24.10.12

História de Embalar.

imagem: google


Isto não tem andado fácil.
No essencial, tem estado tudo na mesma (tirando o facto de haver pouca coisa que me apeteça, incluindo visitas mais assíduas aqui ao estaminé). E é precisamente esse o problema. Tudo na mesma.
Quer dizer… Não. Não está tudo na mesma.
O que dantes eu achava completamente impossível começa agora a tomar a forma de algo bastante real e, infelizmente, quase inevitável.
Emigrar. É-mí-grar. Só de escrever a palavra fico meio enjoada.
E porque não o quero fazer? Porque já o fiz.
Fui, aos quatro anos, levada deste país para outro pelos meus pais. Um daquelas que fica muito longe. E foi esse país que me fez e criou quase como se fosse uma Mãe adoptiva simpática e benevolente que trata de igual forma todos os seus filhotes, sem olhar a cor de pele, idade ou proveniência. E andámos, os quatro (tenho uma irmã), durante uns belos anos, a chamar “casa” a Portugal e a fazer casa por lá. Nem dum sítio, nem doutro. Sempre ali ao meio.
Voltámos, uns dez anos depois, porque aquela, em verdade, não era a nossa casa. Era de cá que éramos, que sempre fomos. Os primeiros tempos no país deixaram isso bem claro – quatro alminhas, duas delas minúsculas, à aventura num país onde não se falava a língua, não se tinha onde viver, não se tinha trabalho, não se tinha nada a não ser umas garantias de ajuda por parte de instituições sociais. Fomos, vivemos e quando chegou a hora, voltámos. Dissemos adeus à Mãe adoptiva, agradecemos a hospitalidade, pegámos nos certificados de nacionalidade e, de novo com as vidas empacotadas em meia dúzia de malas de viagem, voltámos para a Mãe biológica de braços abertos e cheios de saudades do que era bom. A comida… ahhh, a comida. Nada se compara, vos garanto. De resto? Há pouco mais que possa dizer ser melhor cá do que lá. Mas viemos e o objectivo era ficar. De novo emigrantes mas desta vez, no próprio país. Habituei-me a isso, de não ser de lado nenhum em concreto. A minha identificação cultural, de valores, princípios e, de certa forma, social, mais parece uma manta de retalhos. Vou buscar um pouco daqui, um pouco dali e lá me vou mantendo minimamente integrada onde preciso estar.
Nunca foi, até há pouco tempo, uma opção plausível voltar para a Mãe adoptiva com uma expressão de “mea culpa” na cara. Nunca foi, não era e, de certa forma, continua a não ser. Mas é. E isso deixa-me doente.
Os meus pais voltaram para cá depois de dez anos num país que, ao menos, nunca nos cortou as pernas, na esperança de as filhas (e eles próprios) puderem fazer algo mais no país que os viu nascer e aprender a andar e falar. Na altura, há 30 anos, Portugal não era o melhor dos anfitriões para quem quisesse construir vida e, ainda por cima, tivesse duas crianças pequenas. A pensar em nós, foram e depois de novo a pensar em nós, voltaram. Formamo-nos cá. Começámos a trabalhar cá. Aprendemos as coisas da vida cá. E, durante tudo isto, sentíamos que era por cá que tínhamos de estar, na nossa língua, na nossa terra, com a nossa gente, tradições, cultura, família… tudo o que lá nos diferenciava, cá abraçava-nos. Emigrar? Outra vez? Não. Custa demasiado. Dói. É duro. O lado emocional da coisa, para quem nunca experimentou, é dolorosamente cruel.
Desde que cá estou que sempre ouvi, sempre me perguntaram porque não voltava. E eu sempre respondi que não, quase de mão no coração e de lágrimas nos olhos enquanto imaginava a bandeira portuguesa a flutuar numa gentil brisa e ouvia o hino baixinho nos ouvidos. Sou Portuguesa, pertenço cá, daqui ninguém me tira. Finquei pé até ficar com a leve ideia de que ou era muito mais Portuguesa que o resto dos Portugueses ou, então, havia realmente alguma razão para cá não dever estar. E ainda que essa parte racional da questão sempre tenha prevalecido na famosa contagem de prós e contras (o melhor sistema financeiro do mundo, segurança social, edução, saúde… é o que se quiser), na parte emocional, nada se compara. Nada. Sei bem o que é não se ser do sítio onde se está e tal, acreditem, não é das melhores sensações que se possam ter.
E agora, a pensar nos meus pais que me sustentam, na família que se preocupa, nos amigos que não entendem por que carga de água ainda cá estou quando tenho uma saída tão fácil na mão, começo a pensar de forma muito séria sobre ir-me embora.
Penso em mim e no que têm sido os últimos dois anos e meio. No que perdi, no que perdi de mim mesma por ter levado com tantos nãos, tantas negas, por me terem feito sentir que não sou suficiente e não presto. Penso no dia em que me inscrevi para receber o subsídio de desemprego e no dia em que o mesmo acabou. Penso nas contas e no raspar o tacho para ver se não tinha de pedir ajuda e sobrecarregar mais alguém. Penso em mim e sinto-me empurrada contra uma parede, quase como se testassem esta minha crença em ser Portuguesa e em tudo o que isso significa e representa. Penso em tudo o que vejo no dia-a-dia, nas notícias de mais desemprego, mais falências, mais fome, mais miséria, mais de tudo aquilo que não devia existir sequer. E penso e penso e penso.
E depois penso nos filhos que ainda não tenho. Penso neles e tento imaginá-los cá. Penso neles e no tipo de Mãe que teria de ser para que a vida deles fosse minimamente decente. Penso neles e, de coração a arrebentar, imagino-os a crescerem nos sítios onde eu cresci, a receberem a educação que eu recebi, a terem as experiências que eu tive e percebo que nenhuma das que fazem real diferença, foram cá. Eu cheguei (voltei) cá já feita. E ainda que isso me sossegue, deixa-me absolutamente revoltada sentir que, trinta anos depois, Portugal está em exactamente o mesmo sítio, o que levou a que um casal com vinte e dois e vinte e seis anos com duas filhas deixasse tudo para trás para lhes garantir mais do que a semana seguinte.
Destrói-me por dentro conhecer a dor que foi para os meus pais tomar esta decisão. Corrói-me pensar constantemente nisto. Mata-me pensar que a única maneira de eu me manter Portuguesa é noutro país. Cá não somos nada. Nada. Nem Portugueses. Somos o “povo”. Somos outra coisa qualquer que apenas conta como estatística, como fonte de rendimento para uma classe soberana gulosa e viciada que deixou o vício ir longe de mais. E isso, para quem pertence a um país de alma e coração, não chega. É vergonhoso. É algo impossível de explicar por palavras.
Se me for embora, ao menos terei oportunidade de voltar a adorar o meu país. Talvez, se estiver longe de quem o mata e sangra, possa voltar a vê-lo como dantes via, como a Pátria-Mãe que me deu o nome e a raça que mais nenhuma do mundo poderia dar. Mas, acima de tudo, se me for embora, poderei ensinar aos filhos que um dia espero ter o que realmente é o meu Portugal, sem ter que me referir a quem o destruiu ao ponto de passar a ser apenas uma história de embalar para criança dormir.
Nunca serei capaz de descrever as saudades que tenho do país que nunca cheguei bem a viver. É uma saudade visceral, doentia. Tem sido ela a que me tem mantido cá mas, ironicamente, é provável que seja precisamente ela a que me faz ir embora. De novo. 

