7.12.09

Se...

imagem: google
Há uns tempos atrás, escrevi (em blog alheio) que nas questões do amor, há sempre uma responsabilidade por parte de quem aceita ser amado por alguém. É preciso saber amar e saber deixar-se amar. Nem todos sabemos fazer isto, infelizmente. Nem é uma questão de dar e receber ou dar para receber… nada disso. É permitirmos que alguém nos ame. Aceitarmos isso para nós, assumirmos isso para nós, fazermos desse amor parte do nosso ser, tal como fazemos do amor que temos pela outra pessoa uma parte tão importante de nós. É, para mim, mais difícil aceitar que alguém nos ama do que aceitarmos e admitirmos que amamos alguém (podemos até ser os únicos a saber…). É uma responsabilidade muito grande. Sabermos que temos esse tipo de poder sobre alguém. Que uma palavra mal dita pode magoar, que um simples olhar pode alegrar, que um singelo toque pode reconfortar a alma. Sabermos isto e integrarmos isso em nós obriga-nos a certas coisas, a certos cuidados. Quem ama, cuida. E se nos sabemos e sentimos amados, mais há a cuidar ainda. Temos que cuidar da doçura no olhar de outra pessoa, não deixar que isso nos assuste… sabermos que é amor naquele olhar… cuidar do significado daquela mão estendida… da intensidade daquele beijo… do valor daquele silêncio… o tamanho daquele sorriso… da demora daquele abraço. A uns mete medo, a outros, terror. Preferem amar sozinhos, sem acreditarem no amor que alguém pode ter por eles. É mais fácil viver sem o peso dessa responsabilidade, tranquilos no sossego de que como não assumem esse peso, também não sofrem as consequências dos abusos. Há quem ame não se deixando amar porque não sabe lidar com o amor em si. Renegam-no para um lugar para onde vão os sentimentos menos nobres, como seja uma dor de cabeça que não mata mas mói, um pé torcido que faz coxear mas não imobiliza. Amar, por muito bom que seja, é uma chatice. Impede, restringe, bloqueia, prende… Retribuir amor? Dá trabalho, mostra-nos, fragiliza-nos, coloca-nos numa posição de fraqueza… é admitirmos que alguém tem poder sobre nós. E isso, para certas pessoas, é morte em vida. Mas depois há quem renasça por se saber amado, por se saber deixar amar. Por aceitar isso, querer isso. Por se saber o centro do mundo de outro alguém. Por saber que essa pessoa não terá nunca palavras suficientes para descrever o que lhes faz sentir, querer e desejar. Há quem renasça e ganhe nova vida quando se sabe amado, quando ama, quando aceita e integra para si que o amor, para o ser verdadeiramente, tem de ser recíproco, sentido livremente, demonstrado, mostrado, visível, até. Tenho uma amiga minha que tem feito a delícia dos meus dias. Está apaixonadíssima. Tenho uma amiga minha que está apaixonadíssima e que tem feito as delícias dos meus dias ao dizer-me que faz sol quando chove, que a vida é bela, que o mundo é redondinho e azul e lindo. Tem-me feito sorrir feita parva para um ecrã várias vezes ao dia, sempre que leio os e-mails dela. Tem-me feito ficar com os olhos cheios de lágrimas de tão contente que fico por ela. Por ser quem é e por gostar tanto dela, só consigo sentir-me feliz por aquela alminha ter encontrado outra que a faça voar e ver tudo de forma tão bonita. Que a faça amar e aceitar ser amada. Que a faça querer receber tanto como aquilo que quer dar. Coragem inesgotável. Para ela, e porque há quem seja mais eloquente com as palavras do que eu, deixo-lhe este poema que fala da aceitação do amor, do saber-se deixar amar. Da entrega que é necessária para nos deixarmos sentir amados e amarmos. Se partires, não me abraces Se partires, não me abraces - a falésia que se encosta uma vez ao ombro do mar quer ser barco para sempre e sonha com viagens na pele salgada das ondas. Quando me abraças, pulsa nas minhas veias a convulsão das marés e uma canção desprende-se da espiral dos búzios; mas o meu sorriso tem o tamanho do medo de te perder, porque o ar que respiras junto de mim é como um vento a corrigir a rota do navio. Se partires, não me abraces - o teu perfume preso à minha roupa é um lento veneno nos dias sem ninguém - longe de ti, o corpo não faz senão enumerar as próprias feridas (como a falésia conta as embarcações perdidas nos gritos do mar); e o rosto espia os espelhos à espera de que a dor desapareça. Se me abraçares, não partas. Maria do Rosário Pedreira
É o meu presente para ti.
Por seres uma grande Mulher, por teres um enorme coração e por, acima de tudo, saberes usá-lo. E agora chega destas coisas que isto até parece mal aqui no meio deste blog tão sem jeito. Bom feriado, minha gente. Bom feriado.

