26.11.09

Inspira-expira-inspira-expira-inspira-expira...

imagem: google Há pessoas neste mundo que acham que o resto do mundo lhes deve alguma coisa. Acham, com tudo quanto têm e são, que o resto do mundo é uma perfeita merda e que a existir paraíso, o mesmo encontra-se situado bem no centro do próprio umbigo. Estas pessoas são, segundo as próprias, prova inequívoca de que deus existe, que existe sempre a excepção que confirma a regra. Fazem questão de, com murros na mesa e disparates a voar da boca, afirmar que são como são e ainda bem porque o mundo precisa é de mais gente assim, que isto é tudo uma cambada de idiotas incompetentes chapados que nada fazem e nada sabem e que, ainda por cima, nada querem fazer e nada querem saber. Os complexos de inferioridade são difíceis de decifrar, difíceis de gerir e extremamente difíceis de aturar. Não há argumento lógico e bem fundamentado ou opinião devidamente estruturada que resista a quem passa o tempo à procura de pequenos lapsos no discurso para se fazer valer de um qualquer nível de chico-espertice que prova que está atenta e que ninguém a engana, hein!!! Não ouvem (não o sabem fazer) e nem querem ouvir. Não precisam de o fazer. Sabem tudo. Quem trouxer coisas novas apenas lhes está a tentar dar a volta, tentar ludibriar, tentar enganar e fazer mal. Gatunos!! Cambada de chulos!! Cabrões!! Os complexos de inferioridade funcionam como uma espécie de muro que os doentes armam com guardas e bazucas e tudo quanto seja radar, não vá o resto do mundo entrar e mostrar-lhes que estão errados. Aos olhos de quem tenta puxar para cima e mostrar que há mundo para além daqueles calhaus, funcionam como farpas que a cada rasgo de pele deitam abaixo e enfraquecem qualquer boa vontade que possa existir em relação a seja o que for. Tenta-se a abordagem da gentileza, a abordagem da simpatia, a da compaixão, a da ingenuidade – tenta-se tudo que não fira susceptibilidades e permita que no tal muro se vá abrindo pequenas janelas. Não vale a pena. A insegurança é armadura difícil de trespassar e ou se está preparado para aniquilar por completo a fraqueza e falta de segurança, assumindo todos os medos e receios para nós, ou então não vale a pena. A reacção vai ser uma fuga para a frente, um abalroar de tudo quanto se diga e faça, um despeito e negar de tudo quanto não seja conducente com as ideias e opiniões que desde sempre existiram e hão-de continuar a existir. Conheço pessoas inseguras em relação às quais não pensaria duas vezes em pegar nos tais medos e receios para os levar para longe, em relação às quais não teria problema nenhum em partilhar o que pudesse das minhas forças e seguranças, em relação às quais faria questão de ser o tal muro até ganharem pé, até se acharem em condições de se aventurarem de forma mais segura pelo mundo fora. E depois conheço pessoas que apenas me dão vontade de lhes dar com a merda do muro nos cornos sempre que abrem a boca, que trazem para fora o pior que há em mim, que me fazem perder qualquer tipo de controlo em relação ao que sei ser razoável e decente e normal e bom. Que apenas me dão vontade de puxar pelos galões e exigir vénia sempre que me olhem, que lavem a boca antes de me falarem, que agradeçam aos santinhos eu lhes ter aparecido na vida. Que me dão vontade de as obrigar a rebaixarem-se, a sentirem-se verdadeiramente pequenas e vulneráveis, que admitam a merda que são e que depois me desapareçam da vida. No meio disto tudo, o que mais detesto é a falta de controlo que tenho para mostrar a inteligência que sei que tenho, é sentir-me a transformar numa bestinha igualmente prepotente e armada aos cucos quando ao pé deste tipo de gente. Nem as penso. Transfiguro-me. E quem acaba por pagar as favas sou eu, claro. Estas pessoas, os patos bravos que por aí abundam, usam e abusam dos outros a seu bel-prazer de modo a garantir que sejam sempre eles os reis do castelo, os mais fortes do bairro, os donos do pedaço. Vale tudo na guerra que têm com elas próprias, vale tudo menos sentirem que não se aguentam à pedalada. São arrogantes, narcisistas, egocêntricas e tão fodidamente frágeis da cabeça que preferem recorrer à violência verbal e às ameaças para assegurarem a sua própria sobrevivência, nem que seja à custa dos outros. Mas apesar dos apesares, não consigo deixar de as olhar com uma certa pena, com uma certa condescendência, até. Por muito mau que isto seja, sei que devia saber melhor do que reagir da forma que por vezes reajo. Devia ser melhor e maior que isso. Se mais nada, ao menos que me sirva de aprendizagem. Inspira-expira-inspira-expira-inspira-expira… breeeeeeeeeeeeeeeeeeeathe……

