30.10.08

Mau.

imagem: google Mau. Mau, mau, mau. Mas que raio de ideia é essa de que duas pessoas, um homem e uma mulher… um gajo e uma gaja, não podem ser “amigos” sem que haja lugar a mais qualquer coisita? Desde quando? Desde quando é que o facto de se estabelecer uma amizade com uma pessoa tem de desembocar em quecas e beijinhos e abraços? Querem lá ver que agora todos os gajos que se conhecem são logo automaticamente elegíveis para a lista de possíveis quecas? Pronto. Ok. Compreendo que para os homens… desde que respire e não tussa assim muito, passa logo para a tal lista (hihihihihih!!), mas bolas, pá. Onde é que está escrito que duas pessoas não se podem conhecer, trocar umas palavritas, conhecerem-se melhor e pronto? O que eu gosto mesmo é daquele pessoal que se mete logo a justificar ahhh e tal, tenho namorado/a… E? Se não tivesse, marchava? Ou ter namorado faz com que não se comunique com mais ninguém? Dizem-se estas coisas porquê? Para não dar esperanças à outra pessoa? E se essa pessoa nunca teve esperanças de nada sequer?! Mais engraçado ainda é o pessoal que perante uma explicação da existência ou não de uma relação, vai e responde: Ahh! Eu também! Pronto! Ilibados! Como ambos tem alguém, AÍ já não faz mal falarem-se. Oh, valha-me caredo. Como se isso contasse para alguma coisa…. Infelizmente. Minha gente. Um homem e uma mulher podem relacionar-se, serem amigos, whatever, sem que haja nada “in between”. Sim! É possível!!! Porra, pá!

20 comentários:

O inconformado disse...

«...Um homem e uma mulher podem relacionar-se, serem amigos, whatever, sem que haja nada “in between”. Sim!...»

Hmmmm... se não houver nada "in between" é que pode haver problemas... é para isso que servem as roupas, cêêêêêêêrto? :P :P

Ana disse...

Como eu te percebo! Sempre tive amigos do sexo oposto e com os quais nunca "rolou" nada. Há pessoas que ficam espantadas com estas minhas amizades puras. Gentinha com mente conspurcada!!!

Me disse...

Inconformado,
Ok. Boa perspectiva da coisa.
Vamos lá analisar se é possível.

Surge a necessidade de vestimenta quando o homem lá no neolítico (whatever) começou a reparar que devido ao frio, o seu instrumento de fertilização ficava mais pequeno. Não haveria problema com isto não fosse o facto do Mulherio não aceitar a tal desculpa “Está tanto frio, querida… aquece-me e vais ver!”. Inteligente como é, a Mulher do neolítico adoptou a mesma política e passou a recusar tentativas de aquecimento com base no facto de agora possuir pele de leopardo (sexy) para se manter quente. Tapados os corpos, aniquilado o frio, o homem lá percebeu que esta coisa da roupa, de facto, mete-se entre um homem e uma mulher.

De repente, o Homem viu-se sozinho, abandonado ao fundo da caverna enquanto as Mulheres inventavam agulhas e bolsos e lá iam fabricando novas peças de roupa. Lá foram inventando e inventando e às tantas já havia marcas e peças must para cada estação. Foi por esta altura, depois de terem descoberto a escrita, que se inventou a Máxima, a Vogue e a Cosmopolitan. Que melhor forma haveria de transmitir o melhor que se fazia em cada tribo?

Depois de se ornamentarem, as Mulheres lá se deram conta dos montes de pele ao fundo das cavernas e começaram a querer melhorar o aspecto dos Homens. À primeira, recusaram. Mas depois lá viram que seria a única forma de se aproximarem mais das fêmeas. Assim, lá foram tomar banhoca ao rio e lá trocaram a pele de macaco por uma pele de leão ou mamute. Reparam que agora as Mulheres já não fugiam deles como dantes. Iniciou-se uma reaproximação. Funcionou. Foi assim que se tornou possível estarem Homens e Mulheres sentados à volta da fogueira a trocarem histórias sobre a vida do dia-a-dia. Foi também assim que se descobriu que afinal o Homem ou a Mulher não servia apenas para procriar, sendo que, de um modo muito peculiar, cada uma era diferente, gostava de coisas diferentes, tinha personalidades diferentes, gostos diferentes, etc. Perante esta iluminação, começaram a perceber que não gostavam de todos os elementos da caverna. Que havia uns de quem se gostava, outros que não. Começaram a surgir os grupos. Por interesses e formas de estar comuns, criaram laços uns com os outros, independentemente do género. Homens trocavam ideias sobre como bem assar uma perna de elefante com as Mulheres e estas, por sua vez, mostravam como era fácil lavar aquele bocadinho de pescoço que os Homens insistiam ser inacessível. Foram-se construindo laços. Foram construindo uniões. De vez em quando, lá surgiam aqueles que queriam mais e, com base nisso, arranjam umas folhas de palmeira e fechavam uma zona da caverna só para eles. O resto do pessoal, lá se foi dando e vivendo.

