10.7.12

Prémio para 1º Lugar - Quero um Engate só para Me

imagem: google 
Para o vencedor do "Quero um engate só para Me", um engate resposta, qual despique.
Emanuel, parabéns. 


Sendo agradável à vista e suave nos restantes sentidos, aproximar-me-ia de ti, devagarinho, como quem não quer a coisa, mas querendo-a, ansiando-a até, mas nunca revelando-te tal facto.
Aproximar-me-ia, devagarinho, tentando, de alguma forma, captar um pouco do ar que te tenha passado por cima, por entre a roupa, junto ao peito, pescoço… fosse de onde fosse, para poder respirar e inspirar-te, saber-te pelo cheiro, pela reacção provocada em mim. Depois, devidamente inspirado, respirado, tomaria em atenção outros pormenores. As mãos… Conseguiria imaginá-las a percorrerem-me o corpo? A agarrarem-me? A puxarem-me contra o teu peito? Seria capaz? Calma… Sim, conseguiria. Calma…
Os teus olhos receberiam especial atenção logo de seguida. Inquisitivos ou nervosos? Atentos ou dispersos? Suaves e gentis ou duros e perscrutadores? Iriam perceber que te olhava de forma tão intensa ou nem dariam pela minha presença ali tão perto?
A boca. Carnuda e voluptuosa ou de lábios finos e envergonhados? Conseguiria imaginá-los a dizerem o meu nome? A chamarem-me? A aproximarem-se para… Calma. Calma. Conseguiria. Sem calma.
Não diria uma única palavra. Ficaria ali, pacientemente paciente, à espera que desses por mim, que me olhasses e entendesses que, se ali estava, era porque já tinha visto tudo o que precisava ver para poder passar a começar a saber o resto, o que interessa saber.
E darias por mim. Olharias. Muito. E irias querer falar mas não te deixaria. Irias querer estragar o momento perguntando-me o meu nome ou cumprimentando-me. Não. Shhhh… Levaria a mão até à tua boca, tapando-a suavemente enquanto te sorria com o olhar. Tocar-te-ia nos lábios, sentindo neles as certezas que os olhos já me tinham garantido.
E ali ficaríamos durante longos minutos, apenas olhando e tentando decifrar cada inflexão do olhar, cada movimento, cada respirar mais fundo, cada semicerrar dos olhos.
Depois de nos entendermos neste silêncio em que tudo é dito e deixado por dizer, aproximava-me de ti, encostando-me, enterrando a cara no teu pescoço, respirando-te de perto, lutando contra a vontade de abrir a boca junto da tua pele para te saborear. Resistindo com todo o meu ser para não te provar logo ali, sem mais nem menos.
E tu, percebendo e sentindo o mesmo, porias uma mão na minha anca e puxar-me-ias para junto de ti, obrigando-me a respirar-te ainda mais fundo. Não falarias. Nem eu falaria.
Não iria haver necessidade disso.
Viravas-me ao contrário, aninhando-me de costas em ti e levar-me-ias dali, guiando os meus passos com os teus. Encostarias a tua boca ao meu pescoço, respirando fundo para que te sentisse ali ainda mais junto de mim, quente e tão próximo que nos diria um corpo só. Entrelaçaria a minha mão na tua, entregue a ti, e iria contigo fosse para onde fosse, disposta a descobrir o resto de ti e disposta a deixar-te descobrir o resto de mim. Mas não haveria dúvidas.
E nem uma palavra seria partilhada entre nós. Não haveria necessidade disso.
Ali não.
O resto depois logo se via. Sem pressas e sem medos, o resto depois logo se via. 

8 comentários:

g2 disse...

Fogo... É preciso tanta coisa?!

Nem pensar... "Anda daí magana" chega muito bem!

Me disse...

Oh, g2... esta malta nova tem a mania... Tem de ser tudo muito rebuscado! ;)

Quase nos "entas" disse...

Olha...tá bom sim senhora!!
:)

A. disse...

Mais uma vez em grande estilo.

Me disse...

Vocês são demasiado simpáticos.
Note to self: Nunca mais escrever posts sob efeito de minis...

Gonçalves disse...

Parabéns ao Emanuel. Sem ressentimentos. ;)

Me disse...

Gonçalves,
Estou em crer que ele se estará pouco a cagar, mas vá...

Emanuel disse...

Antes de mais quero deixar o meu pedido de desculpas pela minha longa ausência, por motivos de férias e posteriormente, de trabalho acumulado devido a um colega que está e estará hospitalizado, ainda sem se saber se mais 3 semanas ou mês e meio.

Quero ainda agradecer o atributo de do 1º lugar numa "competição" empolgada e que apesar de conturbada com algumas mínimas quezílias entre os participantes, teve como positivo, a intercomunicação entre os demais "membros" que visitam este espaço. Eu, em outros momentos mas pelos mesmos motivos, as quezílias, também me fizeram um acompanhante dos assuntos aqui lavrados e me proporcionaram esta gratidão que tenho para com todos vós, especialmente o Sr. Gonçalves e a Menina Rebelde, com quem troquei mais afinco nos meus dizeres.
A Todos, mas a eles em particular, os meus votos das maiores felicidades e do melhor que a vida lhes possa proporcionar.

Tive ainda como prémio consolação, o prazer de ler mais uma das maravilhas que são escritas neste blog, por uma autora que desconheço e que com o seu tempo, espero que esse mistério desvaneça e possa ter o prazer de dizer, que sou amigo desta Senhora, que tem tanto de rebelde como de carinhosa.

Lamento não ter tempo, e provavelmente capacidade, para devolver tal tributo com palavras tão majestosas e divinais...

Os meus mais profundos agradecimentos e...

Beijinhos Menina Rebelde