26 comentários:

Lizard King disse...

FDX!!!!!!!

Não me digas que estives-te a falar com a minha chefe ;)

Se não, ia jurar que costumas beber café com ela :P

Bjx

Me disse...

Lizard,
Acreditas que à medida que ia escrevendo isto, lembrei-me disso?
Mas não... não foi com a TUA chefe que estive a falar...

Beijos, Maria

O Tarado disse...

Nao me digas que o teu chefe passou de porreiraço a outra coisa qq! Ena ena... temos sangue!

Apanhou-te a comentar o blog foi? Ou não te deu as palmadinhas nas costas por fazeres trabalhos em casa? Mau chefe . Mau! Senta!!

:)

Parvoice=ON
Ele é um excelente fascista aposto. Precisamos de gente assim em Portugal porra! Só assim é que isto vai para a frente. Calões dos funcionários pá!
Parvoice=OFF

Me disse...

Tarado,
E quem disse que estou a falar do meu chefe????
Isso de andar por aqui a adivinhar... Só se for o euromilhões, ouviste? E se assim for, passas para cá os números, não pias e siga!
Vamos todos de férias desta merda qualquer e pronto.
Consegues desligar a tua parvoice???
Fonix. Porque não o fazes mais vezes então?
Hmmmm.

O Tarado disse...

Não é advinhação. É dedução porra! Então metes "com a TUA chefe " em que o TUA aparece capitalizado... então só pode ser com o TEU chefe. Que outro motivo te levaria a reforçar a coisa? Não era uma pergunta!

Parvoice é a minha assinatura. Estupidez também. Se não queres que eu vá embora então enche e cala. Compreendido? Vá. Prevejo um dia fantastico amanha. E um novo episódio das tuas desavenças. Alimenta a nossa sede de sangue!!!!

Fisherman disse...

A insegurança ou falta de confiança, deve-se sobretudo a passados difíceis, com privações de carácter afectivo ou até mesmo social, que acabaram por nos tirar a capacidade para percebermos que nem todas as pessoas nos querem mal.
Outra das razões que já me deparei em pessoas com esse tipo de comportamento, e elas mesmas terem sido rebaixadas ao ponto de deixarem de acreditar que são pessoas capazes de realizar alguma coisa de útil.
Então trilham o seu próprio caminho, com dupla personalidade, a de uma pessoa integra que têm uma vida regada de bons princípios e onde tudo esta bem definido e controlado, e a outra pessoa de carácter frustrado, que para atingir o sucesso precisa de manipular, enganar, rebaixar entre outras atitudes menos dignas.

K disse...

Sabes quem é que me fizeste lembrar com este texto, não sabes?

Nem era atirar um muro, era a muralha da China inteira e mais qualquer coisa que viesse à mão!

Assenta igualmente bem a algumas das visitas que tens vindo a ter desde há um par de meses para cá e para as quais começa a faltar paciência! Não se vai lá com DDT, nem com RAID, é uma bomba napalm e vê-los arder!

PKB disse...

Quando fiz o meu estágio, tive a (des)honra e o (des)gosto de trabalhar com uma senhora cujos únicos registos eram a gritaria, as faltas de respeito e o autoritarismo barato. Saí de lá traumatizada e disposta a tudo para não ter gente daquela a mandar em mim!

Me disse...