48 comentários:

Cantador de Desgarradas disse...

Divido este seu post em 3 partes, que são a primeira e a segunda!

A primeira parte é uma maravilha. Uma simples, deliciosa e comovente maravilha! Sob todos os pontos de vista, quer do português com que escreve, quer das ideias e sentimentos que descreve. E de outros...

Talvez este adjectivo, maravilha, não seja o mais adequado, mas foi o que me veio à ideia e não o recuso.

A segunda parte é linda...
E o poema... sublime!

https://teiasonhos.wordpress.com disse...

"É permitirmos que alguém nos ame." - Tens toda a razão! É mesmo. As pessoas baseiam tudo no dar e receber, mas o dar e receber é outra parte, é a parte da partilha. Mas o mais bonito do apaixonar, é aquele primeiro "click" mútuo, e depois abrir o coração.
Parabéns pelo post e pelo blog.
Lia *

http://teiasonhos.wordpress.com disse...

"É permitirmos que alguém nos ame." - Tens toda a razão! É mesmo. As pessoas baseiam tudo no dar e receber, mas o dar e receber é outra parte, é a parte da partilha. Mas o mais bonito do apaixonar, é aquele primeiro "click" mútuo, e depois abrir o coração.
Parabéns pelo post e pelo blog.
Lia *

K disse...

Ah! A coragem! Essa filha da mãe! E do pai também!

Borboletas, borboletas, voam, voam...

Me disse...

Cantador,
Só lhe posso dizer obrigada por tamanho elogio (de quem vem, é uma honra vaidosa para mim) e acrescentar que há por ali alguns inputs de alguem muito sábio e sage nestas questões.
Foi o post que me saiu, talvez não seja o mais adequado, mas foi o que me veio à ideia e não o recuso...
Um beijo.

Me disse...

Olá Lia,
Obrigada pelos parabéns.
:)
Abrir o coração para entrar e sair... exactamente.
Obrigada pelo comentário e pela visita.

Me disse...

Deixa-as voar, voar... são mais bonitas em voo do que em descanso...

Beijo, Papoila. Beijo.

O Tarado disse...

Parabéns à tua amiga. Ela que aproveite. Não é todos os dias. E quando acontece ou se aproveita ou não se merece o que se tem.

PKB disse...

Realmente é tão difícil acreditar que pode haver alguém para quem somos o mundo e é tão difícil fazer desse alguém o nosso mundo sem o medo de que o abraço seja o último, o beijo seja o último... antes da partida. Quem já "partiu a cara" tantas vezes tem muita dificuldade em não ter muito medo de parti-la outra vez, porque o amor dói - e é dor que se sente - a ferida existe - e está aberta - o fogo arde - e deixa tudo em cinzas...

Eu devia ser optimista. Este é um post optimista. Mas... falem-me de amor e eu vejo o copo meio vazio.

Beijinhos, ME!

Fisherman disse...