Por isso, Inconformado, a roupa, assim sendo, é factor que aproxima Homens e Mulheres… que aproxima pessoas… que permite criar-se amizades e laços.

Agora… também é certo que às vezes a roupa apenas atrapalha… mas isso já são outros carnavais… E não, não é por me aparecer uma gajo nu à frente (ou por eu aparecer nua à frente de um gajo) que há-de acontecer alguma coisa... A roupa não é protecção... pelo menos não NESSE sentido.
:)

Me disse...

Ana,
Podes crer. Como se as Passarocas deste mundo não conseguissem sobreviver a um "Tão, tudo fixe, miuda?"
Ehh.
"Conspurcada" é uma boa palavra.
:)

O inconformado disse...

Sinto-me honrado por tal resposta à minha "ultra-mini-micro-provocação" :)

Então não eu que eu até sei que não basta o pessoal estar em pelota para que os genes comecem a executar a sua programação? :D é preciso algo mais do que isso, tipo: um bom jantar regado com um bom vinho ou... falta de sexo mesmo :D hehehehehe

Me disse...

Inconformado,
Sou uma exagerada. É verdade. Deu-me para aquilo! Eu é que agradeço a inspiração!
Gostei da cena dos genes serem activiados com vinho. Explica muito sobre muita gente
:)

Vitor disse...

Da mesma forma que é possivel que Cristo desça à terra novamente!

Me disse...

Não me surpreende nada essa tua afirmação de descrente, mas pronto. Já estava à espera...
Ehhh.
Sugiro apenas que tu, caro Vítaro, te mantenhas vestido o mais possível, evites beber vinho e que, caso Cristo desça à terra, lhe mandes cumprimentos meus
:)
Tu és lixado.

O inconformado disse...

Ah! Há outra forma de um gajo e uma gaja serem amigos sem que acabem embrulhados nos lençóis ou em cima do capot do carro (http://www.sejahomem.com/index.php/Dicas-sobre-sexo/Posicoes-sexuais-no-carro.html)

Qual é? Bom... quando o gajo é gay! Além da amizade a gaja ainda consegue arranjar uma excelente companhia para as compras e para discutir os acontecimentos das 300 novelas que passam actualmente nas nossas televisões e como bónus ainda ganha um "fashion advisor" completamente grátis! Uau!!!!

(e que tal esta provocaçãozinha-parte-II? :D)

Me disse...

Mau. Não aceito que a cena dos genes e da sexualidade se tenha de intrometer em tudo quanto seja relacionamento entre Homem e Mulher.
É claro que se deixarmos, se procurarmos isso, se olharmos para uma pessoa de quem gostamos e que conhecemos e se mudarmos a cor das lentes, podemos começar a olhá-la de outra forma... a colocar hipóteses que, de outra forma, não colocariamos. Mas, bolas. É obrigatório isso? Olharmos toda a gente como potencial "parceiro" (seja do que for?)?
É tão mau assim o pessoal ficar-se por uma amizade?
A serio. Não vejo de que forma os genes... os tais que se activam com vinho e falta de roupa,têm de estar sempre TÃO presentes em tudo o que fazemos... Só isso.
Ehhh...
Admito até que tudo isto não seja fácil de gerir... Mas, bolas. Parece que estamos condenados!! Não gosto dessa sensação...
'Brigada Inconformado... pela visita e pela provocação...
:)

K disse...

Fico feliz por encontrar mais uma alma com os mesmos pontos de vista! É que por vezes também eu desespero com a quadradice da mente da maior parte das pessoas (tanto homens como mulheres). Ele há gente muito limitada, não há? ;p (limitada e formatada e incapaz de ir além do estabelecido...coisinha feia!)

Me disse...

K,
Podes mesmo, mesmo, mesmo crer. E chateia-me.
Quantas vezes não te insinuam que estás interessada numa gajo qualquer só porque trocaste mais do que duas palavras com ele? Ou que ele estará interessado em ti porque fez o mesmo? É tão redutor, bolas. Tão limitado mesmo. Parece que tudo quanto acontece tem "quero quecas!!" nas entrelinhas. Não é verdade!!!
Oh, pá.
Tankiu pela visita :)

Nuno T disse...

Mas quase que parece que há pressões para que isso aconteça!
-Qualquer dia um gajo conhece uma gaja e ficam amigos.
-Ele (ou ela, daqui pra frente dá para os 2 sexos) conta aos amigos.
-Os amigos dizem: então, ainda não a papaste?
-Ele diz que não! Só que ser amigo dela, mesmo sendo ela ultra boa.
-Os amigos chamam-lhe roto e dizem que ela está a pensar o mesmo.
-Ele, por pressões alheias e medo de passar por coninhas à frente dela, investe.
-Ela diz que não está interessada, que o vê como irmão.
-Ele, visivelmente contente, diz que ainda bem que assim é! Pois também não queria nada com ela, era só para tirar dúvidas.
-Ela diz fixe. Mas fica a pensar porque é que ele não estaria de facto interessado nela. Que defeitos ela teria?

E seria um ciclo vicioso! :p

bjinhos***

Ana disse...

A resposta ao inconformado devia ser transposta para texto principal no blogue =)
A história está bem conseguida.

