex - Fernando Pessoa disse...

minha queria,

(comentar depois da tempestade tem mais piada, dás-me mais atenção :)

vou passar no blog para verificar essa novela (quando li passaroca pensei noutra coisa :)

prometo não falar mais com texto corridos, sobre coisas que se podem imaginar, principalmente erógenas. não quero mesmo dar dicas sobre o que continuo a achar que sei pouco, mas sei uma coisa, cada mulher é uma aventura especial, uma descoberta. se pensas que sabes tudo, fodeu-se (ups...primeiro palavrão).

eu acho que o pai natal este ano vai ser mesmo generoso :-) espero q sim...se ele for generoso comigo eu vou ser muito melhor daqui pra frente (ve se o ajudas :-)

agora estou a processar esses últimos beijos...

pronto deixo um beijo num sítio muito especial que nunca adivinharias onde :P

Me disse...

SG,
Pois tem mais piada… Agora parece que o post e comentários são só nossos…
Em relação ao Passaroca… pensaste bem de certeza. Começou comigo a utilizar a palavra Patareca e a PKB a baralhar tudo e a dizer Passaroca. Colou. :)
Ai os palavrões… És novo aqui no blog ou então não tens visto outros textos… Digamos que a utilização de todas as palavras do dicionário é, aqui, muito bem-vinda. Mas continuo uma Senhora, foda-se!
Vou sim ver se ajudo o Pai Natal. Coitado… com aquela idade… bem que precisa de uma ajudinha :)
Vai lá processar beijos que eu vou continuar a adivinhar :P