O amor.. Palavra sem nexo para alguns, para outros uma palavra forte e carregada de emoções. Quem já amou e foi amado considere-se feliz pois existe muitos entre nós que ainda não o descobriu de uma forma verdadeira ou esta a sofrer por isso.
Não há maior dor do que amar alguém verdadeiramente e não ser correspondido da mesma maneira, para mim é um sentimento de contrastes.

Me disse...

O merecer é relativo, Tarado... Se todos tivéssemos o que merecemos, não havia um único coração partido no mundo... e quem não merecesse o amor, nunca lhe provaria o gosto... Merecer é relativo...
Agradeço-te os parabéns (por ela). Tu, no fundo, no fundo...
:)

Me disse...

PKB,
Às vezes, quando agarramos as coisas com demasiado força, acabamos por partí-las...
O amor não dói. O amor não faz doer... A falta de amor é que dói e faz doer. Termos os beijos e abraços não devia nunca pôr-nos a pensar que podem ser os últimos, nunca. Se lá estão, por alguma razão é... Podem ser os primeiros de muitos...
Feridas mal cicatrizadas, dores mal curadas... é outra questão. Mas isso não é amor. Nem é o amor que faz isso. O amor cura e faz-nos ter orgulho das cicatrizes que temos porque mostram que já amamos, que ainda estamos ali e que estamos prontos e dispostos a mais.
Se não nos deixarmos amar por termos medo que nos toquem nas feridas, então também não sabemos amar porque amar não se faz em medo ou em receio, não se faz em terror do que poderá deixar de ser mas sim em esperança e fé de tudo quanto ainda poderá acontecer.
Depende de ti essa tua visão do copo. Não esperes que seja outra pessoa a enchê.lo ou a virá-lo ao contrário. Tu não acreditas nos outros mesmo... Não és pessimista, és uma descrente. E isso, desculpa, não foi o amor que fez. Foste tu porque não soubeste lidar com ele, nem com quem te amou, nem com quem amaste.
Passaroca... Não é nada dificil acreditar. Abre só um cadito os olhos... Vais ver.
Um beijo grande para ti.

Me disse...

Fisherman,
O amor é daquelas coisas quase impossíveis de definir. Cada um terá a sua ideia, cada um terá a sua forma e jeito de amar, de ser amado.
Penso que sofre mais quem não se consegue deixar amar do que quem consegue amar de coração aberto, sem problemas, sem entraves.
Imagina veres luz no olhar de alguem, veres calor nos seus braços, sentires paixão nos seus desejos, firmeza nas suas palavras. Imagina isso. E depois imagina seres incapaz de corresponder, seja por medo, por receio, por não quereres, por não sentires o mesmo... imagina o que não deve ser sentires-te incapaz de retribuir. Deve ser terrível. Sentires-te pequeno perante a grandiosidade de quem abre o coração e diz "estou aqui, sou inteiramente tua, amo-te e quero que me deixes amar-te".
Imagina.

Dói muito recusarem isso. Não se deixarem amar. Dói uma daquelas dores terrivelmente agudas e fininhas que nos faz mirrar e perder tamanho. Contrastes...

Amar é também deixar-se amar. Quem nunca amou ou foi amado por "incapacidade"... ainda vai a tempo, penso eu.
Nunca é tarde de mais nestas questões. Nunca.
E ninguém merece viver sem amor.

Um beijo para ti e obrigada pelo comentário.

Fisherman disse...

Nunca ninguém deve viver sem amor.

Bom fim de semana...

bjs

O Inconformado disse...