Foda-se, pá.
Ficaste com essa da estupidez aí agarrada à cabeça, não?
Caredo.
Por enquanto o dia não está a correr bem. Podia ser muito pior, mas... neste momento, 'tou-me a cagar para o pior. Quero é o melhor.

Em relação ao resto que falaste, NO Freakin' COMMENT!!!
:P

Me disse...

E o que é que se responde a isto, oh Fisherman?
'Tá tudo dito.
Boa, mike.
Boa.

Me disse...

Acabaste de arranjar uma guerrinha.
Amanha-te.
Eu ainda estou demasiado concentrada em respirar.
Oh eu a respirar e a fazer de conta que depois não vou ter que intervir para mandar meia dúzia de chapadas no pessoal, ver se se acalmam os respectivos pitos.
inspira-expira-inspira-expira-inspira-expira...... breeeeeeeathe.......

Me disse...

Gajo,
Ainda pensei em responder-te de forma meio azeda.
Mas não.
Não me apetece. Contigo não. Não precisas que o faça para saberes que é essa a vontade que tinha.
Obrigada pelo comentário e pelos parabéns em forma de beijo.
Considera-os retribuídos.

Me disse...

Pois, Passaroca... mas nem sempre controlamos isso, né?
As pessoas acabam sempre por se revelar. Tenho pena é que não dêem avisos primeiro.
Traumas? :)
Pois.
Beijos para ti

K disse...

Minha cara, ultimamente a minha arma predilecta é a pura indiferença. Se estás à espera que vá responder a provocações, esquece lá isso. Deixai-os berrar se tal acontecer. Às tantas cansam-se.

Cantador de Desgarradas disse...

C'est la vie, como dizem os japonésidos.

O Inconformado disse...

Lamento o inferno. Gente parva há em todo o lado. Gente que um dia irá ter o que merece. Gente burra que não vê 3 cms à frente do nariz. Gente que se devia chamar mais de gentinha. Pato bravo é realmente o fim da escala, o degredo em pessoa. E o pior é que existem muitos em lugares de chefia. Criam ambientes corrosivos, destroem equipas, fazem tudo o que não se deve fazer em termos de relacionamentos sociais e profissionais. Gente que só manda porque um dia tiveram sorte de mão beijada e acham que os outros têm de conseguir essa mesma sorte aturando maus fígados, faltas de educação e outras barbaridades consideradas falhas de personalidade e de carácter. Gente de memória curta que não aprende porque é limitada mas que se acha extremamente inteligente. Gente que não deveria ser gente. Ponto. Lamento.

Desinformador disse...

Com isto lembrei-me de uma música dos Placebo:
"...Hold your breath and count to 10
Then fall apart and start again..."

A receita do Brian Molko é exactamente a oposta da tua... mas o fim é praticamente o mesmo!!!

E sim, realmente por vezes, com tamanhos complexos de inferioridade, só dá vontade de lhes abrir a cabeça e gritar para dentro: "Acordem para a vida! Há vida para além do vosso umbigo!!!"

PKB disse...

Antes um pé partido que trabalhar com aquele emplastro!

Me disse...

Sabes que simpatia com simpatia se paga... e nesse campo, estou-te em dívida.
Um óptimo fim-de-semana para ti também.

Me disse...

Desinformador,
"...Hold your breath and count to 10
Then fall apart and start again..."

Sabes que isso, neste momento, me está a parecer mais que bem. É que tanto inspirar e expirar, já começo a hiperventilar...
:S

Me disse...

Oh, Inconformado...
:)

Beijos.

Me disse...

Mas não tinha de ser... não tinha de ser assim...

Me disse...

Be careful what you wish for... you might just get it...

beijos, Passaroca

Me disse...

:)

Há sempre os incansáveis da vida, sabias?

Pessoalmente, prefiro esses... e desses temos aqui muitos exemplos...

O Tarado disse...

Ora aí está. O benfica joga com o sporting amanha e eu estou-me a cagar para o pior tb. Só vou ver é o benfica a ganhar e mais nada :D

O Tarado disse...

Se não fosses boa comomilho eu dizia-te o que podias fazer. E não é o que estás a pensar. Também não é isso. E isso também não.

E sim parreca... eu gosto de milho.