Acrescentaria que depois os homens começaram também a querer ter certos complementos que as mulheres já tinham há muito tempo, que começaram também a usar crémes e a fazer depilação e que além das receitas de perna de elefante começou a haver discussões acesas sobre quem tinha acabado o esfoliante e não comprou mais e quem é que ia marcar a depilação na esteticista nessa semana.

Ah... e pelo que vi há umas semanas no Expresso, também vai começar a haver disputas sobre as malas... (sim, malas giríssimas, muito femininas, mas que agora também são para homem...).

Amiga, este texto teria continuação e devias abrir um desafio para o pessoal fazer um contributo a este texto. Palavra!

Ao,inconformado:
Por acaso tenho amigos gay e são realmente uma óptima companhia para tudo: ir às compras, ir jantar, ir ao cinema, ir a uma discoteca, ir a um bar, falar de namorados, falar das amigas,... são amigas com pénis mas sem o "bitch" factor! =)~

Victor:
Triste com o fecho do teu blog. MUITO triste! :((
Reconsidera, tá?
Beijo! (vês o que fizeste? puseste-me aqui a mandar-te um beijo... coisa que nunca tinha feito antes).

Beijinhos ME! (Vejo que a "passaroca" colou heheheh)

Me disse...

Nuno T,
Tens razão. É assim que funciona de facto. Tirando talvez a hipótese de as gajas partirem logo do princípio que um gajo é roto quando não tem interesse nela... Acho que partem logo para a outra hipótese que colocaste: Mas que mal tenho eu???? E depois isto faz com que haja um esforço para contornar isso, parte-se para o ataque. Depois de semi-conquistado o especimene, acabam-se as dúvidas sobre o "auto-valor" e lá se consegue finalmente dizer: "não, pá. Só quero ser tua amiga..."
Ai, ai. Andamos sempre às voltas, corremos e gritamos e barafustamos e choramos e rimos e tudo e tudo e tudo e depois, acabamos sempre no mesmo sítio - perdidos nas nossas cabecinhas e sem saber para onde ir. Ehhh. Canseira!
Obrigada pela visita
:)

Me disse...

Ana,
Loolol!! É verdade o que dizes... Esta cena de os "territórios" femininos andarem a ser como que invadidos pelos homens é uma confusão...
Vamos ver se me bate alguma inspiração para lançar aqui um tópico de discussão para o pessoal libertar os pensamentos...

E sim, Passaroca colou mesmo :)
A palavra faz-me sorrir :)

K disse...

Bem, eu não concordo assim tanto com o Nuno T (embora tenha percebido o que ele tenha dito e saiba que tal também acontece): acho que se insere no tipo de pensamento redutor - se eu conheço uma pessoa que é do sexo masculino não estou à espera que se interesse por mim só por ser do sexo oposto. Aliás, como o meu interesse nele é como pessoa e não como gajo até agradeço que não haja qualquer interesse do género (o que acabaria a ser constrangedor). Lá está, esse tipo de coisas só acontece a quem acha, nem que seja só inconscientemente, que entre homem e mulher tem que se passar mais qualquer coisinha que não seja amizade...e isso chateia.

Quanto ao facto de os homens invadirem os territórios femininos também não me faz confusão porque a mulher já o fez inversamente e continua a fazer o mesmo. E relativamente à questão de que um bom amigo homem tem que ser gay.....naaaaaaaaaa! Gracinhas ao senhor tenho bons amigos com quem consigo falar de tudo! Mas eu também não vejo novelas nem sou fashion victim...e como costumo dizer falta-me paciência para muita gaja que aí anda...

Tal como já disse neste blog, no dia em que nos passarmos a ver apenas como pessoas que somos independentemente dos géneros sexuais, no dia em que tivermos um maior equilíbrio entre a parte feminina e masculina, deixará de haver tantos conflitos e parvoíces...

Me disse...

Olá K,
"se eu conheço uma pessoa que é do sexo masculino não estou à espera que se interesse por mim só por ser do sexo oposto. Aliás, como o meu interesse nele é como pessoa e não como gajo até agradeço que não haja qualquer interesse do género (o que acabaria a ser constrangedor)." EXACTAMENTE!
É no mínimo constrangedor perceber que do outro lado as tais hormonas estão activas só porque sim. Mas isso também depende dos gajos... e das gajas... A fome é um excelente tempero... ;)
Mas sim, quando efectivamente nos vermos mais como "iguais", talvez as coisas se tornem mais puras (será esta a palavra?)... mais reais... mais simples.
Vivo bem sem namorado... agora, sem amigos e amigas ... eh, pá. É diferente!
Como sempre, obrigada pela tua persepctiva tão "down to earth"... muito refrescante
:)

K disse...

Não carece agradecimento querida. ;] E sim, concordo contigo. Embora sinta que parte de mim está em falta, consigo viver bem sem namorado. Agora sem amigos, sem abraços e sorrisos, sem qualquer tipo de amor...isso é que não!!

Me disse...

(segredo... tb sinto que parte de mim está em falta sem amor de namorado... shhhhhhhh....)