Saindo um pouco do meu registo normal, em primeiro lugar gostaria de deixar os meus parabéns pelo texto muito bem escrito sobre algumas grandes verdades que nos constroem (ou destroem) como pessoas. Deixarmo-nos ser amados é complicado, principalmente hoje em dia, em que as pessoas vivem muito o chamado Amor egoísta e egocêntrico no qual há muito pouco espaço para os outros. Este tipo de Amor torna tudo muito mais difícil. As pessoas escondem-se, fogem da responsabilidade acrescida de serem amados por alguém e abrigam-se no facilitismo de se amarem somente a si próprias. Sofrem menos assim é claro mas também se tornam mais frias e distantes dos outros. Amar e deixar ser amado é acima de tudo arriscar. E quem arrisca pode colher deliciosos frutos que dão algum sentido às coisas.
Parabéns à amiga. Sortuda! :)
Fim de registo sério.

K disse...

Pois são!

Beijo meu amor

O Tarado disse...

Não mudo a merda do nick para O Romantico. Nunca! Estás a ler bem? Nunca! :)

ps: bem lá no fundo. mesmo mesmo, mesmo.

O Tarado disse...

Olha outro que faz pontes em vez de contribuir para o PIB. Vai trabalhar pá. É a melhor cura para dores de corno, cotovelo e coração. Dizem.

Cantador de Desgarradas disse...

:)

Fisherman disse...

Tu lá sabes... Tu lá sabes.

Me disse...

Tarado,
No fundo, és um menino, tal como todos os Homens.
E não há absolutamente mal nenhum nisso.
É bom.
Bjs

Me disse...

Inconformado,
Obrigada pelas tuas palavras, também elas bem escritas... ;)
Arriscar... ai o arriscar... Mais rapidamente se atravessa um cruzamento com sinal vermelho, de olhos fechados, do que se faz o resto...
Sortuda, de facto.
Beijos para ti

O Inconformado disse...

É o medo, cada vez maior, de se perder mais do que se pode eventualmente ganhar. Mas normalmente o medo é irracional porque as pessoas tentam prever o futuro, o que pode ou não acontecer. São calculistas. No Amor não pode haver cálculos, estratégias, trocas comerciais. Arriscar é importante porque demonstra confiança. Não há Amor que dure sem plena confiança no acto de arriscar :)

Me disse...

Inconformado,
Mas medo porquê? Porquê agora esse medo todo?? Dantes não havia? Se estamos cada vez mais independentes, para quê tanto medo nesta questão? Dantes ainda poderia haver outro tipo de questões pelo meio, mas hoje em dia? Se existe mais estabilidade a certos níveis, porque não apostar mais neste? Quando realmente se quer, why not?
É por termos mais que somos mais calculistas com o que temos e com o que podemos ter e dar aos outros? Damo-nos assim tanta importância??
Aí está a questão do merecer... passamos a vida a avaliar se os outros nos merecem como se fôssemos algum prémio?
Cada vez percebo menos disto.
Mas sim, cada vez mais egoístas e com cada vez menos capacidade e poder de entrega.
*sigh*

PKB disse...

Com o tempo tornei-me muito céptica, Me. Beijinhos.

In Love disse...

Ora entao depois de ler com muita atenção o post, que pelos vistos a mim é dirigido (um muito obrigado pela partilha e dedicação do poema lindo minha querida) não poderia deixar de maneira alguma de comentar ou de responder de certa forma aos comentarios aqui deixados.
Primeiro ponto, estar apaixonado é sem duvida a melhor sensaçao que se pode ter neste vida, e seja apaixonado por alguém ou por algo, desde que essa paixao seja correspondida e nos faça sentir a pessoa mais importante e mais linda neste mundo.
Segundo ponto, a paixao so tem razao de ser e valor quando a dois e quando a pre-disposiçao para amar e ser amado está existente de uma forma humilde, sem preconceitos, sem medos, sem tabus, sem fronteiras...
Terceiro ponto, não e facil amar ou estar preparado para amar quando a vida ja nos deu razoes para ter um medo enorme de o fazer. Contudo nada e impossivel e se realmente queremos e merecemos ser felizes entao teremos que dar a volta por cima e abrir o nosso coraçao para receber tal dadiva (o amor).
Vou-me ficar pelos tres pontos que acho mais relevantes para responder ao medo de amar e a disposiçao para amar e ser amado porque acho que somos todos diferentes uns dos outros e se alguns nao tem medo de amar e serem amados incondicionalmente outros sei que nao o conseguem ou nao se permitem por diversas razoes (o que eu acho uma parvoice porque a vida sem amor, sem paixao nao tem sentido).
Tal como a minha querida amiga escreveu no seu post, a grande verdade para que um dia de chuva parece um dia de sol, para que o mundo pareca belo azul e redondinho teremos de ser nos os causadores de tais sensaçoes indescritiveis. Nada nos cai aos pes vindo do ceu (nem o amor), temos apenas de perceber quando a vida nos esta de certa forma a oferecer algo tao lindo e tao bom, poder amar e ser amado. O que eu penso que muitas vezes e o erro de muita gente, nao se aventuram na loucura de abrir o coraçao para alguem que afinal so quer dar e receber amor.