9 comentários:

Irremediavelmente Inconformado disse...

eu nunca gostei de portugal porque nunca me orgulhei de portugal nem nunca me identifiquei com a mentalidade. ja emigrei 2 vezes... a 1ª em 2006 e voltei em 2007 e a 2ª em 2011 e ainda nao voltei... e por este andar nao volto tao cedo! sempre emigrei por opçao e nao por necessidade, emigrei com dores. dores na mente, dores de me sentir "pequenino" com tanta gente pequenina de mentalidade pequenina nesse pais... e claro,a curiosidade de conhecer o mundo e de nesse pais a vertente financeira nao ajudar em nada o meu sonho, foi claro um grande catalisador...
compreendo o que dizes embora nao me identifique a 100% com o que esreveste.
boa sorte, seja qual for o caminho que escolhas!

Me disse...

Ahhhh... a mentalidade portuguesa, essa coisa linda. Não a tenho, mas sei conviver com ela (não sou de cá, remember?).
A ti, meu caro, também só posso desejar sorte. Da boa.
:)

Quase nos "entas" disse...

Já emigrei por um sonho....e nao por trabalho...
não tenho espirito de emigrante, mas por uma causa muito importante faria de novo.
Mas este não é so o meu país...é onde estão as minhas raizes....a minha familia.... e aminha casa é onde eles estiverem!
Beijinho

Me disse...

Quase nos "entas",
Pois, bem sei. O meu país também é feito de tudo isso. Já tive a minha família dividida ao meio durante muito tempo (ainda está). Não me apetecia nada dividir ainda mais. Mas, é como dizem, a necessidade é a Mãe de todas as invenções...
Obrigada pelo comentário :)

Um gajo qualquer... disse...

Se tens capacidades vai!!
Vai mas regressa! Regressa com filhos educados com uma mentalidade diferente, com uma experiência de vida que ajude o nosso Portugal a mudar, principalmente a melhorar!
A nossa crise tem que acabar, e não falo da crise financeira, falo da crise de valores que nos vai assolando para mais de 40 anos.
Desejo-te a maior sorte do mundo, da boa como dizes! ;)

Me disse...

Um Gajo Qualquer,
Pois... há sempre a hipótese de ir e depois voltar. A merda é decidir ir... Decisions! Decisions!
Também a ti, a todos nós, desejo a maior das boas sortes do mundo :)

tcp disse...

Me
O meu marido passou por essa decisão há quase 4 anos atrás e custou-lhe imenso sair, deixar-me e ao nosso filho, muitas vezes dizia que se fosse solteiro seria bem mais fácil.
A solidão de outro pais enquanto se está em fase de adaptação é difícil, muito difícil, mas quando se começa a fazer amizades novas atenua um bocadinho essa solidão.
O skype também ajuda para quem vai e para quem fica, um clique e a distância desaparece mesmo que seja por pouco tempo.
Eu no teu lugar ia, se esse pais te vai realizar profissionalmente e fazer com que deixes de depender de terceiros (neste caso dos teus pais, que mesmo sendo “o nosso porto seguro” acaba por nos pesar na consciência e coração).
Lembra-te de ti e no que de bom esta experiência te pode proporcionar.
Eu só te desejo tudo de bom. E claro que continues com este cantinho.

Beijo enorme de quem te lê há muito tempo e te considera uma “amiga” mesmo que seja apenas virtual.

Me disse...

Oh tcp...
Porra, pá
:)

Se fosse uma decisão completamente racional, já teria ido há um ano atrás... Mas não é (ou, pelo menos, eu não a consigo ver assim!)
E sim, cá temos os tais portos seguros, mas esses, de vez em quando, também se cansam...
Obrigada pelo teu comentário. Beijo/abraço enorme para ti e o teu filhote.

O Tarado disse...

Vai-te embora bardamerda. Estás em PT a fazer o quê? Porra que és burra. :)