In Love disse...

Eu estou sem duvida alguma muito apaixonada e nao consigo esconde-lo ou deixr de o partilhar com pessoas que para mim sao muito importantes e isto pelo simples facto de eu saber que alem de minhas amigas tambem ficam muito felizes por eu estar feliz.
Isto e tudo muito lindo, eu nao consigo deixar de contagiar quem esta a minha volta (so os mais importantes claro!) com a minha felicidade e assim vou viver porque tambem ja passei por situaçoes drasticas na minha e tambem ja cheguei a pensar que a vida era uma injustica e que nunca iria ser feliz ou ter o que merecia. Por isso fica aqui o convite para que abram o vosso coracao deixem-se amar, nao tenham medo de amar, entreguem-se incondicionalmente de corpo e alma, porque vale a pena estar apaixonado. E uma sensacao linda, entusiasmante, sincera e que nos deixa a flutuar como se nada nem ninguem nos pudesse derrubar.
A ti minha linda agradeço do fundo do coraçao o poema que e lindo e que se encaixa perfeitamente em mim e no momento que estou e vou continuar a viver para o resto da minha vida! Sim porque se podemos sentir-nos bem, felizes e amados porque nao ter ou querer esta sensaçao para o resto da vida!? Afinal de contas o meu objectivo principal na vida e muito simples, SER FELIZ!!!
Um xi-coraçao pa ti miguinha pela partilha desta felicidade, pela tua amizade e acima de tudo porque mereces como amiga que es e pessoa maravilhosa que te conheço.
OBRIGADO (amiga)!!!!

Anonymous disse...

Olá minha querida amiga!
Não sei porque será que tambem tenho tido o mesmo tipo de emoções que tu ti veste ao ler a conversa que tive com uma amiga no msn. ;))
A vida é bela, as vezes nos é que não sabemos tirar partido dela!
Bjs grandes
Ass. E.M.

Me disse...

Oh, porra...
:)

Assim não vale.
(adorei o nick... adorei...)

Olha... um brinde virtual!
À excelente continuação dos bons começos!!!
:)

Me disse...

Ena, Ena!!! Hoje quem recebe mimo sou eu!!
OLÁ Maria!!!!!

Andas muito no msn, tu... hahehaheha!! (digo eu cheia de inveja).

Beijos maiores!
('brigada pela visita...!!!)

Anonymous disse...

É verdade amiga, já a muito que não escrevia nada aqui, mas sabes bem que te visito sempre e também sei que tas bem, porque as más noticias correm depressa!!!!
Eu é que tou com as minhas amigdalas inflamadas. :((
Ass. E.M.

In Love disse...

Love is in the air... bla bla bla bla!!!!!
Merry Christmas pa todos ... lol!

Me disse...

Só tens a perder com isso...
Mas pronto
Beijos para ti, Passaroca
:)

Me disse...

GAJAS!!!
MAU!!!

E.M., lamento muito pelas tuas amígdalas... e nem quero falar no assunto que ainda há uns 3 meses andei a levar injecções na regueifa por causa da mesma coisa... As melhoras!!! Todas!!

In Love... porta-te bem, pá... já se desejou feliz natal aqui no tasco. Em Outubro ou Setembro, não me lembro!

Isto é um tasco! Não se fala de assuntos sérios! Não se deseja Merry Christmas! Não há love nenhum no ar!!

Portem-se bem!!

:)

(Beijos, Marias. Muitos e com saudades para vocês).

In Love disse...

Mas como o Natal e quando o homem quiser eu desejo merry christmas sempre que me apetecer oh tasqueiros!!!!

Na digas que o amor nao ta no ar, olha que ta!
O meu amor por ti ta sempre no ar Maria

Me disse...

Olha pronto.
Com essa é que tu me cagaste.
(sou tão gentil, não sou?)

:)

O meu signo bem dizia que este mês eu ia andar envolta em amor e que o amor me ia atingir e que não valia a pena resistir...
:)

(atão e o que fazes logo....? hmmm???
BRINCADEIRA!!!! A K fica ciumenta...)

:D

BEIJOS!!!

PKB disse...

Já perdi... Bjocas Me! :)

O Tarado disse...

Sim sou menino. Eu gosto que as gaijas pensem que sou menino. Faz acordar o seu instinto maternal. E que instinto elas têm...

"Buaaaaa... tou com fome.. posso mamar nas tetas?" é o que me vem a cabeça quando me chamam menino... ummmmm.

Obrigado por este momento.

O Tarado disse...

Eu tenho histórias para contar. Mas não conto. :)

O Tarado disse...

Nunca ouviste dizer que mais vale chegar a velho a pensar nas coisas erradas que fizeste (com os devidos limites claro) do que não pensar em nada? Então? Arriscar é tudo o que podemos fazer para tornar a vida mais interessante. O Ditado de que quem não arrisca não petisca não é por acaso.

O Tarado disse...

Pois. Penso o mesmo. ter medo de arriscar porque? Esta merda de vida é tao curta que se vamos andar com medos e receios... é um desperdício de todo o tamanho. Pior que vida desperdiçada, ó mesmo vida deitada fora.

O Tarado disse...

Lesbianismo? Ummm.... as memórias...

Me disse...

Eu já devia ter aprendido... mas não... não... caio sempre no mesmo erro....
caredo.

Me disse...

E? Já perdeste. E?
Todos nós já perdemos. Não significa que fujamos de tudo e todos. Nem sempre se perde mas se não estiveres "em jogo", nem uma coisa nem outra.
Não é melhor ter-se amado e perdido do que nunca se ter amado sequer?

Olha, PKB, não me leves a mal, mas se estás assim tão fragilizada e ferida nestas questões, então não deixes que alguem se apaixone por ti ou goste de ti sequer. Só vais magoar essa pessoa quando tu não te deixares amar.
Protege-te a ti, mas lembra-te dos outros também.

E prontes.
Beijos para ti também.

Me disse...

Graças aos Santinhos!!!
Foda-se!!!

Me disse...

Exactamente...

Me disse...

É como aquela célebre frase que detesto mas que é verdade: Tudo é eterno enquanto dura.
Não sabemos o dia de amanhã... e também não é uma questão de entregar as coisas nas mãos do destino e pronto.
O amor, como tudo o resto, tem de ser trabalhado, mantido, amado, até!
O laxismo, a preguiça... a má vontade. O tomar as coisas como garantidas... Tudo isso destroi o tal eterno, fazendo-o durar pouquíssimo tempo.
E sim, andar cá por andar... fazer figura de corpo presente e ir deixando uma espécie de rasto de "destruição" no caminho vale tanto como chover no molhado.
Ehhh.

Me disse...

Cala-te, pá.